Santos

S. BRUNO, presbítero

 

Nota Histórica

Nasceu em Colónia, cerca do ano 1035. Educado em Paris e ordenado sacerdote, ensinou Teologia; mas aspirando à vida solitária, retirou se e fundou o mosteiro dos Cartuxos. Chamado a Roma pelo Papa Urbano II, ajudou o nos difíceis problemas da Igreja. Morreu em Squillace (Calábria) no ano 1101.

 

Missa

ORAÇÃO
Senhor nosso Deus, que chamastes São Bruno para Vos servir na solidão, concedei nos, por sua bondade, que, no meio das vicissitudes deste mundo, nos dediquemos inteiramente ao vosso serviço. Por Nosso Senhor.

 

Liturgia das Horas

Da Carta de São Bruno, presbítero, aos seus filhos Cartuxos

(N.º 1-3: SC 88, 82-84) (Sec. XI)

O meu espírito exulta no Senhor

Pelas numerosas e gratas informações do nosso ditoso irmão Landuíno, tomei conhecimento do inflexível rigor com que observais uma disciplina tão sábia e verdadeiramente digna de louvor; ele falou me do vosso santo amor e do vosso zelo infatigável em seguir o ideal da santidade e da perfeição: o meu espírito exulta no Senhor. Sim, alegro me com isso e sinto me levado a bendizer e a dar graças ao Senhor. Mas também suspiro amargamente. Alegro me, na verdade, como é justo, pelo crescimento dos frutos das vossas virtudes. Mas sofro e envergonho me por ficar inerte e negligente na miséria dos meus pecados.
Alegrai vos, portanto, caríssimos irmãos, pela vossa feliz sorte e pela abundante generosidade da graça de Deus para convosco. Alegrai vos por terdes escapado aos numerosos perigos e naufrágios deste mundo agitado. Alegrai vos por terdes alcançado o lugar tranquilo e seguro desse porto escondido. São muitos os que desejam ir para lá, muitos os que se empenham com algum esforço em atingi lo, mas não o conseguem. Muitos também, depois de o terem alcançado, foram excluídos porque a nenhum deles o Céu concedera tal graça.
Por conseguinte, meus irmãos, tende por certo e comprovado que quem tenha gozado deste bem tão desejável e o tenha perdido por qualquer circunstância há de lamentar se até ao fim, se de facto sentir preocupação e interesse pela salvação da sua alma.
Quanto a vós, meus caros irmãos leigos, digo: A minha alma glorifica o Senhor, porque observo a magnificência da sua misericórdia para convosco, segundo as informações do vosso prior e pai amantíssimo que muito se alegra e gloria de vós. Também eu me alegro, porque, não tendo vós a ciência das letras, Deus omnipotente grava com o seu dedo nos vossos corações não só o amor mas também o conhecimento da sua santa lei. Pelas vossas obras mostrais o que amais e o que conheceis. Com efeito, praticando com todo o zelo e cuidado a verdadeira obediência, torna se manifesto que recolheis com sabedoria o fruto suavíssimo e vivificante da Escritura divina.