Liturgia diária

Agenda litúrgica

2022-03-13

DOMINGO II DA QUARESMA

Roxo – Ofício próprio (Semana II do Saltério).
+ Missa própria, Credo, pf. próprio.

L1: Gen 15, 5-12. 17-18; Sal 26 (27), 1. 7-8. 9abc. 13-14
L2: Filip 3, 17 – 4, 1 ou Filip 3, 20 – 4, 1
Ev: Lc 9, 28b-36

* Proibidas todas as Missas de defuntos, mesmo a exequial.
* 9º aniversário da eleição do Papa Francisco (2013). Onde se fizerem celebrações especiais, pode dizer-se a Missa do aniversário da eleição do Papa. Em todas as Missas, quando houver oração universal, incluir-se-á uma intenção especial pelo Papa.
* Na Diocese de Leiria-Fátima – Entrada solene e tomada de posse de D. José Ornelas Carvalho.
* Aniversário da Ordenação episcopal de D. Manuel Pelino Domingues, Bispo Emérito de Santarém (1988).
* Nas Dioceses de Cabo Verde – Ofertório para a Cáritas Diocesana.
* II Vésp. do domingo – Compl. dep. II Vésp. dom.

Em Portugal – Lembrar aos fiéis que, no próximo domingo, o ofertório é para a Cáritas Portuguesa.

 

Ano C

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 26, 8-9
Diz-me o coração: «Procurai a face do Senhor».
A vossa face, Senhor, eu procuro;
não escondais de mim o vosso rosto.

Ou cf. Salmo 24, 6.3.22
Lembrai-vos, Senhor, das vossas misericórdias
e das vossas graças que são eternas.
Não triunfe sobre nós o inimigo.
Senhor, livrai-nos de todo o mal.

Não se diz o Glória.


ORAÇÃO COLECTA
Deus de infinita bondade,
que nos mandais ouvir o vosso amado Filho,
fortalecei-nos com o alimento interior da vossa palavra,
de modo que, purificado o nosso olhar espiritual,
possamos alegrar-nos um dia na visão da vossa glória.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Gen 15, 5-12.17-18
Deus estabelece a aliança com Abraão

Toda a história da salvação, desde o princípio até ao fim dos tempos, não é outra coisa senão o estabelecimento de uma aliança entre Deus e os homens, aliança que é oferta gratuita de Deus e que há-de ser aceitação humilde e agradecida da parte do homem. Mas há momentos mais significativos no estabelecimento desta aliança. Um deles, que é o seu ponto de partida mais explícito, é o da Aliança com Abraão, o crente por excelência, que, pela fé, se entrega totalmente à palavra de Deus. Nesta leitura, a aliança é significada por meio de um antigo rito: os animais oferecidos e esquartejados são o gesto do homem e o fogo que passa pelo meio deles é sinal da presença de Deus. Assim, de aliança em aliança, nos encaminhamos para a celebração da nova e eterna aliança na Páscoa do Senhor.

Leitura do Livro do Génesis
Naqueles dias, Deus levou Abrão para fora de casa e disse-lhe: «Olha para o céu e conta as estrelas, se as puderes contar». E acrescentou: «Assim será a tua descendência». Abraão acreditou no Senhor, o que lhe foi atribuído como justiça. Disse-lhe Deus: «Eu sou o Senhor que te mandou sair de Ur dos caldeus, para te dar a posse desta terra». Abraão perguntou: «Senhor, meu Deus, como saberei que a vou possuir?». O Senhor respondeu-lhe: «Toma uma vitela de três anos, uma cabra de três anos e um carneiro de três anos, uma rola e um pombinho». Abraão foi buscar todos esses animais, cortou-os ao meio e pôs cada metade em frente da outra metade; mas não cortou as aves. Os abutres desceram sobre os cadáveres, mas Abraão pô-los em fuga. Ao pôr do sol, apoderou-se de Abraão um sono profundo, enquanto o assaltava um grande e escuro terror. Quando o sol desapareceu e caíram as trevas, um brasido fumegante e um archote de fogo passaram entre os animais cortados. Nesse dia, o Senhor estabeleceu com Abraão uma aliança, dizendo: «Aos teus descendentes darei esta terra, desde o rio do Egipto até ao grande rio Eufrates».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 26 (27), 1.7-8.9abc.13-14 (R. 1a)
Refrão: O Senhor é a minha luz
e a minha salvação. Repete-se

