Liturgia diária

Agenda litúrgica

2022-10-25

Terça-feira da semana XXX

Verde – Ofício da féria.
Missa à escolha (cf. p. 19, n. 18).

L1: Ef 5, 21-33; Sal 127 (128), 1-2. 3. 4-5
Ev: Lc 13, 18-21

* Na Diocese de Leiria-Fátima – Aniversário da Ordenação episcopal de D. José Ornelas Carvalho (2015).
* No Patriarcado de Lisboa – Aniversário da Dedicação da Igreja Catedral. Na Sé – SOLENIDADE; nas outras igrejas do Patriarcado – FESTA
* Na Ordem Agostiniana – S. João Stone, mártir – MO
* Na Ordem de Cister – S. Bernardo Calbó, bispo – MF
* Na Ordem dos Franciscanos Capuchinhos – B. Maria Jesus Masiá Ferragut e Companheiras, Mártires Capuchinhas de Valência – MF
* Na Ordem Hospitaleira de S. João de Deus – Bb. Bráulio Maria Corres, presbítero, e Companheiros, mártires – MF
* Na Congregação das Missionárias de S. Carlos (Scalabrinianas) – Aniversário da fundação da Congregação (1895).
* Na Congregação dos Sagrados Corações – Aniversário da Dedicação da igreja própria, em todas as igrejas dedicadas da Congregação – SOLENIDADE

 

Missa

 

Antífona de entrada Sl 104, 3-4
Alegre-se o coração dos que procuram o Senhor.
Buscai o Senhor e o seu poder, procurai sempre a sua face.

Oração coleta
Deus todo-poderoso e eterno,
aumentai em nós a fé, a esperança e a caridade;
e, para merecermos alcançar o que prometeis,
fazei-nos amar o que mandais.
Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus
e convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo,
por todos os séculos dos séculos.


LEITURA I (anos pares) Ef 5, 21-33
«É grande este mistério, em relação a Cristo e à Igreja»

Ao falar do matrimónio cristão, S. Paulo vê nele um reflexo da união de Cristo e da Igreja. Quase se poderia dizer que a união de Cristo e da Igreja é o tipo do matrimónio cristão. Este é, por isso, um “mistério”, quer dizer que ele, para além de ser acontecimento humano, encerra uma significação divina. Ele é, por isso, um sacramento. Foi a propósito da vida familiar dos cristãos que o Apóstolo expôs esta doutrina.

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Efésios
Irmãos: Sede submissos uns aos outros no temor de Cristo. As mulheres submetam-se aos maridos como ao Senhor, porque o marido é a cabeça da mulher, como Cristo é a cabeça da Igreja, seu Corpo, do qual é o Salvador. Ora, como a Igreja se submete a Cristo, assim também as mulheres se devem submeter em tudo aos maridos. Maridos, amai as vossas mulheres, como Cristo amou a Igreja e Se entregou por ela. Ele quis santificá-la, purificando-a no baptismo da água pela palavra da vida, para a apresentar a Si mesmo como Igreja cheia de glória, sem mancha nem ruga, nem coisa alguma semelhante, mas santa e imaculada. Assim devem os maridos amar as suas mulheres, como os seus corpos. Quem ama a sua mulher ama-se a si mesmo. Ninguém, de facto, odiou jamais o seu corpo, antes o alimenta e lhe presta cuidados, como Cristo à Igreja; porque nós somos membros do seu Corpo. Por isso, o homem deixará pai e mãe, para se unir à sua mulher, e serão dois numa só carne. É grande este mistério, digo-o em relação a Cristo e à Igreja. Portanto, cada um de vós ame a sua mulher como a si mesmo e a mulher respeite o marido.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 127 (128), 1-2.3.4-5 (R. cf. 1a)
Refrão: Felizes os que esperam no Senhor. Repete-se

Feliz de ti, que temes o Senhor
e andas nos seus caminhos.
Comerás do trabalho das tuas mãos,
serás feliz e tudo te correrá bem. Refrão

Tua esposa será como videira fecunda
no íntimo do teu lar;
teus filhos serão como ramos de oliveira
ao redor da tua mesa. Refrão

Assim será abençoado o homem que teme o Senhor.
De Sião te abençoe o Senhor:
vejas a prosperidade de Jerusalém
todos os dias da tua vida. Refrão


ALELUIA cf. Mt 11, 25
Refrão: Aleluia. Repete-se
Bendito sejais, ó Pai, Senhor do céu e da terra,
porque revelastes aos pequeninos os mistérios do reino. Refrão


EVANGELHO Lc 13, 18-21
«O grão cresceu e tornou-se árvore»

