Celebrar e viver melhor a Eucaristia

Nota Pastoral do Conselho Permanente da CEP


1. A terceira edição portuguesa do Missal Romano, aprovada pela Conferência Episcopal Portuguesa no dia 14 de novembro de 2019, foi validada pelo Papa Francisco em audiência concedida à presidência da Conferência Episcopal Portuguesa no dia 8 de janeiro de 2021, em especial no respeitante aos diálogos do Ordinário da Missa e às fórmulas sacramentais. Recebeu o Decreto da Confirmatio e Recognitio da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos de 13 de outubro de 2021 (Prot. n. 117/20).

2. A presente edição foi preparada segundo as indicações da Carta apostólica em forma de Motu Proprio Magnum principium, as orientações dos competentes organismos da Sé Apostólica e a partir da experiência pastoral consolidada nas nossas Igrejas locais.
Esta edição para as celebrações da Missa em língua portuguesa deve ser considerada «típica» para a Igreja peregrina em Portugal, oficial para o uso litúrgico, e poderá usar-se após a sua publicação, entrando em vigor a partir do dia 14 de abril de 2022, Quinta-Feira da Semana Santa.

3. Os novos textos do Missal Romano em língua portuguesa são oferecidos ao Povo de Deus num tempo de aprofundamento da reforma litúrgica que brotou do Concílio Vaticano II. Passados estes anos, é necessário continuar este trabalho de aprofundamento, como afirmou o Papa Francisco: «particularmente redescobrindo os motivos das decisões tomadas com a reforma litúrgica, superando leituras infundadas e superficiais, recepções parciais e práticas que a desfiguram. Não se trata de repensar a reforma revendo as suas escolhas, quanto de conhecer melhor as razões que lhe estão subjacentes, inclusive mediante a documentação histórica, bem como de interiorizar os seus princípios inspiradores e de observar a disciplina que a regula. Depois deste magistério, após este longo caminho, podemos afirmar com segurança e com autoridade magisterial que a reforma litúrgica é irreversível».
A renovação conciliar da Liturgia realizou-se na publicação dos livros litúrgicos. Tal atualização demandou um aprofundamento das riquezas das fontes litúrgicas em plena fidelidade à Sagrada Escritura e à Tradição. Por isso, à pastoral e à espiritualidade litúrgicas exige-se não só esta dupla fidelidade, mas um renovado empenhamento pela palavra de Deus na participação litúrgica dos fiéis.

4. Essa linha de enriquecimento, a partir das fontes, continua nesta nova edição típica. As primeiras duas edições do Missal de São Paulo VI já tinham mais que duplicado as orações oferecidas pelo Missal precedente, de São Pio V. A nova edição típica, de São João Paulo II, oferece novos formulários no Próprio do Tempo (vigílias da Epifania e da Ascensão), no Santoral (celebrações entretanto introduzidas no Calendário) e nas Missas para diversas necessidades e votivas. No tempo da Quaresma, cada dia passa a dispor de uma específica Oração sobre o Povo. Os formulários do Tempo Pascal ganham variedade com novas orações tomadas dos antigos Sacramentários. Um novo prefácio dos santos mártires vem enriquecer a ação de graças da Igreja… No Ordinário da Missa dispomos agora de maior variedade nas saudações, no ato penitencial, no convite à oração sobre as oblatas, na introdução ao Pai nosso, nas fórmulas de despedida da assembleia no final da celebração. Também se procurou melhorar o acesso a formulários e preces que agora têm uso mais facilitado, como o rito para a bênção e aspersão (agora nos ritos iniciais) e as várias Orações eucarísticas que passam a figurar no final do Ordinário da Missa, bem no centro do Missal. O conhecimento de todas essas possibilidades, por parte dos que têm a missão de presidir à mais santa das assembleias do povo de Deus, deve quebrar rotinas. A novidade deve introduzir variedade e sentido de adaptação, em ordem a uma prece mais viva.

5. Mais do que uma tensão entre “Tradição” e “progresso”, a reforma litúrgica quer ser uma renovação na linha de uma Tradição sempre viva, que consinta um desenvolvimento orgânico. Neste percurso, os livros litúrgicos são o primeiro e o essencial instrumento para a digna celebração dos mistérios, além de serem o fundamento mais sólido para uma eficaz catequese litúrgica. Isto é verdade para cada livro litúrgico, mas muito mais para o Missal que, juntamente com os outros livros em uso na celebração eucarística, está ao serviço do mistério que constitui a fonte e o cume de toda a vida cristã.

