Liturgia e Missão

temática

CONFERÊNCIAS:

O desafio missionário da Iniciação Cristã
P. Carlos Aquino, Diocese do Algarve


A dimensão missionária dos sacramentos da cura
P. Jorge Vilaça, Arquidiocese de Braga


O envio missionário nos sacramentos do serviço e da comunhão
Dom José Cordeiro, Bispo de Bragança-Miranda


O Cantoral Nacional: critérios e utilização
Prof. Emanuel Pacheco, Diocese do Porto


A dimensão litúrgica da missão
Dom Manuel Clemente, Cardeal Patriarca de Lisboa


Catequese litúrgica
P. Paulo Malícia, Patriarcado de Lisboa


Presidência evangélica e evangelizadora
Cón. Luís Manuel P. da Silva, Patriarcado de Lisboa


Música e evangelização dos jovens
P. António Cartageno, Serviço Nacional de Música Sacra


Os acólitos ao serviço da missão
Serviço Nacional de Acólitos

Celebrações:

Laudes
Vésperas
Eucaristia
Celebração penitencial
Serão missionário


O 45º Encontro Nacional de Pastoral Litúrgica, a realizar em Fátima nos dias 22-26 de julho de 2019, será sobre Liturgia e Missão. O programa privilegia o encontro pessoal com Jesus Cristo vivo e presente nas diferentes celebrações litúrgicas do Encontro, como são as Eucaristias e a Liturgia das Horas, a Celebração Penitencial com possibilidade de reconciliação sacramental individual e a leitura do Martirológio Romano. A formação será orientada de acordo com a pedagogia litúrgica, bem formulada no  Catecismo da Igreja Católica: “Os sacramentos da nova Lei foram instituídos por Cristo e são em número de sete, a saber: o Baptismo, a Confirmação, a Eucaristia, a Penitência, a Unção dos Enfermos, a Ordem e o Matrimónio. Os sete sacramentos tocam todas as etapas e momentos importantes da vida do cristão: outorgam nascimento e crescimento, cura e missão à vida de fé dos cristãos. Há aqui uma certa semelhança entre as etapas da vida natural e as da vida espiritual”.
“Seguindo esta analogia, exporemos primeiro os três sacramentos da iniciação cristã (capítulo primeiro), depois os sacramentos de cura (capítulo segundo) e finalmente os que estão ao serviço da comunhão e da missão dos fiéis (capítulo terceiro). Esta ordem não é, certamente, a única possível, mas permite ver que os sacramentos formam um organismo, no qual cada sacramento particular tem o seu lugar vital. Neste organismo, a Eucaristia ocupa um lugar único, como sacramento dos sacramentos: todos os outros sacramentos estão ordenados para este, como para o seu fim”. (…)

A renovação litúrgica não se limita aos ritos e às preces, mas renova a própria actividade missionária ad gentes. O aumento dos missionários leigos é, certamente, um fruto da liturgia renovada, que interpela os fiéis na língua mãe e os envia em missão, em circunstâncias muito estranhas que apontam para a fé. A expressão litúrgica Ite, missa est no final da Missa encerra um significado difícil de traduzir, porque apronta para a missão. A tradução portuguesa indica um mais além: Ide em paz e o Senhor vos acompanhe.

Pedro Lourenço Ferreira, in Boletim de Pastoral Litúrgica nº 171-172, pp. 65-66.