Liturgia diária

Agenda litúrgica

2020-07-06

SEGUNDA-FEIRA da semana XIV

S. Maria Goretti, virgem e mártir – MF
Verde ou br. – Ofício da féria ou da memória.
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 Os 2, 16. 17b-18. 21-22; Sal 144 (145), 2-3. 4-5. 6-7. 8-9
Ev Mt 9, 18-26

* No Patriarcado de Lisboa – Aniversário da tomada de posse de D. Manuel José Macário do Nascimento Clemente, Cardeal Patriarca.
* Na Ordem Cartusiana – S. Rosalina, monja – FESTA
* Na Congregação das Irmãs Missionárias de S. Pedro Claver – B. Maria Teresa Ledóchowska, Fundadora da Congregação – FESTA
* Na Congregação da Paixão de Jesus Cristo – S. Maria Goretti, virgem e mártir – MO

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 47, 10-11
Recordamos, Senhor, a vossa misericórdia
no meio do vosso templo.
Toda a terra proclama o louvor do vosso nome,
porque sois justo e santo, Senhor nosso Deus.


ORAÇÃO COLECTA
Deus de bondade infinita,
que, pela humilhação do vosso Filho,
levantastes o mundo decaído,
dai aos vossos fiéis uma santa alegria,
para que, livres da escravidão do pecado,
possam chegar à felicidade eterna.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos pares) Os 2, 16.17b-18.21-22
«Desposar-te-ei para sempre»

A comparação do amor de Deus pelos homens com o amor que une o homem e a mulher é célebre na Sagrada Escritura, particularmente no profeta Oseias. Foi com tal comparação que Deus quis chamar à razão o povo que, em momento de prosperidade material, se havia esquecido d’Ele. Oseias, cuja vida familiar lhe fizera conhecer os altos e baixos da alegria doméstica, pode justamente pôr na boca de Deus uma queixa dolorosa contra o seu povo, rebelde e infiel. Mas Deus propôs-se reconduzir ao seu amor, sempre fiel, esse povo, a quem ofereceu as primeiras grandes manifestações de amor nos tempos da travessia do deserto. Esses dias ficarão, para sempre, o tempo do grande amor; por isso, o Senhor como que os quer recuperar, reconduzindo ao deserto e atraindo, de novo, a Si o seu povo infiel.

Leitura da Profecia de Oseias
Eis o que diz o Senhor: «Hei-de atrair ao meu amor a casa de Israel, hei-de conduzi-la ao deserto e falar-lhe ao coração. Ali corresponderá como nos dias da sua juventude, quando saiu da terra do Egipto. Nesse dia, diz o Senhor, chamar-Me-ás ‘meu marido’ e não ‘meu baal’. Farei de ti minha esposa para sempre, desposar-te-ei segundo a justiça e o direito, com amor e misericórdia. Desposar-te-ei com fidelidade e tu conhecerás o Senhor».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 144 (145), 2-3.4-5.6-7.8-9 (R. 8a)
Refrão: O Senhor é clemente e cheio de compaixão. Repete-se

Quero bendizer-Vos dia após dia
e louvar o vosso nome para sempre.
O Senhor é grande e digno de louvor,
insondável é a sua grandeza. Refrão

Uma geração anuncia à outra as vossas obras
e todas proclamam o vosso poder.
Falam do esplendor da vossa majestade
e anunciam as vossas maravilhas. Refrão

Cantam o poder das vossas obras
e proclamam a vossa grandeza.
Celebram a memória da vossa imensa bondade
e aclamam a vossa justiça. Refrão

O Senhor é clemente e compassivo,
paciente e cheio de bondade.
O Senhor é bom para com todos
e a sua misericórdia se estende a todas as criaturas. Refrão


ALELUIA cf. 2 Tim 1, 10
Refrão: Aleluia Repete-se

Jesus Cristo, nosso Salvador, destruiu a morte
e fez brilhar a vida por meio do Evangelho. Refrão

EVANGELHO Mt 9, 18-26
«A minha filha acaba de morrer.
Mas vem impor-lhe a mão e ela viverá»

Jesus faz dois milagres, um para salvar na doença, outro para livrar da morte, dois sinais de que Ele é quem salva e dá a vida, de que Ele tem a Vida em Si mesmo (cf. Jo, 5, 26), de que Ele mesmo é a Vida. No reino de Deus, “a morte deixará de existir, e não mais haverá luto” (Ap. 21,4). Os milagres de Jesus são sinais desse reino, que já começou, mas que ainda se não revelou em toda a sua plenitude.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, estava Jesus a falar aos seus discípulos, quando um chefe se aproximou e se prostrou diante d’Ele, dizendo: «A minha filha acaba de falecer. Mas vem impor a mão sobre ela e viverá». Jesus levantou-Se e acompanhou-o com os discípulos. Entretanto, uma mulher que sofria um fluxo de sangue havia doze anos, aproximou-se por detrás d’Ele e tocou-Lhe na fímbria do manto, pensando consigo: «Se eu ao menos Lhe tocar no manto, ficarei curada». Mas Jesus voltou-Se e, ao vê-la, disse-lhe: «Tem confiança, minha filha. A tua fé te salvou». E a partir daquele momento a mulher ficou curada. Ao chegar a casa do chefe e ao ver os tocadores de flauta e a multidão em grande alvoroço, Jesus disse-lhes: «Retirai-vos, porque a menina não morreu; está a dormir». Riram-se d’Ele. Mas quando mandou sair a multidão, Jesus entrou, tomou a menina pela mão e ela levantou-se. E a notícia divulgou-se por toda aquela terra.
Palavra da salvação.





ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Fazei, Senhor,
que a oblação consagrada ao vosso nome nos purifique
e nos conduza, dia após dia,
a viver mais intensamente a vida da graça.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 33, 9
Saboreai e vede como o Senhor é bom:
feliz o homem que n’Ele se refugia.

Ou Mt 11, 28
Vinde a Mim, todos vós que andais cansados e oprimidos,
e Eu vos aliviarei, diz o Senhor.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Senhor, que nos saciastes com estes dons tão excelentes,
fazei que alcancemos os benefícios da salvação
e nunca cessemos de cantar os vossos louvores.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Santo

S. MARIA GORETTI, virgem e mártir

 

 

Martirológio

Santa Maria Gorétti, virgem e mártir, que teve uma infância difícil e humilde, ajudando sua mãe na lida doméstica e aplicando-se assiduamente à oração. Com doze anos de idade, defendendo a sua castidade contra um agressor, foi por ele assassinada com violentos golpes, junto de Nettuno, no Lácio, região da Itália.

2*.   Em Nicomédia, na Bitínia, hoje Izmit, na Turquia, Santa Ciríaca, virgem e mártir no tempo do imperador Diocleciano, que é venerada com grande fervor em Tropea, na Calábria, região da Itália.

3.   Em Fiésole, na Etrúria, hoje na Toscana, também região da Itália, São Rómulo, diácono, que é conciderado como o primeiro mártir celebrado desta cidade.

4*.   No Egipto, São Sisos o Grande, eremita, singularmente insigne no exercício da vida monástica.

5*.   Na Escócia, a comemoração de São Paládio, bispo, que, enviado da cidade de Roma à Irlanda, aí morreu no tempo em que São Germano de Auxerre combatia os erros de Pelágio entre os Bretões.

6*.   No território de Armagh, na Irlanda, Santa Monena, abadessa do mosteiro de Killeevy por ela fundado.

7.   Junto ao rio Reno, na actual Alemanha, São Goar, presbítero, natural da Aquitânia, que, com a aprovação do bispo de Tréveris, fundou um hospício e um oratório para receber os peregrinos e ajudá-los na salvação das suas almas.

8*.   No território de Condat, junto ao maciço do Jura, na Borgonha, hoje na França, São Justo, monge.

9.   Em Londres, na Inglaterra, São Tomás Moro, que é comemorado no dia 22 de Junho, juntamente com São João Fischer.

10*.   Também em Londres, o Beato Tomás Alfield, presbítero e mártir, que, num primeiro momento, cedeu à tortura e abjurou da fé católica; mas depois de ter sido mandado para o exílio, arrependeu-se e voltou para a Inglaterra, onde, no reinado de Isabel I, por ter divulgado uma Apologia em defesa dos católicos, sofreu o suplício da forca em Tyburn.

11*.   Num barco-prisão ancorado ao largo de Rochefort, na França, o Beato Agostinho José (Elias) Desgardin, monge da Ordem Cisterciense e mártir, que, durante a Revolução Francesa, em ódio à religião foi raptado do mosteiro de Sept-Fonts e, encerrado numa esquálida galera, morreu contagiado pela enfermidade dos seus companheiros de prisão a quem prestava assistência.

12*.   Em Orange, também na França, a Beata Susana Águeda Deloye (Maria Rosa), virgem da Ordem de São Bento e mártir, que, durante a Revolução Francesa, encerrada com outras trinta e duas religiosas de várias Ordens e conventos no mesmo cárcere para morrer em dias sucessivos em ódio ao nome cristão, subiu intrepidamente ao patíbulo.

13.   Em Shuangzhong, localidade próxima de Jixian, no Hebei, província da China, São Pedro Wang Zuolong, mártir, que, durante a perseguição dos «Yihetuan», foi conduzido ao templo do ídolo e, porque se recusou a renegar a fé em Cristo, morreu enforcado num poste.

14*.   Em Roma, a Beata Maria Teresa Ledochowska, que se dedicou totalmente aos africanos oprimidos pela escravidão e fundou o Sodalício de São Pedro Claver.

15*.   Em Buenos Aires, na Argentina, a Beata Nazária de Santa Teresa (Nazária Inácia March Mesa), virgem, que, sendo natural da Espanha e imigrante com a família no México, movida pelo zelo missionário se consagrou totalmente à evangelização dos pobres nas várias nações da América Latina e fundou o Instituto das Missionárias Cruzadas da Igreja.