6. A nova edição do Missal Romano para Portugal integra o nobre serviço das artes numa superior arte de celebração, que é urgente cultivar e incentivar. Disso são exemplo, as novas gravuras de um artista do nosso tempo que pretendem abrir a oração da Igreja à beleza da contemplação. Também por isso se inclui a música nos lugares próprios, onde o canto a reclama, para que na celebração – que deve ser modelar no dia do Senhor e nas festas da comunidade cristã – o canto seja mais a regra do que a exceção.
Missal não é só um livro, mas uma ‘coleção’ de livros que inclui, além do Antifonárioo Sacramentário, o Ordinário da Missa e os Lecionários, que na nossa edição em língua portuguesa são oito livros.

7. É urgente uma pastoral litúrgica alicerçada numa mistagogia que acompanhe a comunidade cristã até ao centro do mistério pascal de Cristo, para que a celebração da Eucaristia, de modo especial ao Domingo, seja nobre na sua simplicidade, séria e bela. A celebração dos mistérios é, em si mesma, iniciação aos mistérios, isto é, a Liturgia inicia no mistério, celebrando o próprio mistério, e, ao celebrá-lo, revela o próprio mistério e dá-o a conhecer.

8. Um exemplo desta mistagogia da oração cristã é o retomar da tradicional conclusão plena da Oração coleta: «Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus e convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo, por todos os séculos dos séculos». Para as restantes orações introduz-se a cláusula mais breve, tornando-as mais fluentes: «Por Cristo, nosso Senhor». Estas conclusões, síntese feliz e doxológica da fé da Igreja, laboriosamente formulada nos quatro primeiros Concílios Ecuménicos, são escola da oração. Nelas se modela a regra e dinâmica trinitária, cristológica e pneumatológica: ao Pai, por Cristo, no Espírito Santo. A expressão final – «pelos séculos dos séculos» –, de sabor bíblico, reaparece no Missal, nas coletas e na doxologia final da Oração Eucarística, a reclamar o «Amen» da adesão e profissão de fé da comunidade crente e orante.

9. A centralidade do mistério de Cristo na sua encarnação, morte e ressurreição traduz-se por “ritos e preces” cuidadosamente predispostos e usados de modo respeitoso e comprometido. Trata-se, na realidade, do cumprimento do mandato de Cristo e, ao mesmo tempo, da atualização perene do mistério pascal, a partir do modelo da última Ceia: «Fazei isto em memória de Mim» (Lc 22, 19; 1Cor 11, 24-25).
É em fidelidade a este modelo que a nova edição introduz uma mudança pequena, mas muito significativa no coração palpitante da Oração Eucarística, a Narração da Instituição. O verbo benedicere passa a ser traduzido por bendizer em vez de abençoar. Efetivamente, na Ceia em que nos deixou o memorial do seu sacrifício redentor, Jesus não abençoou nem benzeu o pão ou o cálice, mas dirigiu ao Pai uma oração a bendizê-l’O: bendisse-O. Isso mesmo continuamos a evocar em oração ao Pai na prece central e culminante com que obedecemos ao mandato do Senhor Jesus de celebrar o seu memorial como Ele o instituiu: «O Senhor tomou o pão… e dando graças Vos bendisse. … tomou este sagrado cálice …, dando graças Vos bendisse…».

10. Aos secretariados diocesanos de Liturgia e Espiritualidade propomos que colaborem com os outros lugares educativos da fé da Igreja (famílias, paróquias, santuários, institutos de vida consagrada, associações, movimentos, grupos eclesiais…) para que a vida segundo o Espírito possa constantemente dessedentar-se na fonte da Eucaristia.
Uma inteligência sempre mais aprofundada do Missal nos lugares da formação ministerial (Seminários, Faculdades de teologia, Institutos superiores…), juntamente com uma difusão sempre mais cuidada e destinada a todos os fiéis, contribuirá para uma cultura eucarística: «capaz de inspirar os homens e as mulheres de boa vontade nos domínios da caridade, da solidariedade, da paz, da família, do cuidado da criação» (Papa Francisco). A oração e o compromisso quotidiano da Igreja peregrina sejam vividos à luz do encontro vital com a Palavra de Deus e com a Fração do Pão na celebração eucarística.

A nova edição do Missal Romano seja um excelente estímulo para todo o povo de Deus celebrar e viver melhor a Eucaristia.


Lisboa, 2 de fevereiro de 2022, Festa da Apresentação do Senhor


 


 


CEP Nota Pastoral Missal Romano (PDF)

2022-02-09 00:00:00