O Senhor é minha luz e salvação:
a quem hei-de temer?
O Senhor é protector da minha vida:
de quem hei-de ter medo? Refrão

Ouvi, Senhor, a voz da minha súplica,
tende compaixão de mim e atendei-me.
Diz-me o coração: «Procurai a sua face».
A vossa face, Senhor, eu procuro. Refrão

Não escondais de mim o vosso rosto,
nem afasteis com ira o vosso servo.
Não me rejeiteis nem me abandoneis,
meu Deus e meu Salvador. Refrão

Espero vir a contemplar a bondade do Senhor
na terra dos vivos.
Confia no Senhor, sê forte.
Tem coragem e confia no Senhor. Refrão


LEITURA II – Forma longa Filip 3, 17 – 4,1
Cristo nos transformará à imagem do seu corpo glorioso

Cristo glorioso é o termo de toda a história humana, o objecto da esperança de toda a nossa vida e a meta para onde se orienta o nosso itinerário quaresmal. Ao tempo da ascese difícil e dolorosa na subida, que acompanha a vida que vivemos neste corpo mortal, responde a vida gloriosa, que já se manifesta no Corpo do Senhor transfigurado. Mas o caminho e a porta da glória passa pela Cruz.

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Filipenses
Irmãos: Sede meus imitadores e ponde os olhos naqueles que procedem segundo o modelo que tendes em nós. Porque há muitos, de quem tenho falado várias vezes e agora falo a chorar, que procedem como inimigos da cruz de Cristo. O fim deles é a perdição: têm por deus o ventre, orgulham-se da sua vergonha e só apreciam as coisas terrenas. Mas a nossa pátria está nos Céus, donde esperamos, como Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará o nosso corpo miserável, para o tornar semelhante ao seu corpo glorioso, pelo poder que Ele tem de sujeitar a Si todo o universo. Portanto, meus amados e queridos irmãos, minha alegria e minha coroa, permanecei firmes no Senhor.
Palavra do Senhor.

LEITURA II – Forma breve Filip 3, 20 – 4, 1
Cristo nos transformará à imagem do seu corpo glorioso

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Filipenses
Irmãos: A nossa pátria está nos Céus, donde esperamos, como Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará o nosso corpo miserável, para o tornar semelhante ao seu corpo glorioso, pelo poder que Ele tem de sujeitar a Si todo o universo. Portanto, meus amados e queridos irmãos, minha alegria e minha coroa, permanecei firmes no Senhor.
Palavra do Senhor.


ACLAMAÇÃO ANTES DO EVANGELHO
Refrão: Grandes e admiráveis
são as vossas obras, Senhor. Repete-se
No meio da nuvem luminosa, ouviu-se a voz do Pai:
«Este é o meu Filho muito amado: escutai-O». Refrão


EVANGELHO Lc 9, 28b-36
«Enquanto orava, alterou-se o aspecto do seu rosto»

A Transfiguração aparece todos os anos no Segundo Domingo da Quaresma, como anúncio da Ressurreição, de modo que, ao longo deste tempo de preparação pascal, estejamos bem conscientes de que o termo, para onde caminhamos, é Jesus ressuscitado. A Transfiguração, lida neste Domingo depois do Domingo da Tentação, faz com ela uma espécie de preâmbulo, antes de chegarmos à parte central da Quaresma. Mortificação e glorificação, tentação e glória, morte e ressurreição, são de facto, a síntese do mistério pascal que vamos celebrar.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, Jesus tomou consigo Pedro, João e Tiago e subiu ao monte, para orar. Enquanto orava, alterou-se o aspecto do seu rosto e as suas vestes ficaram de uma brancura refulgente. Dois homens falavam com Ele: eram Moisés e Elias, que, tendo aparecido em glória, falavam da morte de Jesus, que ia consumar-se em Jerusalém. Pedro e os companheiros estavam a cair de sono; mas, despertando, viram a glória de Jesus e os dois homens que estavam com Ele. Quando estes se iam afastando, Pedro disse a Jesus: «Mestre, como é bom estarmos aqui! Façamos três tendas: uma para Ti, outra para Moisés e outra para Elias». Não sabia o que estava a dizer. Enquanto assim falava, veio uma nuvem que os cobriu com a sua sombra; e eles ficaram cheios de medo, ao entrarem na nuvem. Da nuvem saiu uma voz, que dizia: «Este é o meu Filho, o meu Eleito: escutai-O». Quando a voz se fez ouvir, Jesus ficou sozinho. Os discípulos guardaram silêncio e, naqueles dias, a ninguém contaram nada do que tinham visto.
Palavra da salvação.


