Liturgia diária

Agenda litúrgica

2022-01-05

Quarta-feira depois da Epifania

Branco – Ofício da féria.
Missa da féria, pf. da Epifania ou do Natal.

L1: 1 Jo 4, 11-18; Sal 71 (72), 2. 10-11. 12-13
Ev: Mc 6, 45-52

* Na Ordem dos Franciscanos Capuchinhos – B. Diogo José de Cádiz, presbítero, da I Ordem – MF
* Na Ordem de Malta – S. Gerlach de Houthem, eremita – MF
* Na Congregação da Paixão de Jesus Cristo – S. Carlos Houben, presbítero – MO
* Na Congregação do Santíssimo Redentor – S. João Nepomuceno Neumann, bispo – FESTA

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Is 9, 2
O povo que andava nas trevas viu uma grande luz.
Para aqueles que habitavam nas sombras da morte
uma luz começou a brilhar.


ORAÇÃO COLECTA
Senhor nosso Deus, sol que ilumina todos os homens, concedei ao mundo a paz duradoira e fazei brilhar em nossos corações a luz admirável que orientou os passos dos Magos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I 1 Jo 4, 11-18
«Se nos amarmos uns aos outros, Deus permanece em nós»

Deus é amor e ama-nos. É no amor que nós O conhecemos e o amor d’Ele há-de manifestar-se no amor que temos uns aos outros. Assim mostramos que O conhecemos, e os outros O poderão reconhecer em nós. Este amor está unido à fé, pela qual reconhecemos que Jesus é o Filho de Deus, enviado da parte do Pai para nos unir ao Pai no amor perfeito, aquele amor que expulsa tudo o que é temor.

Leitura da Primeira Epístola de São João
Caríssimos: Se Deus nos amou tanto, também nós devemos amar-nos uns aos outros. A Deus ninguém jamais O viu. Se nos amarmos uns aos outros, Deus permanece em nós e em nós o seu amor é perfeito. Nisto conhecemos que estamos n’Ele e Ele em nós: porque nos deu o seu Espírito. E nós vimos e damos testemunho de que o Pai enviou o seu Filho como Salvador do mundo. Se alguém confessar que Jesus é o Filho de Deus, Deus permanece nele e ele em Deus. Nós conhecemos o amor de Deus por nós e acreditamos no seu amor. Deus é amor: quem permanece no amor permanece em Deus e Deus nele. Nisto se realiza a perfeição do amor de Deus em nós, porque somos neste mundo como é Jesus e assim temos plena confiança no dia do juízo. No amor não há temor; o amor que é perfeito expulsa o temor, porque o temor supõe um castigo. Quem teme não é perfeito no amor.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 71 (72), 2.10-11.12-13 (R. cf. 11)
Refrão: Virão adorar-Vos, Senhor,
todos os povos da terra. Repete-se

Deus, concedei ao rei o poder de julgar
e a vossa justiça ao filho do rei.
Ele governará o vosso povo com justiça
e os vossos pobres com equidade. Refrão

Os reis de Társis e das ilhas virão com presentes,
os reis da Arábia e de Sabá trarão suas ofertas.
Prostrar-se-ão diante dele todos os reis,
todos os povos o hão-de servir. Refrão

Socorrerá o pobre que pede auxílio
e o miserável que não tem amparo.
Terá compaixão dos fracos e dos pobres
e defenderá a vida dos oprimidos. Refrão


ALELUIA cf. 1 Tim 3, 16
Refrão: Aleluia. Repete-se
Glória a Vós, Jesus Cristo, anunciado aos gentios;
glória a Vós, Jesus Cristo, acreditado no mundo. Refrão


EVANGELHO Mc 6, 45-52
«Viram Jesus caminhando sobre o mar»

