Liturgia diária

Agenda litúrgica

2022-11-28

Segunda-feira da semana I

Roxo – Ofício da féria.
Missa da féria, pf. I do Advento.

Toma-se o Lecionário ferial (Advento – IV).

L1: Is 2, 1-5 ou Is 4,2-6;Sal 121 (122),1-2.3-4ab.4cd-5.6-7.8-9
Ev: Mt 8, 5-11

* Na Diocese da Viana do Castelo – Aniversário entrada solene de D. João Evangelista Pimentel Lavrador.
* Na Ordem Franciscana – S. Tiago da Marca, presbítero, da I Ordem – MO
* Na Ordem dos Franciscanos Capuchinhos – S. Tiago da Marca, presbítero, da I Ordem – MF
* Na Ordem Hospitaleira de S. João de Deus – S. João de Deus, na transladação das suas relíquias – MF
* Na Congregação das Irmãs Missionárias Servas do Espírito Santo – B. Maria Helena Stollenwerk, religiosa, Cofundadora da Congregação – FESTA
* Na Congregação da Missão e na Companhia das Filhas da Caridade – S. Catarina Labouré, virgem – MO
* Na Congregação dos Missionários de S. Carlos (Scalabrinianos) – Aniversário da fundação da Congregação (1887).
* Na Congregação dos Missionários do Verbo Divino – B. Maria Helena Stollenwerk, religiosa – MO

 

Missa

 

Antífona de entrada Cf. Jr 31, 10; Is 35, 4
Ouvi, ó povos, a palavra do Senhor
e proclamai-a até aos confins da terra.
Não temais. Deus vem salvar-nos.

Oração coleta
Senhor nosso Deus,
fazei-nos esperar ansiosamente a vinda do vosso Filho,
para que, quando Ele bater à nossa porta,
nos encontre vigilantes na oração
e alegres no seu louvor.
Ele que é Deus e convosco vive e reina,
na unidade do Espírito Santo,
por todos os séculos dos séculos.


LEITURA I Is 2, 1-5
O Senhor chama todos os povos à paz eterna do reino de Deus

O livro de Isaías vai acompanhar-nos ao longo de todo o Advento. Embora todo o livro se chame de Isaías, ele não é todo de um só autor; mas a sua mensagem é toda ela uma mensagem de esperança voltada para o Messias, que virá da parte de Deus como salvação, não só para o povo judeu, mas para todas as nações. O “monte do Senhor” e o “templo” a que se refere a leitura antecipam a imagem da Igreja, a comunidade dos discípulos de Jesus Cristo, que acolhe todos os que procuram o Senhor e donde irradia para todos os homens a luz que lhes pode mostrar o caminho.

Leitura do Livro de Isaías
Visão de Isaías, filho de Amós, acerca de Judá e de Jerusalém: Sucederá, nos dias que hão-de vir, que o monte do templo do Senhor se há-de erguer no cimo das montanhas e se elevará no alto das colinas. Ali afluirão todas as nações e muitos povos acorrerão, dizendo: «Vinde, subamos ao monte do Senhor, ao templo do Deus de Jacob. Ele nos ensinará os seus caminhos e nós andaremos pelas suas veredas. De Sião há-de vir a lei e de Jerusalém a palavra do Senhor». Ele será juiz no meio das nações e árbitro de povos sem número. Converterão as espadas em relhas de arado e as lanças em foices. Não levantará a espada nação contra nação, nem mais se hão-de preparar para a guerra. Vinde, ó casa de Jacob, caminhemos à luz do Senhor.
Palavra do Senhor.


No Ano A, em vez da leitura anterior, pode utilizar-se- a seguinte:

LEITURA I Is 4, 2-6
«Será a alegria dos sobreviventes»

O Advento não quebra o ritmo em que o final do Tempo Comum nos vinha mantendo, antes o intensifica, a saber, põe-se na expectativa do Dia do Senhor, o Dia da sua vinda gloriosa. Este Dia é o dia da libertação do Universo, da vida no seu pleno esplendor que o profeta apresenta com imagens maravilhosas. Algumas destas imagens são imitadas do Êxodo, a passagem da Terra da escravidão para a da liberdade. O Advento prepara-nos para essa última vinda do Senhor, que a próxima celebração do Natal simboliza, prepara e garante.

