Santos

S. JOSÉ OPERÁRIO

 

Nota Histórica

O primeiro de Maio, considerado hoje na Europa o dia da «Festa do trabalho», foi, durante muitos anos, nos fins do século XIX e princípios do século XX, um dia de reivindicações e mesmo de lutas violentas pela promoção da classe operária.
A Igreja que se mostrou sempre sensível aos problemas do mundo do trabalho, quis dar uma dimensão cristã a este dia. Nesse sentido, Pio XII, em 1955, colocava a «Festa do trabalho» sob a protecção de S. José, na certeza de que ninguém melhor do que este trabalhador poderia ensinar aos outros trabalhadores a dignidade sublime do trabalho.
Operário durante toda a sua vida, S. José teve como companheiro de trabalho, na oficina de Nazaré, o próprio Filho de Deus, Jesus Cristo.
E foi, na verdade, Jesus que lhe ensinou que o trabalho nos associa ao Criador, dando-nos a possibilidade de aperfeiçoar a natureza, de acabar a criação divina. O trabalho é um serviço prestado aos irmãos. O trabalho é um meio de nos associarmos à obra redentora de Cristo. (Gaudium et Spes, 67).

 

Missa

ANTÍFONA DE ENTRADA cf. Salmo 127, 1-2
Feliz de ti que temes o Senhor e andas na sua lei:
comerás do trabalho das tuas mãos
e serás feliz em todos os teus caminhos. Aleluia.


ORAÇÃO COLECTA
Deus, criador do universo,
que estabelecestes a lei do trabalho para todos os homens,
concedei-nos que,
a exemplo de São José e com a sua protecção,
realizemos a obra que nos mandais
e recebamos o prémio que nos prometeis.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho.
Ele que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Gen 1, 26 – 2, 3
«Enchei e dominai a terra»

Leitura do Livro do Génesis
Disse Deus:
«Façamos o homem à nossa imagem e semelhança.
Domine sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu,
sobre os animais domésticos, sobre os animais selvagens
e sobre todos os répteis que rastejam pela terra».
Deus criou o ser humano à sua imagem,
criou-o à imagem de Deus.
Ele o criou homem e mulher.
Deus abençoou-os, dizendo:
«Crescei e multiplicai-vos, enchei e dominai a terra.
Dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu
e sobre todos os animais que se movem na terra».
Disse Deus:
«Dou-vos todas as plantas com semente
que existem em toda a superfície da terra,
assim como todas as árvores de fruto com semente,
para que vos sirvam de alimento.
E a todos os animais da terra, a todas as aves do céu
e a todos os seres vivos que se movem na terra
dou as plantas verdes como alimento».
E assim sucedeu.
Deus viu tudo o que tinha feito: era tudo muito bom.
Veio a tarde e, em seguida, a manhã: foi o sexto dia.
Assim se completaram o céu e a terra
e tudo o que eles contêm.
Deus concluiu, no sétimo dia, a obra que fizera
e, no sétimo dia, descansou do trabalho que tinha realizado.
Deus abençoou e santificou o sétimo dia,
porque nele descansou de todo o trabalho da criação.
Palavra do Senhor.


Em vez da leitura precedente, pode utilizar-se a seguinte:

LEITURA I Col 3, 14-15.17.23-24
«Qualquer que seja o vosso trabalho, fazei-o de boa vontade,
como quem serve ao Senhor e não aos homens»

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Colossenses
Irmãos:
Acima de tudo, revesti-vos da caridade,
que é o vínculo da perfeição.
Reine em vossos corações a paz de Cristo,
à qual fostes chamados para formar um só corpo.
Vivei em acção de graças.
Tudo o que fizerdes, por palavras ou por obras,
seja tudo em nome do Senhor Jesus,
dando graças, por Ele, a Deus Pai.
Qualquer que seja o vosso trabalho,
fazei-o de boa vontade,
como quem serve ao Senhor e não aos homens,
certos de que recebereis como recompensa a herança do Senhor.
Servi a Cristo, que é o Senhor.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 89 (90), 2.3-4.12-13.14 e 16 (R. 17c)
Refrão: Confirmai, Senhor, a obra das nossas mãos.

Antes de se formarem as montanhas
e nascer a terra e o mundo,
desde toda a eternidade
Vós, Senhor, sois Deus.

Vós reduzis o homem ao pó da terra
e dizeis: «Voltai, filhos de Adão».
Mil anos a vossos olhos
são como o dia de ontem que passou
e como uma vigília da noite.

Ensinai-nos a contar os nossos dias,
para chegarmos à sabedoria do coração.
Voltai, Senhor! Até quando...
Tende piedade dos vossos servos.

Saciai-nos, desde a manhã, com a vossa bondade,
para nos alegrarmos e exultarmos todos os dias.
Manifestai a vossa obra aos vossos servos
e aos seus filhos a vossa majestade.