Uma nova manifestação ou “epifania” de Jesus revela-O como Senhor das próprias forças da natureza. Jesus multiplica os sinais para que os discípulos O reconheçam como o Filho de Deus. E não é fácil consegui-lo, porque o espírito deles estava embotado, e a multiplicação dos pães não tinha bastado para que O reconhecessem. A Epifania celebra-se, de facto, na fé, e a sua celebração, repetida em cada ano, pretende levar-nos a reconhecer, cada vez mais profundamente, quem é o Senhor Jesus.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
Depois de ter matado a fome a cinco mil homens, Jesus obrigou os discípulos a subirem para o barco e a seguirem antes d’Ele para a outra margem, em direcção a Betsaida, enquanto Ele despedia a multidão. Depois de a ter despedido, subiu a um monte, para orar. Ao anoitecer, estava o barco no meio do mar e Jesus sozinho em terra. Ao ver os discípulos cansados de remar, porque o vento lhes era contrário, pela quarta vigília da noite foi ter com eles, caminhando sobre o mar, mas ia passar adiante. Ao verem Jesus caminhando sobre o mar, os discípulos julgaram que era um fantasma e começaram a gritar, porque todos O viram e ficaram atemorizados. Mas Jesus falou-lhes logo, dizendo: «Tende confiança. Sou Eu, não temais». Depois subiu para junto deles no barco e o vento amainou. Todos se encheram de espanto, porque o seu coração estava endurecido, e não tinham compreendido a multiplicação dos pães.
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Senhor nosso Deus, fonte da verdadeira devoção e da paz, fazei que esta oblação Vos glorifique dignamente e que a nossa participação nos sagrados mistérios reforce os laços da nossa unidade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO cf. 1 Jo 1, 2
A vida que estava junto do Pai
manifestou-se na terra e nós vimos a sua glória.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Sustentai, Senhor, o vosso povo no presente e no futuro com os auxílios da vossa infinita bondade, para que, com as alegrias que dispondes no seu caminho, se dirija mais confiadamente para os bens eternos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Martirológio

1.   Em Alexandria, no Egipto, Santa Sinclética, que, segundo a tradição, seguiu a vida eremítica.

2.   Em Cartago, na actual Tunísia, São Deográcias, bispo, que resgatou muitos cativos trazidos da cidade de Roma pelos Vândalos, abrigando-os em duas amplas basílicas preparadas com pequenos leitos e esteiras.

3.   Em Roma, a comemoração de Santa Emiliana, virgem, tia paterna de São Gregório Magno, que, pouco depois da sua irmã Tarsila, partiu deste mundo ao encontro do Senhor.

4*.   Na Bretanha Menor, região da actual França, São Convoião, abade, que fundou em Redon o mosteiro de São Salvador, onde, sob a sua direcção e seguindo a Regra de São Bento, floresceu uma pléiade de monges insignes pela sua grande piedade; destruído o seu cenóbio pelos Normandos, construiu um novo mosteiro em Saint-Maxent-de-Plélan, onde faleceu octogenário.

5.   Em Londres, na Inglaterra, Santo Eduardo o Confessor, que, sendo rei dos Ingleses, muito estimado pelo povo por causa da sua exímia caridade, conseguiu estabelecer a paz no seu reino e promoveu tenazmente a comunhão com a Sé Apostólica.

6*.   Próximo de Walkenberg, na região de Limburgo, na actual Holanda, São Gerlac, eremita, insigne pelo seu auxílio aos pobres.

7*.   Em Tódi, na Úmbria, região da Itália, o Beato Rogério, presbítero da Ordem dos Frades Menores, que foi discípulo de São Francisco e seu fervoroso imitador.

8*.   Em Angers, na França, os beatos Francisco Peltier, Tiago Ledoyen e Pedro Tessier, presbíteros e mártires, que durante a Revolução Francesa, foram degolados por permanecerem fiéis ao seu sacerdócio.

9.   Em Filadélfia, na Pensilvânia, nos Estados Unidos da América do Norte, São João Nepomuceno Neumann, bispo, da Congregação do Santíssimo Redentor, que prestou grande auxílio aos imigrantes pobres com meios materiais, providentes conselhos e admirável caridade e se dedicou com muita solicitude à formação cristã das crianças.

10*.   Em Génova, na Itália, a Beata Maria Repetto, virgem, das Irmãs de Nossa Senhora do Refúgio no Monte Calvário, que, oculta aos olhos do mundo, foi notável na sua actividade para confortar os aflitos e fortalecer os vacilantes na esperança da salvação.

11*.   Em Dublin, na Irlanda, São Carlos de Santo André (João André) Houben, presbítero da Congregação da Paixão, zeloso ministro do sacramento da Penitência.

12*.   Em Jazlowice, cidade da Ucrânia, a Beata Marcelina Darowska, que, depois do falecimento do esposo e do filho primogénito, se consagrou ao Senhor e, sempre solícita pela dignidade da família, fundou a Congregação das Irmãs da Imaculada Virgem Santa Maria, destinada à formação das jovens.

13*.   Em Spoleto, na Itália, o Beato Pedro Bonílli, presbítero, fundador do Instituto das Irmãs da Sagrada Família, destinado à educação e auxílio das jovens indigentes e dos órfãos.

14*.   Em Saragoça, na Espanha, Santa Genoveva Torres Morales, virgem, que, tendo sofrido já desde a infância a aspereza da vida e a adversidade da doença, fundou o Instituto das Irmãs do Sacratíssimo Coração de Jesus e dos Anjos, destinada ao auxílio das mulheres.