Santos

S. BARTOLOMEU, Apóstolo

 

Nota Histórica

Nasceu em Caná. O apóstolo Filipe conduziu o a Jesus. Diz a tradição que depois da ascensão do Senhor pregou o Evangelho na Índia e aí recebeu a coroa do martírio.

 

Missa

ANTÍFONA DE ENTRADA cf. Salmo 95, 2.3
Anunciai em toda a terra a salvação de Deus,
proclamai entre os povos a sua glória.

Diz-se o Glória.


ORAÇÃO COLECTA
Senhor, fortalecei em nós a fé
pela qual o apóstolo São Bartolomeu
se consagrou de coração sincero a Cristo vosso Filho
e concedei, por sua intercessão, que a vossa Igreja
seja o sacramento de salvação para todos os povos.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Ap 21, 9b-14
«Na muralha da cidade estavam escritos os nomes dos doze Apóstolos do Cordeiro»

Leitura do Apocalipse de São João
O Anjo falou-me, dizendo:
«Vou mostrar-te a noiva, a esposa do Cordeiro».
Transportou-me em espírito
ao cimo de uma alta montanha
e mostrou-me a cidade santa de Jerusalém,
que descia do Céu, da presença de Deus,
resplandecente da glória de Deus.
O seu esplendor era como o de uma pedra preciosíssima,
como uma pedra de jaspe cristalino.
Tinha uma grande e alta muralha,
com doze portas e, junto delas, doze Anjos;
tinha também nomes gravados,
os nomes das doze tribos dos filhos de Israel:
três portas ao oriente, três portas ao norte,
três portas ao sul e três portas ao ocidente.
A muralha da cidade tinha na base doze reforços salientes
e neles doze nomes: os dos doze Apóstolos do Cordeiro.
Palavra do Senhor.



SALMO RESPONSORIAL Salmo 144 (145), 10-11.12-13.17-18 (R. cf. 12a)
Refrão: Aqueles que Vos amam, Senhor,
proclamem a glória do vosso reino.

Graças Vos dêem, Senhor, todas as criaturas
e bendigam-Vos os vossos fiéis.
Proclamem a glória do vosso reino
e anunciem os vossos feitos gloriosos;

Para darem a conhecer aos homens o vosso poder,
a glória e o esplendor do vosso reino.
O vosso reino é um reino eterno,
o vosso domínio estende-se por todas as gerações.

O Senhor é justo em todos os seus caminhos,
perfeito em todas as suas obras.
O Senhor está perto de quantos O invocam,
de quantos O invocam em verdade.

ALELUIA cf. Jo 1, 49b
Refrão: Aleluia. Repete-se

Senhor, Vós sois o Filho de Deus,
Vós sois o Rei de Israel. Refrão


EVANGELHO Jo 1, 45-51
«Eis um verdadeiro israelita, em quem não há fingimento»

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Naquele tempo,
Filipe encontrou Natanael e disse-lhe:
«Encontrámos Aquele de quem está escrito na Lei de Moisés
e nos Profetas.
É Jesus de Nazaré, filho de José».
Disse-lhe Natanael:
«De Nazaré pode vir alguma coisa boa?».
Filipe respondeu-lhe: «Vem ver».
Jesus viu Natanael, que vinha ao seu encontro, e disse:
«Eis um verdadeiro israelita,
em quem não há fingimento».
Perguntou-lhe Natanael: «De onde me conheces?».
Jesus respondeu-lhe:
«Antes que Filipe te chamasse,
Eu vi-te quando estavas debaixo da figueira».
Disse-lhe Natanael:
«Mestre, Tu és o Filho de Deus,
Tu és o Rei de Israel!».
Jesus respondeu:
«Porque te disse: ‘Eu vi-te debaixo da figueira’, acreditas.
Verás coisas maiores do que estas».
E acrescentou:
«Em verdade, em verdade vos digo:
Vereis o Céu aberto
e os Anjos de Deus subindo e descendo
sobre o Filho do homem».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Recebei, Senhor, este sacrifício de louvor,
ao celebrarmos a festa do apóstolo São Bartolomeu,
e concedei-nos, por sua intercessão, o auxílio da vossa graça.
Por Nosso Senhor.