Duas breves parábolas, a do grão de mostarda e a do fermento, sublinham a força interna e o poder de transformação que animam o reino de Deus. Esta vitalidade íntima do reino nunca diminuirá, mesmo que a experiência nem sempre seja igual à que S. Lucas possuía. O reino de Deus só será realidade perfeita no fim dos tempos, que hão-de dar o verdadeiro sentido a toda a história; mas ele já está no meio de nós, embora em humildade cheio de vida, como o grão de semente em comparação com a árvore que ele há-de vir a ser um dia.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, disse Jesus: «A que é semelhante o reino de Deus, a que hei-de compará-lo? É semelhante ao grão de mostarda que um homem tomou e lançou na sua horta. Cresceu, tornou-se árvore e as aves do céu vieram abrigar-se nos seus ramos». Jesus disse ainda: «A que hei-de comparar o reino de Deus? É semelhante ao fermento que uma mulher tomou e misturou em três medidas de farinha, até ficar tudo levedado».
Palavra da salvação.


Oração sobre as oblatas
Olhai, Senhor, para os dons que Vos apresentamos
e fazei que a celebração destes mistérios
dê glória ao vosso nome.
Por Cristo nosso Senhor.

Antífona da comunhão Cf. Sl 19, 6
Celebramos, Senhor, a vossa salvação
e glorificamos o vosso santo nome.

Ou: Ef 5, 2
Cristo amou-nos e deu a vida por nós,
oferecendo-Se em sacrifício agradável a Deus.

Oração depois da comunhão
Fazei, Senhor, que os vossos sacramentos
realizem em nós o que significam,
para alcançarmos um dia em plenitude
o que celebramos nestes santos mistérios.
Por Cristo nosso Senhor.

 

Martirológio

1.   Em Roma, no cemitério de Trasão, junto à Via Salária Nova, os santos Crisanto e Daria, mártires, louvados pelo papa São Dâmaso.

2.   Em Soissons, na Gália Bélgica, actualmente na França, os santos Crispim e Crispiniano, mártires.

3.   Em Florença, na Etrúria, actualmente na Toscana, região da Itália, São Miniato, mártir.

4.   Em Périgueux, na Aquitânia, na hodierna França, São Frontão, que é considerado o primeiro anunciador do Evangelho nesta cidade.

5.   Em Constantinopla, hoje Istambul, na Turquia, os santos Martírio, subdiácono, e Marciano, cantor, que foram assassinados pelos arianos no tempo do imperador Constâncio.

6.   Em Bréscia, na Venécia, actualmente na Lombardia, região da Itália, São Gaudêncio, bispo, que, ordenado por Santo Ambrósio, se distinguiu entre os prelados da sua época pela doutrina e virtude, ensinou o seu povo com a palavra e os escritos e construiu uma basílica que denominou «Concílio dos Santos».

7.   No território de Javols, na Gália, actualmente na França, Santo Hilário, bispo de Mende.

8*.   Perto de Segóvia, na Hispânia, São Fruto, que levou vida eremítica entre ásperos rochedos.

9*.   Em Pécs, na Hungria, Santo Amaro, bispo, que, tendo sido mestre de retórica durante quase toda a sua vida, se fez monge e depois foi abade do mosteiro de São Martinho.

10*.   Em Vic, na Catalunha, região da Espanha, São Bernardo Calbó, bispo, que, deixando o ofício de juiz, foi monge cisterciense e abade do seu mosteiro; depois, nomeado bispo de Vic, promoveu intensamente a verdadeira doutrina.

11*.   Em Borgo Sant’ António, no Piemonte, região da Itália, o passamento do Beato Tadeu Machar, bispo de Cork e Cloyne, na Irlanda, que teve de sair da sua pátria, vítima da hostilidade dos poderosos, e, durante a viagem para Roma, descansou no Senhor.

12*.   Em Nules, povoação próxima de Tortosa, na Espanha, o Beato Recaredo Centelles Abad, presbítero da Irmandade dos Sacerdotes Operários Diocesanos e mártir, que, durante a perseguição contra a Igreja, foi assassinado às portas do cemitério em ódio ao sacerdócio.

13*.   Em Alcira, na região de Valência, também na Espanha, as beatas Maria Teresa Ferragud Roig e suas filhas Maria de Jesus (Maria Vincenta Masià Ferragud), Maria Verónica (Maria Joaquina Masià Ferragud), Maria Felicidade Masiá Ferragud, virgens da Ordem das Clarissas Capuchinhas, e Josefa da Purificação (Josefa Raimunda Masiá Ferragud), virgem da Ordem das Agostinhas Descalças, todas elas mártires, que, durante a mesma perseguição, mereceram a coroa gloriosa pelo seu inquebrantável testemunho de Cristo.