Leitura do Livro de Isaías
Naquele dia, o gérmen do Senhor será o ornamento e a glória dos sobreviventes de Israel, o fruto da terra será o seu esplendor e alegria. Os que restarem em Sião e os sobreviventes de Jerusalém serão chamados santos, serão todos inscritos para a vida em Jerusalém. Quando o Senhor tiver lavado as impurezas das filhas de Sião e limpado o sangue do meio de Je­ru­­salém, com o sopro da sua justiça, um sopro abrasador, Ele criará sobre todo o espaço do monte Sião e sobre as suas assembleias uma nuvem de fumo durante o dia e um esplendor de fogo ardente durante a noite. Por cima de tudo, a glória do Senhor será uma cobertura e uma tenda, para fazer sombra contra o calor do dia e servir de refúgio e abrigo contra a chuva e a tempestade.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 121 (122), 1-4a.(4b-7).8-9 (R. cf. 1)
Refrão: Vamos com alegria para a casa do Senhor. Repete-se

(As estrofes terceira e quarta são facultativas)

Alegrei-me quando me disseram:
«Vamos para a casa do Senhor».
Detiveram-se os nossos passos
às tuas portas, Jerusalém. Refrão

Jerusalém, cidade bem edificada,
que forma tão belo conjunto!
Para lá sobem as tribos,
as tribos do Senhor. Refrão

Segundo o costume de Israel,
para celebrar o nome do Senhor;
ali estão os tribunais da justiça,
os tribunais da casa de David. Refrão

Pedi a paz para Jerusalém:
vivam seguros quantos te amam.
Haja paz dentro dos teus muros,
tranquilidade em teus palácios. Refrão

Por amor dos meus irmãos e amigos,
pedirei a paz para ti.
Por amor da casa do Senhor nosso Deus,
pedirei para ti todos os bens. Refrão


ALELUIA cf. Salmo 79, 4
Refrão: Aleluia. Repete-se

Vinde libertar-nos, Senhor, nosso Deus;
mostrai-nos o vosso rosto e seremos salvos. Refrão


EVANGELHO Mt 8, 5-11
«Do Oriente e do Ocidente virão muitos para o reino dos Céus»

Desde o primeiro dia ferial do Advento fica sublinhada a ideia do universalismo do reino de Deus; ele vem para todos os homens. A primeira vinda do Filho de Deus foi resposta às promessas de Deus a Abraão e à sua descendência, o povo de Israel, embora se destinasse já a todos os homens. A última vinda, que o Advento também prepara, fará sentar à mesa do reino de Deus, com Abraão e os seus descendentes, homens vindos de todos os povos, desde que animados da fé do centurião, que era de origem pagã.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, ao entrar Jesus em Cafarnaum, aproximou-se d’Ele um centurião, que Lhe suplicou, dizendo: «Senhor, o meu servo jaz em casa paralítico e sofre horrivelmente». Disse-lhe­ Jesus: «Eu irei curá-lo». Mas o centurião res­­pon­­­­deu-Lhe: «Senhor, eu não sou digno de que entres em minha casa; mas diz uma só palavra e o meu servo ficará curado. Porque eu, que não passo dum subalterno, tenho soldados sob as minhas ordens: digo a um ‘Vai’ e ele vai; a outro ‘Vem’ e ele vem; e ao meu servo ‘Faz isto’ e ele faz». Ao ouvi-lo, Jesus ficou admirado e disse àqueles que O seguiam: «Em verdade vos digo: Não encontrei ninguém em Israel com tão grande fé. Por isso vos digo: Do Oriente e do Ocidente virão muitos sentar-se à mesa, com Abraão, Isaac e Jacob, no reino dos Céus».
Palavra da salvação.


Oração sobre as oblatas
Aceitai, Senhor, estes dons
que recebemos da vossa bondade
e fazei que os sagrados mistérios
que celebramos no tempo presente
sejam para nós penhor de redenção eterna.
Por Cristo nosso Senhor.

Prefácio I ou I-A do Advento.

Antífona da comunhão Cf. Sl 105, 4-5; Is 38, 3
Vinde visitar-nos, Senhor, e dai-nos a paz,
para que nos alegremos de todo o coração na vossa presença.

Oração depois da comunhão
Fazei frutificar em nós, Senhor,
os mistérios que celebramos,
pelos quais, durante a nossa vida na terra,
nos ensinais a amar os bens do céu
e a viver para os valores eternos.
Por Cristo nosso Senhor.

 

 

Martirológio

1.   Em Sebaste, na Arménia, hoje Sivas, na Turquia, Santo Irenarco, mártir, que, exercendo o ofício de verdugo, se converteu a Cristo impressionado pela firme perseverança das mulheres cristãs e, no tempo do imperador Diocleciano e do governador Máximo, morreu decapitado.