ALELUIA Salmo 67 (68), 20
Refrão: Aleluia. Repete-se
Bendito seja Deus em cada dia.
Vela por nós o Senhor, nosso Salvador. Refrão


EVANGELHO Mt 13, 54-58
«Não é Ele o filho do carpinteiro?»

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo,
Jesus foi à sua terra
e começou a ensinar os que estavam na sinagoga,
de tal modo que ficavam admirados e diziam:
«De onde Lhe vem esta sabedoria
e este poder de fazer milagres?
Não é Ele o filho do carpinteiro?
A sua Mãe não se chama Maria
e os seus irmãos Tiago, José, Simão e Judas?
E as suas irmãs não vivem entre nós?
De onde Lhe vem tudo isto?».
E estavam escandalizados com Ele.
Mas Jesus disse-lhes:
«Um profeta só é desprezado na sua terra e em sua casa».
E por causa da falta de fé daquela gente,
Jesus não fez ali muitos milagres.
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Deus, fonte de misericórdia,
olhai para os dons que Vos apresentamos na festa de São José
e fazei que estas oferendas alcancem a vossa protecção
para aqueles que Vos invocam.
Por Nosso Senhor.
Prefácio de S. José: p. 492


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Col 3, 17
Tudo o que fizerdes, por palavras ou por obras,
fazei-o em nome do Senhor Jesus Cristo,
dando graças, por Ele, a Deus Pai. Aleluia.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Senhor, que nos alimentastes com o pão do Céu,
ouvi as nossas súplicas
e fazei que, à imitação de São José,
levemos sempre em nossos corações o testemunho do vosso amor
e gozemos eternamente da verdadeira paz.
Por Nosso Senhor.

 

Liturgia das Horas

Da Constituição Pastoral Gaudium et Spes, do Concílio Vaticano II, sobre a Igreja no mundo contemporâneo

(Nn. 33-34) (Sec. XX)

A actividade humana no mundo

Sempre o homem se esforçou, pelo seu trabalho e pelo seu engenho, por aperfeiçoar a sua vida; hoje em dia, porém, graças à ciência e à técnica, estendeu e continuamente estende o seu domínio sobre quase toda a natureza; e, graças sobretudo aos meios de intercâmbio de toda a espécie entre as nações, a família humana vai-se reconhecendo e constituindo pouco a pouco como uma única comunidade em todo o mundo. Acontece assim que muitos bens que o homem noutro tempo esperava obter sobretudo de forças superiores, os alcance hoje por seus próprios meios.
Perante este imenso esforço, que se estende a todo o género humano, surgem entre os homens muitas interrogações: Qual o sentido e o valor desta laboriosa actividade? Que uso fazer de todas estas coisas? Qual a finalidade dos esforços individuais e colectivos?
A Igreja, guarda do depósito da Palavra de Deus, que é a fonte dos seus princípios de ordem moral e religiosa, embora nem sempre tenha uma resposta imediata para cada uma destas questões, deseja no entanto unir a luz da Revelação à competência de todos, para iluminar o caminho recentemente empreendido pela humanidade.
Uma coisa é certa para os crentes: a actividade humana, individual e colectiva, aquele imenso esforço com que os homens, ao longo dos séculos, tentaram melhorar as condições de vida, considerado em si mesmo, corresponde à vontade de Deus.
O homem, na verdade, criado à imagem de Deus, recebeu a missão de submeter a terra e todas as coisas que nela existem, governar o mundo na justiça e na santidade e, reconhecendo a Deus como Criador de todas as coisas, orientar para Ele o seu ser e todo o universo, de tal maneira que, sujeitas todas as coisas ao homem, o nome de Deus seja glorificado em toda a terra.
Isto aplica-se também às actividades de todos os dias; na verdade, os homens e as mulheres que, ao procurar o sustento para si e suas famílias, exercem a própria actividade de maneira a bem servir a sociedade, têm razão para ver no seu trabalho um prolongamento da obra do Criador, um serviço aos seus irmãos e um contributo pessoal para a realização dos desígnios de Deus na história.
Longe de pensar que as conquistas do engenho e do esforço humano se opõem ao poder de Deus, ou considerar a criatura racional como rival do Criador, os cristãos estão, pelo contrário, bem persuadidos de que as vitórias do género humano são sinal da grandeza divina e fruto dos seus inefáveis desígnios.
Mas quanto mais aumenta o poder dos homens, tanto mais cresce a sua responsabilidade, pessoal e comunitária. Por aqui se vê que a mensagem cristã não afasta os homens da tarefa de construir o mundo, nem os leva a desatender o bem dos seus semelhantes; ao contrário, obriga-os a sentir esta colaboração como um verdadeiro dever.