Liturgia diária

Agenda litúrgica

2022-10-23

DOMINGO XXX DO TEMPO COMUM

Verde – Ofício do domingo (Semana II do Saltério). Te Deum.
+ Missa própria, Glória Credo, pf. dominical.

L1: Sir 35, 15b-17. 20-22a (gr. 12-14.16-18);
Sal 33 (34), 2-3. 17-18. 19 e 23
L2: 2 Tim 4, 6-8. 16-18
Ev: Lc 18, 9-14

* Proibidas as Missas de defuntos, exceto a exequial.
* Dia Mundial das Missões. Onde se realizam celebrações especiais pelas missões, pode dizer-se a Missa “Pela evangelização dos povos” – (MR, p. 1208).
* Em todas as Dioceses de Portugal – Ofertório para as Missões.
* Na Sociedade Missionária da Boa Nova – Dia Mundial das Missões.
* Dia do Ordinariato Castrense.
* Nas Dioceses de Cabo Verde – Ofertório para as Missões.
* Na Diocese de Beja (Beja) – I Vésp. de S. Sisenando.
* Na Congregação dos Missionários do Coração de Maria – I Vésp. de S. António Maria Claret.
* II Vésp. do domingo – Compl. dep. II Vésp. dom.

 

Ano C

Missa

 

Antífona de entrada Sl 104, 3-4
Alegre-se o coração dos que procuram o Senhor.
Buscai o Senhor e o seu poder, procurai sempre a sua face.

Oração coleta
Deus todo-poderoso e eterno,
aumentai em nós a fé, a esperança e a caridade;
e, para merecermos alcançar o que prometeis,
fazei-nos amar o que mandais.
Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus
e convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo,
por todos os séculos dos séculos.


LEITURA I Sir 35, 15b-17.20-22a (gr. 12-14.16-18)
«A oração do humilde atravessa as nuvens»

Deus é a própria Verdade; diante d’Ele o homem deve agir com toda a verdade, sob pena de não ser acolhido por Ele. A oração deve ser o momento mais verdadeiro diante de Deus. E a oração humilde será sempre escutada por Deus.

Leitura do Livro de Ben-Sirá
O Senhor é um juiz que não faz acepção de pessoas. Não favorece ninguém em prejuízo do pobre e atende a prece do oprimido. Não despreza a súplica do órfão, nem os gemidos da viúva. Quem adora a Deus será bem acolhido e a sua prece sobe até às nuvens. A oração do humilde atravessa as nuvens e não descansa enquanto não chega ao seu destino. Não desiste, até que o Altíssimo o atenda, para estabelecer o direito dos justos e fazer justiça.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 33 (34), 2-3.17-18.19.23 (R. 7a)
Refrão: O pobre clamou e o Senhor ouviu a sua voz. Repete-se
Ou: O Senhor ouviu o clamor do pobre. Repete-se

A toda a hora bendirei o Senhor,
o seu louvor estará sempre na minha boca.
A minha alma gloria-se no Senhor:
escutem e alegrem-se os humildes. Refrão

A face do Senhor volta-se contra os que fazem o mal,
para apagar da terra a sua memória.
Os justos clamaram e o Senhor os ouviu,
livrou-os de todas as angústias. Refrão

O Senhor está perto dos que têm o coração atribulado
e salva os de ânimo abatido.
O Senhor defende a vida dos seus servos,
não serão castigados os que n’Ele confiam. Refrão


LEITURA II 2 Tim 4, 6-8.16-18
«Já me está preparada a coroa da justiça»

A leitura faz-nos escutar a última mensagem de S. Paulo antes de sofrer o martírio: abandonado dos homens, ele sente-se plenamente confiante na justiça de Deus que nunca o abandonou nem abandonará.

Leitura da Segunda Epístola do apóstolo S. Paulo a Timóteo
Caríssimo: Eu já estou oferecido em libação e o tempo da minha partida está iminente. Combati o bom combate, terminei a minha carreira, guardei a fé. E agora já me está preparada a coroa da justiça, que o Senhor, justo juiz, me há-de dar naquele dia; e não só a mim, mas a todos aqueles que tiverem esperado com amor a sua vinda. Na minha primeira defesa, ninguém esteve a meu lado: todos me abandonaram. Queira Deus que esta falta não lhes seja imputada. O Senhor esteve a meu lado e deu-me força, para que, por meu intermédio, a mensagem do Evangelho fosse plenamente proclamada e todas as nações a ouvissem; e eu fui libertado da boca do leão. O Senhor me livrará de todo o mal e me dará a salvação no seu reino celeste. Glória a Ele pelos séculos dos séculos. Amen.
Palavra do Senhor.


