Liturgia diária

Agenda litúrgica

2020-11-03

TERÇA-FEIRA da semana XXXI

S. Martinho de Porres, religioso – MF
Verde ou br. – Ofício da féria ou da memória
(Semana III do Saltério).
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 Filip 2, 5-11; Sal 21 (22), 26b-27. 28. 29-30a. 30c-32
Ev Lc 14, 15-24

* Na Diocese de Viana do Castelo – Aniversário da Dedicação da Igreja Catedral. Na Sé – SOLENIDADE; nas outras igrejas da Diocese – FESTA; aniversário da criação da Diocese (1977).
* Na Ordem de São Domingos – S. Martinho de Porres, religioso – FESTA
* Na Companhia de Jesus – B. Roberto Mayer, presbítero – MF
* Na Congregação da Paixão de Jesus Cristo – B. Pio Campidelli, religioso – MF
* Na Congregação dos Missionários e Missionárias de S. Carlos (Scalabrinianos/as) – I Vésp. de S. Carlos Borromeu.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 37, 22-23
Não me abandoneis, Senhor;
meu Deus, não Vos afasteis de mim.
Senhor, socorrei-me e salvai-me.

ORAÇÃO COLECTA
Deus omnipotente e misericordioso,
de quem procede a graça de Vos servirmos fiel e dignamente,
fazei-nos caminhar sem obstáculos
para os bens por Vós prometidos.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos pares) Filip 2, 5-11
«Humilhou-Se a Si próprio; por isso, Deus O exaltou»

A humildade no trato com os outros encontra o seu exemplo maior e o seu próprio fundamento na atitude de Jesus Cristo, que, sendo Filho de Deus, Se humilhou até à morte de cruz. Esse foi precisamente o caminho que O levou à exaltação. Esta leitura é um verdadeiro hino pascal, que bem merecia andar mais frequentemente na boca dos cristãos.

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Filipenses
Irmãos: Tende em vós os mesmos sentimentos que havia em Cristo Jesus. Ele, que era de condição divina, não Se valeu da sua igualdade com Deus, mas aniquilou-Se a Si próprio. Assumindo a condição de servo, tornou-Se semelhante aos homens. Aparecendo como homem, humilhou-Se ainda mais, obedecendo até à morte, e morte de cruz. Por isso, Deus O exaltou e Lhe deu um nome que está acima de todos os nomes, para que ao nome de Jesus todos se ajoelhem, no céu, na terra e nos abismos, e toda a língua proclame que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 21 (22), 26b-27.28.29-30a.30c-32 (R. 26a)
Refrão: Eu Vos louvo, Senhor, na assembleia dos justos. Repete-se

Cumprirei a minha promessa
na presença dos vossos fiéis.
Os pobres hão-de comer e serão saciados,
louvarão o Senhor os que O procuram:
vivam os seus corações para sempre. Refrão

Hão-de lembrar-se do Senhor e converter-se a Ele
todos os confins da terra;
e diante d’Ele virão prostrar-se
todas as famílias das nações. Refrão

Ao Senhor pertence a realeza,
é Ele quem governa os povos.
Só ao Senhor hão-de adorar
todos os grandes do mundo. Refrão

Para Ele viverá a minha alma,
há-de servi-l’O a minha descendência.
Falar-se-á do Senhor às gerações futuras
e a sua justiça será revelada ao povo que há-de vir:
«Eis o que fez o Senhor». Refrão


ALELUIA Mt 11, 28
Refrão: Aleluia. Repete-se
Vinde a Mim, todos vós
que andais cansados e oprimidos,
e Eu vos aliviarei, diz o Senhor. Refrão


EVANGELHO Lc 14, 15-24
«Vai pelos caminhos e azinhagas e obriga toda a gente a entrar,
para que a minha casa fique cheia»

O banquete de que se fala na parábola é o banquete messiânico, a comunhão dos homens com Deus em Cristo, frequentemente comparada a um banquete. Para este banquete todos são convidados, porque por todos Cristo morreu e para todos ressuscitou. Os primeiros convidados escusaram-se. É uma referência ao povo de Israel. Talvez que os outros, por sua origem menos preparados, venham a escutar o convite. Desses outros fazemos nós parte! A Eucaristia, que celebra precisamente a Aliança entre Deus e os homens em Cristo, tem a forma de um banquete e nela somos convidados para “a Ceia das núpcias do Cordeiro”.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, disse a Jesus um dos que estavam com Ele à mesa: «Feliz de quem tomar parte no banquete do reino de Deus». Respondeu-lhe Jesus: «Certo homem preparou um grande banquete e convidou muita gente. À hora do festim, enviou um servo para dizer aos convidados: ‘Vinde, que está tudo pronto’. Mas todos eles se foram desculpando. O primeiro disse: ‘Comprei um campo e preciso de ir vê-lo. Peço-te que me dispenses’. Outro disse: ‘Comprei cinco juntas de bois e vou experimentá-las. Peço-te que me dispenses’. E outro disse: ‘Casei-me e por isso não posso ir’. Ao voltar, o servo contou tudo isso ao seu senhor. Então o dono da casa indignou-se e disse ao servo: ‘Vai depressa pelas praças e ruas da cidade e traz para aqui os pobres, os aleijados, os cegos e os coxos’. No fim, o servo disse: ‘Senhor, as tuas ordens foram cumpridas, mas ainda há lugar’. O dono da casa disse então ao servo: ‘Vai pelos caminhos e azinhagas e obriga toda a gente a entrar, para que a minha casa fique cheia. Porque eu vos digo que nenhum daqueles que foram convidados provará do meu banquete’».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Senhor, fazei que este sacrifício
seja para Vós uma oblação pura
e para nós o dom generoso da vossa misericórdia.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 15, 11
O Senhor me ensinará o caminho da vida,
a seu lado viverei na plenitude da alegria.

