Dicionário elementar de liturgia

José Aldazábal

 

doxologia

 

Chama-se doxologia – do grego, doxa (glória, honra), e logos (palavra); portanto: «palavra de glória» – ao louvor ou bênção, normalmente trinitária, com que se conclui uma ¬ora¬ção ou um hino.
No NT, encontramos doxologias dirigidas a Cristo ou a Deus Pai: «Dele, por Ele e para Ele são todas as coisas. Glória a Deus para sempre. Ámen» (Rm 11,36); «Ao único Deus sábio, por Jesus Cristo, a Ele a glória pelos séculos! Ámen» (Rm 16,27).
Na Eucaristia, a doxologia principal é a que conclui a Oração Eucarística: «Por Cristo, com Cristo e em Cristo, a Vós, Deus Pai […] na unidade do Espírito Santo, toda a honra e toda a glória, agora e para sempre.» Esta doxologia, com que o presidente exprime a glorificação de Deus, conclui e confirma o povo com a sua aclamação do Ámen.
Há outra grande doxologia na Missa, o hino «Glória a Deus nas alturas», no rito de entrada. Chama-se doxologia também à aclamação «Vosso é o Reino…» depois do Pai-Nosso, que, provavelmente, pertencia à Oração do Senhor, como sua lógica conclusão (cf. *Didakê 8,2; CIC 2855-2856).
Na Liturgia das Horas, há várias doxologias: a última estrofe dos hinos, construída como louvor, normalmente «dirigida à própria Pessoa divina a quem se dirige o hino» (cf. IGLH 174); e o «Glória ao Pai» do final dos Salmos, acrescentado pela tradição cristã e «que vem dar à oração do AT um sentido laudativo, cristológico e trinitário» (IGLH 123). Esta doxologia do «Glória ao Pai», chamada «doxologia menor», é uma das orações mais densas e repetidas do povo cristão.