2.   Na África Proconsular, no território da actual Líbia e Tunísia, a comemoração dos santos mártires Papiniano, bispo de Vita, e Mansueto, bispo de Urúsi, que, durante a perseguição dos Vândalos, no tempo do rei ariano Genserico, por defender a fé católica foram queimados em todo o seu corpo com lâminas de ferro incandecentes e assim consumaram o seu glorioso combate. No mesmo tempo, também outros santos bispos – Urbano de Girba, Crescente de Bizácio, Habetdeus de Teudáli, Eustrácio de Sufes, Crescónio de Oea, Vicis de Sábatra e Félix de Hadrumeto; depois, no tempo de Hunerico, filho de Genserico, Hortulano de Benefa e Florenciano de Midila – foram exilados e terminaram o curso da sua vida como confessores da fé.

3.   Em Constantinopla, hoje Istambul, na Turquia, Santo Estêvão o Jovem, monge e mártir, que, no tempo do imperador Constantino Coprónimo, por defender o culto das sagradas imagens foi atormentado com vários suplícios, confirmando a verdade católica com o derramamento do seu sangue.

4*.   Perto de Rossano, na Calábria, região da Itália, Santa Teodora, abadessa, discípula de São Nilo o Jovem e mestra de vida monástica.

5.   Em Nápoles, na Campânia, também região da Itália, o sepultamento de São Tiago da Marca, presbítero da Ordem dos Menores, ilustre pela sua pregação e austeridade de vida.

6*.   Em York, na Inglaterra, o Beato Jaime Thomson, presbítero e mártir, que, condenado à morte no reinado de Isabel I por ter reconciliado muitas pessoas com a Igreja católica, sofreu o suplício do patíbulo.

7.   No território de Kham Duong, no Anam, hoje no Vietnam, Santo André Tran Van Trong, mártir, que, no tempo do imperador Minh Mang, por se recusar a calcar a cruz, depois de ser encarcerado e suportar cruéis torturas, finalmente foi degolado.

8*.   Em Paracuellos del Jarama, localidade próxima de Madrid, na Espanha, o Beato João Jesus (Mariano Adradas Gonzalo), presbítero, e catorze companheiros[1], mártires, religiosos da Ordem de São João de Deus, que, durante a perseguição religiosa, foram coroados com a gloriosa paixão.

 


[1]  São estes os seus nomes: Guilherme (Vicente Llop Gayá), Clemente Díez Sahagún, Lázaro (João Maria Múgica Goiburu), Martiniano (António Meléndez Sánchez), Pedro Maria Alcalde Negredo, Julião Plazaola Artola, Hilário (António Delgado Vílchez), religiosos professos; Pedro de Alcântara Bernalte Calzado, João Alcalde y Alcalde, Isidoro Martínez Izquierdo, Ângelo Sastre Corporales, noviços; José Mora Velasco, presbítero e postulante; José Ruiz Cuesta, postulante; e Eduardo Baptista Jiménez.

 

9♦.   Também em Paracuellos del Jarama, os beatos mártires Avelino Rodríguez Alonso, presbítero da Ordem de Santo Agostinho e dezanove companheiros[2] mártires, que, na mesma perseguição, venceram gloriosamente o seu combate por Cristo.

 


[2]  São estes os seus nomes: Bernardino Álvarez Melcón, Balbino Villaroel Villaroel, Bento Alcalde González, Bento Garnelo Álvarez, Bento Velasco Velasco, Manuel Álvarez Rego de Seves, Sabino Rodrigo Fierro, Samuel Pajares Garcia, Sénen Garcia González, presbíteros da Ordem de Santo Agostinho; João Baldajos Pérez, José Peque Iglésias, Lucínio Ruíz Valtierra, Marcos Pérez Andrés, Marcos Guerrero Prieto, religiosos da Ordem de Santo Agostinho; Anastásio Garzón González, presbítero da Sociedade Salesiana; Justo Juanes Santos e Valentim Gil Arribas, religiosos da Sociedade Salesiana; João Herrero Arroyo e José Prieto Fuentes, religiosos da Ordem dos Pregadores.

 

10♦.   Também em Paracuellos de Jarama, os beatos Francisco Estevão Lacal e Vicente Blanco Guadilla, presbíteros da Congregação dos Missionários Oblatos de Maria Imaculada, e onze companheiros[3], mártires.

 


[3]  São estes os seus nomes: Ângelo Francisco Bocos Hernández, Clemente Rodríguez Tejerían, Daniel Gómez Lucas, Eleutério Prado Villarroel, Gregório Escobar García, José Guerra Andrés, João José Caballero Rodríguez, Justo Gil Pardo, Justo Fernández González, Marcelino Sánchez Fernández e Públio Rodríguez Moslares, religiosos da Congregação dos Missionários Oblatos de Maria Imaculada.

 

11*.   Em Picadero de Paterna, no território de Valência, também na Espanha, o Beato Luís Campos Górriz, mártir, que, durante a mesma perseguição, coroou com o seu glorioso martírio uma vida fervorosamente dedicada ao apostolado e às obras de caridade.