Ou Jo 6, 58
Assim como o Pai que Me enviou
é o Deus vivo e Eu vivo pelo Pai,
também o que Me come viverá por Mim, diz o Senhor.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Multiplicai em nós, Senhor, os frutos da vossa graça,
para que os sacramentos celestes
que nos alimentam na vida presente
nos preparem para alcançarmos a herança prometida.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Santo

S. MARTINHO DE PORRES, religioso

 

 

Martirológio

São Martinho de Porres, religioso da Ordem dos Pregadores: filho de homem espanhol e de mulher indígena, já desde a infância, apesar das limitações provenientes da sua condição de filho ilegítimo e mestiço, aprendeu a medicina, que depois, sendo religioso, exerceu generosamente em Lima, cidade do Peru, em favor dos pobres e, entregue à prática do jejum, da penitência e da oração, viveu uma existência áspera e humilde, mas irradiante de caridade.

 

2.   Em Cesareia, na Capadócia, hoje Kayseri, na Turquia, os santos Germano, Teófilo e Cirilo, mártires.

3*.   Em Agrigento, na Sicília, região da Itália, São Libertino, bispo e mártir.

4*.   No território de Lauraguais, na Gália Narbonense, na actual França, São Pápulo, venerado como mártir.

5.   Em Viterbo, na Toscana, hoje no Lácio, região da Itália, os santos Valentim, presbítero, e Hilário, diácono, mártires.

6*.   Na Bretanha Menor, na actual França, São Guenael, venerado como abade de Landévenec.

7.   Em Roma, a comemoração de Santa Sílvia, mãe do papa São Gregório Magno, que, segundo o que o mesmo Pontífice referiu nos seus escritos, atingiu o mais alto grau de oração e penitência e foi para todos um exemplo admirável.

8.   No mosteiro de Hornbach, junto a Estrasburgo, na Borgonha, território da actual França, o sepultamento de São Pirmino, bispo e abade de Reichenau, que evangelizou os Alamanos e os Bávaros, fundou muitos mosteiros e compôs para os seus discípulos um livro sobre a catequese aos rudes.

9.   No cenóbio de Antídio, na Bitínia, hoje na Turquia, São Joanício, monge, que, depois de mais de vinte anos ao serviço militar, viveu solitário em vários montes do Olimpo, acompanhando habitualmente a sua oração com estas palavras: «Deus é a minha esperança, Cristo é o meu refúgio, o Espírito Santo é o meu protector».

10*.   Em Alem, cidade da Flandres, na actual Holanda, o sepultamento de Santa Odrada, virgem.

11.   Em Urgel, na Catalunha, região da Espanha, Santo Ermengol ou Ermengáudio, bispo, um dos ilustres prelados que se empenharam em restabelecer a Igreja nas terras resgatadas do jugo dos Mouros; ao construir uma ponte, trabalhando com as suas próprias mãos, resvalou do alto e morreu entre as pedras com fractura do crâneo.

12*.   No território dos Marsos, nos Abruzos, região da Itália, São Berardo, bispo, que se distinguiu na luta contra a simonia, na restauração da disciplina do clero e no auxílio e protecção dos pobres.

13*.   Em Cudot, no território de Sens, na França, a Beata Alpaídes, virgem, que, ainda muito jovem, cruelmente espancada e abandonada pelos seus familiares, viveu depois reclusa numa pequena cela até à velhice.

14*.   Junto do mosteiro de Fischingen, na actual Suíça, Santa Ida, reclusa.

15*.   Em Rímini, no litoral da Flamínia, hoje na Emília-Romanha, região da Itália, o Beato Simão Balácchi, religioso da Ordem dos Pregadores, que dedicou toda a sua vida ao serviço dos irmãos, à penitência e à oração.

16.   Em Milão, na Lombardia, região da Itália, o dia natal de São Carlos Borromeu, bispo, cuja memória se celebra amanhã.

17.   Junto à fortaleza Xa Doai, no Tonquim, actualmente no Vietnam, São Pedro Francisco Néron, presbítero da Sociedade das Missões Estrangeiras de Paris e mártir, que, no tempo do imperador Tu Duc, viveu três meses encerrado numa jaula estreitíssima e, ferozmente vergastado, depois de três semanas sem provar qualquer alimento, consumou finalmente o martírio ao ser decapitado.

18♦.   Em Valldibrera, perto de Barcelona, na Espanha, os beatos Cândido Alberto (José Ruiz de la Torre), Cirilo Pedro (Cecílio Manrique Arnáiz), Crisóstomo (José Llorach Bretó) e Leónides Francisco (Francisco Colóm González), religiosos da Congregação dos Irmãos das Escolas Cristãs e mártires.