Prefácio dos Apóstolos I ou II


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Lc 22, 29-30
Preparei para vós um reino, diz o Senhor,
como o Pai o preparou para Mim:
comereis e bebereis à minha mesa no meu reino.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Humildemente Vos suplicamos, Senhor,
que o penhor de salvação eterna
que recebemos neste sacramento
ao celebrar a festa do apóstolo São Bartolomeu,
nos fortaleça na vida presente e nos conduza à glória futura.
Por Nosso Senhor.

 

Liturgia das Horas

Das Homilias de São João Crisóstomo, bispo,
sobre a Primeira Epístola aos Coríntios

(Hom. 4, 3.4: PG 61, 34-36) (Sec. IV)

A fraqueza de Deus é mais forte que os homens

A mensagem da cruz, anunciada por homens sem cultura, teve tal poder de persuasão que se estendeu a todo o orbe da terra; não o conseguiu por meio de argumentos vulgares, mas falando sobre Deus e a verdadeira religião, sobre a moral evangélica e o juízo futuro; e deste modo converteu em grandes sábios os que eram homens rudes e ignorantes. Vede como a loucura e a fraqueza de Deus vence a sabedoria e a força dos homens.
A cruz invadiu a terra inteira, conquistou todos os povos. Quando tudo se conjugava para extinguir o nome do Crucificado, aconteceu o contrário. Este nome brilhou e difundiu se cada vez mais, enquanto os seus inimigos caíam e desapareciam: homens vivos, que declararam guerra a um morto, não puderam vencê lo! Por isso, quando um pagão me declara morto, está a mostrar ainda a sua loucura; quando me considera louco, então se torna manifesto que a minha sabedoria ultrapassa a dos sábios; quando me chama enfermo, então revela a sua própria fraqueza. Na verdade, aquilo que por graça de Deus conseguiam realizar os publicanos e os pecadores, nunca puderam sequer imaginá los os filósofos, nem os monarcas, nem todas as forças do universo.
Pensando nisto, Paulo dizia: A fraqueza de Deus é mais forte do que todos os homens. Assim se revela que esta mensagem é divina. Como se explica que doze homens apenas, sem instrução alguma, cuja vida decorria junto aos lagos e aos rios, em locais desertos, empreendessem uma obra de tão grandes proporções? Talvez eles nunca tivessem vindo à cidade e ao foro; como ousaram entrar em luta contra todo o mundo? Além disso, sabemos que eram tímidos e pusilânimes, como demonstra quem escreveu a respeito deles, sem nada dissimular dos seus defeitos, o que constitui a maior prova da sua veracidade. Que diz ele então a respeito desses homens? Que quando Cristo foi preso, eles fugiram e o principal de todos O negou, apesar dos inúmeros milagres que tinham presenciado.
Como se explica então que aqueles homens não tenham resistido ao ataque dos judeus enquanto Cristo vivia e, depois de Cristo morto, sepultado e, como dizem os incrédulos, não ressuscitado, e portanto sem poder falar lhes, d’Ele tenham recebido coragem para enfrentar o mundo inteiro? Porventura não diriam de si para si: «Que é isto? Se Ele não pôde salvar Se a Si mesmo, como poderá proteger nos a nós? Se quando estava vivo não conseguiu defender Se, como poderá, depois de morto, estender nos a mão para nos ajudar? Se Ele, enquanto vivia, não convenceu um só povo, como havemos nós de convencer o mundo inteiro invocando o seu nome? Não seria certamente contra a razão não só fazer isso, mas até pensá lo?».
É evidente, portanto, que, se não O tivessem visto ressuscitado e não tivessem garantias seguras do seu poder, não se teriam lançado a tão grande aventura.