Dicionário elementar de liturgia

José Aldazábal

 

homilia

 

É um dos elementos mais antigos da Liturgia da Palavra, herança sinagogal. Basta recordar a primeira homilia de Jesus em Nazaré (cf. Lc 4) e as de Paulo, nas diversas cidades que visitava. A partir do Concílio, revalorizou-se (cf. SC 52; OLM 24-27), tornando-a obrigatória aos domingos e festas, e muito recomendada nos outros dias.
A palavra vem do grego, homilein (em latim, sermo), que significa «ter uma prática familiar», em contraposição ao logos (em latim, oratio), que aponta sobretudo para o discurso oratório. É a palavra de um irmão, ministro da comunidade, que ajuda a entender e a aplicar à vida o que Deus nos disse nas leituras bíblicas. Distingue--se de outros géneros de pregação, como a «evangelização», que é o primeiro anúncio da salvação que Deus nos oferece em Cristo, e da «cateque¬se», que é o aprofundamento sistemático dos conteúdos dessa fé. A homilia acontece dentro da celebração e é uma exortação a levar à prática o escutado. «É feita normalmente pelo celebrante principal» (OLM 24).
A homilia move-se em três direcções:
• antes de mais, é serviço à Palavra que se proclamou, explicando-a, se for o caso, e ajudando a captar a sua mensagem, hoje e aqui;
• é serviço à vida da comunidade, para que a Palavra incida na sua vida, iluminando a situação existencial dos presentes;
• e, finalmente, tem também uma função mistagógica: ou seja, conduz a partir das leituras escutadas até ao mistério sacramental que se celebra, quer seja a Eucaristia ou os outros sacramentos, ressaltando a unidade entre as duas mesas: a da Palavra e a do Sacramento.
Com a homilia, o presidente «leva os irmãos a entender e saborear a Sagrada Escritura, abre o espírito dos fiéis à acção de graças pelas maravilhas de Deus, alimenta a fé dos presentes acerca da palavra, que se torna sacramento pelo Espírito Santo, e, finalmente, prepara-os para uma comunhão frutuosa e convida-os a assumir as exigências da vida cristã» (OLM 41).
Na sinagoga de Nazaré, Jesus sintetizou o que é a homilia, quando depois de proclamar a passagem de Isaías, iniciou o seu comentário assim: «Cumpriu-se hoje esta passagem da Escritura, que acabais de ouvir.»