ALELUIA 2 Cor 5, 19
Refrão: Aleluia. Repete-se
Deus estava em Cristo
reconciliando o mundo consigo
e confiou-nos a palavra da reconciliação. Refrão


EVANGELHO Lc 18, 9-14
«O publicano desceu justificado para sua casa
e o fariseu não»

Jesus ensina, por meio de uma parábola, como devemos orar. Este ensinamento não se aplica somente à oração individual, mas também à oração da assembleia litúrgica, onde os sinais de festa hão-de proceder sempre de um coração humilde e consciente do dom de Deus, que comunitariamente celebramos.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, Jesus disse a seguinte parábola para alguns que se consideravam justos e desprezavam os outros: «Dois homens subiram ao templo para orar; um era fariseu e o outro publicano. O fariseu, de pé, orava assim: ‘Meu Deus, dou-Vos graças por não ser como os outros homens, que são ladrões, injustos e adúlteros, nem como este publicano. Jejuo duas vezes por semana e pago o dízimo de todos os meus rendimentos’. O publicano ficou a distância e nem sequer se atrevia a erguer os olhos ao Céu; mas batia no peito e dizia: ‘Meu Deus, tende compaixão de mim, que sou pecador’. Eu vos digo que este desceu justificado para sua casa e o outro não. Porque todo aquele que se exalta será humilhado e quem se humilha será exaltado».
Palavra da salvação.


Oração sobre as oblatas
Olhai, Senhor, para os dons que Vos apresentamos
e fazei que a celebração destes mistérios
dê glória ao vosso nome.
Por Cristo nosso Senhor.

Antífona da comunhão Cf. Sl 19, 6
Celebramos, Senhor, a vossa salvação
e glorificamos o vosso santo nome.

Ou: Ef 5, 2
Cristo amou-nos e deu a vida por nós,
oferecendo-Se em sacrifício agradável a Deus.

Oração depois da comunhão
Fazei, Senhor, que os vossos sacramentos
realizem em nós o que significam,
para alcançarmos um dia em plenitude
o que celebramos nestes santos mistérios.
Por Cristo nosso Senhor.

 

 

Santo

São João de Capistrano, presbítero

 

 

Martirológio

São João de Capistrano, presbítero da Ordem dos Menores, que defendeu a observância regular e desenvolveu o seu ministério em quase toda a Europa, trabalhando no fortalecimento da fé e na reforma dos costumes católicos; com as suas exortações e preces sustentou o fervor do povo fiel e empenhou-se na defesa da liberdade dos cristãos. Morreu na localidade de Ujlac, junto ao rio Danúbio, no reino da Hungria.

 

2.   Perto de Cádiz, na Bética, região da Hispânia, os santos Servando e Germano, mártires na perseguição do imperador Diocleciano.

3.   Na antiga Pérsia, os santos mártires João, bispo, e Tiago, presbítero, que, no tempo do rei Sapor II, foram encarcerados e, um ano depois, mortos ao fio da espada, consumaram o seu combate da fé.

4.   Em Antioquia, na Síria, hoje Antakya, na Turquia, São Teodoreto, presbítero e mártir, que, segundo a tradição, foi preso pelo imperador Juliano o Apóstata e, por persistir na confissão de fé em Cristo, sofreu o martírio.

5.   Em Colónia, na Germânia, na actual Alemanha, a comemoração de São Severino, bispo, digno de louvor por todas as suas virtudes.

6*.   Em Pavia, na Ligúria, hoje na Lombardia, região da Itália, a comemoração de São Severino Boécio, mártir, insigne pela sua ciência e seus escritos; durante o seu cativeiro escreveu um tratado sobre a consolação da filosofia e serviu fielmente a Deus até à morte, que lhe foi infligida pelo rei Teodorico.

7*.   Em Siracusa, na Sicília, região da Itália, São João, bispo, de quem o papa São Gregório Magno louvou os costumes, a justiça, a sabedoria, o dom do conselho e o zelo pelos assuntos da Igreja.

8.   Em Ruão, na Nêustria, na actual França, São Romão, bispo, que abateu os símbolos dos pagãos que ainda eram venerados na cidade, convenceu os bons a progredir no bem e dissuadiu os maus de praticar o mal.