Diz-se o Credo.

ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Esta oblação, Senhor, lave os nossos pecados
e santifique o corpo e o espírito dos vossos fiéis,
para celebrarmos dignamente as festas pascais.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


PREFÁCIO A transfiguração do Senhor
V. O Senhor esteja convosco.
R. Ele está no meio de nós.
V. Corações ao alto.
R. O nosso coração está em Deus.
V. Dêmos graças ao Senhor nosso Deus.
R. É nosso dever, é nossa salvação.
Senhor, Pai santo, Deus eterno e omnipotente,
é verdadeiramente nosso dever, é nossa salvação
dar-Vos graças, sempre e em toda a parte,
por Cristo nosso Senhor.
Depois de anunciar aos discípulos a sua morte,
manifestou-lhes no monte santo o esplendor da sua glória,
para mostrar, com o testemunho da Lei e dos Profetas,
que pela sua paixão alcançaria a glória da ressurreição.
Por isso, com os Anjos e os Santos do Céu,
proclamamos na terra a vossa glória,
cantando numa só voz:
Santo, Santo, Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Mt 17, 5
Este é o meu Filho muito amado,
no qual pus as minhas complacências.
Escutai-O.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Alimentados nestes gloriosos mistérios,
nós Vos damos graças, Senhor,
porque, vivendo ainda na terra,
nos fazeis participantes dos bens do Céu.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Martirológio

1.   Em Nicomédia, na Bitínia, hoje Izmit, na actual Turquia, os santos mártires Macedónio, presbítero, Patrícia, sua esposa, e Modesta, sua filha.

2.   Em Hermópolis, no Egipto, São Sabino, mártir, que, depois de padecer muitos tormentos, morreu lançado ao rio.

3.   Na Pérsia, no actual Irão, Santa Cristina, mártir, que, depois de ter sido vergastada com azorragues, consumou o martírio no tempo de Cósroas, rei dos Persas.

4*.   Em Poitiers, na Aquitânia, na hodierna França, São Piêncio, bispo, que prestou grande auxílio a Beata Radegundes na fundação de cenóbios.

5.   Em Sevilha, na Hispânia, São Leandro, bispo, irmão dos santos Isidoro, Fulgêncio e Florentina, o qual, pela sua pregação e solicitude, converteu o povo dos Visigodos da impiedade ariana à fé católica, com o auxílio do seu rei Recaredo.

6*.   No mosteiro de Novalesa, junto ao Moncenísio, no vale de Susa, actualmente no Piemonte, região da Itália, Santo Eldrado, abade, grande promotor do culto divino, que reformou o saltério e fez construir novas igrejas.

7.   Em Córdova, na Andaluzia, região da Espanha, a paixão dos santos Rodrigo, presbítero, e Salomão, mártires: o primeiro, por se ter recusado a acreditar que Maomé era verdadeiramente o profeta enviado pelo Omnipotente, foi metido no cárcere, onde encontrou Salomão, que algum tempo antes aderira à religião maometana, e ambos consumaram o seu glorioso combate, sendo degolados.

8.   Em Camerino, no Piceno, na actual região das Marcas, na Itália, Santo Ansovino, bispo.

9*.   No mosteiro de Cava de’ Tirréni, na Campânia, também região da Itália, o Beato Pedro II, abade.

10*.   Em Oxford, na Inglaterra, o Beato Agnelo de Pisa, presbítero, que, enviado por São Francisco à França e depois à Inglaterra, aí instituiu a Ordem dos Menores e promoveu as ciências sagradas.

11*.   Em Ernée, no território de Mayenne, na França, a Beata Francisca Tréhet, virgem da Congregação da Caridade e mártir, que se dedicou com grande solicitude à instrução das crianças e ao cuidado dos enfermos e, durante a Revolução Francesa, morrendo ao fio da espada, consumou o seu martírio por Cristo.

12♦.   Na Baía, cidade do Brasil, a Beata Dulce Lopes Pontes (Maria Rita de Sousa Brito Lopes Pontes), virgem da Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, que dedicou totalmente mais de cinquenta anos da sua vida ao serviço do próximo, especialmente aos mais carenciados e ao operariado, fundando em seu favor várias obras, entre as quais, o Hospital Santo António, o Centro Educativo Santo António, a União Operária São Francisco, o Centro Operário da Baía.