9.   No território de Herbauge, perto de Poitiers, na Aquitânia, hoje também na França, São Bento, presbítero.

10.   Em Constantinopla, hoje Istambul, na Turquia, Santo Inácio, bispo, que, por ter repreendido o imperador Bardas pelo repúdio da sua legítima esposa, foi objecto de muitas injustiças e mandado para o exílio; mas, restituído à sua sede por intervenção do papa Nicolau I, finalmente descansou em paz.

11*.   Em Rumsey, na Inglaterra, Santa Etelfleda, que foi consagrada a Deus desde a infância no mosteiro fundado por seu pai Etelvoldo e, eleita abadessa, o governou sabiamente até ao fim dos seus dias.

12*.   Em Campugliano, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, Santo Alúcio, verdadeiro homem de paz, generoso benfeitor dos pobres, refúgio dos peregrinos e libertador dos cativos.

13*.   Em Mântua, na Lombardia, também na Itália, o Beato João Bom, eremita, que, sendo jovem, abandonou sua mãe e vagueou por diversas regiões da Itália, exercendo a arte de malabarista e comediante; mas, aos quarenta anos, atingido por uma grave enfermidade, prometeu a Deus abandonar o mundo, para se entregar totalmente a Cristo e à Igreja no amor e na penitência, e fundou uma Congregação sob a Regra de Santo Agostinho.

14*.   Em Milão, também na Lombardia, o Beato João Ângelo Porro, presbítero da Ordem dos Servos de Maria, que, sendo prior do convento, todos os dias festivos estava à porta da igreja ou percorria as ruas, para reunir as crianças e ensinar-lhes a doutrina cristã.

15*.   Em York, na Inglaterra, o Beato Tomás Thwing, presbítero e mártir, que, acusado falsamente de conspiração, por ordem do rei Carlos II foi enforcado e esquartejado, e assim alcançou a palma do martírio.

16*.   Em Valenciennes, na França, as beatas Maria Clotilde Ângela de São Francisco de Bórgia (Clotilde Josefa Paillot) e cinco companheiras[1], virgens e mártires, que, consagradas a Deus e condenadas à morte durante a Revolução Francesa, subiram piedosamente ao patíbulo ante a admiração do povo.

 


[1]  São estes os seus nomes: Maria Escolástica Josefa de São Tiago (Maria Margarida Josefa Leroux), Maria Córdula Josefa de São Domingos (Joana Luísa Barré), da Ordem das Ursulinas; Josefina (Ana Josefa Leroux), da Ordem das Clarissas; Maria Francisca (Maria Lievina Lacroix) e Ana Maria (Maria Agostinha Erraux), da Ordem de Santa Brígida.

 

17.   Em Tho-Duc, cidade do Anam, actualmente no Vietnam, São Paulo Tong Viet Buong, mártir, que, sendo soldado, morreu por Cristo no tempo do imperador Minh Mang.

18*.   Em Reims, na França, o Beato Arnaldo (Julião Nicolau Rèche), religioso da Congregação dos Irmãos das Escolas Cristãs, que, dócil em tudo ao Espírito Santo, se dedicou intensamente à formação dos jovens, sempre fiel no seu exercício de professor e assíduo na oração.

19*.   Em Ciudad Real, na Espanha, os beatos mártires Ildefonso da Cruz (Anatólio Garcia Nozal) e Justiniano de São Gabriel da Senhora das Dores (Justiniano Cuesta Redondo), presbíteros Congregação da Paixão, e quatro companheiros[1], religiosos da mesma Congregação, que, por Cristo e pela Igreja, foram fuzilados durante a perseguição religiosa.

 


[1]  Eufrásio do Amor Misericordioso (Eufrásio de Celis Santos), Tomás do Santíssimo Sacramento (Tomás Cuartero Gascón), José Maria de Jesus e Maria (José Maria Cuartero Gascón) e Honorino de Nossa Senhora das Dores (Honorino Carracedo Ramos)

 

20*.   Em El Saler, localidade próxima de Valência, também na Espanha, o Beato Leonardo Olivera Buera, presbítero e mártir, que, durante a mesma perseguição religiosa, imitando a paixão de Cristo, mereceu alcançar o prémio eterno.

21*.   Em Benimaclet, também na província de Valência, na Espanha, os beatos Ambrósio Leão (Pedro Lorente Vicente), Florêncio Martinho (Álvaro Ibáñez Lázaro) e Honorato André (André Zorraquino Herrero), religiosos da Congregação dos Irmãos das Escolas Cristãs e mártires, que, durante a mesma perseguição derramaram o seu sangue por Cristo.