Liturgia diária

Agenda litúrgica

2022-10-17

Segunda-feira da semana XXIX

S. Inácio de Antioquia, bispo e mártir – MO
Vermelho – Ofício da memória.
Missa da memória.

L1: Ef 2, 1-10; Sal 99 (100), 2. 3. 4. 5
Ev: Lc 12. 13-21

* Na Diocese do Funchal (Sé) – I Vésp. do aniversário da Dedicação da Igreja Catedral.

 

Missa

 

Antífona de entrada Cf. Sl 16, 6.8
Respondei-me, Senhor, quando Vos invoco,
ouvi a minha voz, escutai as minhas palavras.
Guardai-me dos meus inimigos, Senhor.
Protegei-me à sombra das vossas asas.

Oração coleta
Deus todo-poderoso e eterno,
dai-nos a graça de consagrarmos sempre ao vosso serviço
a dedicação da nossa vontade e a sinceridade do nosso coração.
Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus
e convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo,
por todos os séculos dos séculos.


LEITURA I (anos pares) Ef 2, 1-10
«Restituiu-nos à vida com Cristo e com Cristo nos fez sentar nos Céus»

É esta uma das mais belas páginas de S. Paulo: em Cristo, Deus fez de nós uma criação nova: com Ele, fez-nos morrer para o pecado; com Ele, ressuscitou-nos para uma vida nova; com Ele, elevou-nos ao Céu e sentou-nos junto de Si. E tudo isto por dom completamente gratuito. Se o que nós agora fazemos em ordem à nossa salvação é realmente nosso, é, antes de mais, dom de Deus.

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Efésios
Irmãos: Vós estáveis mortos pelas faltas e pecados em que vivestes outrora, segundo o modo de ser deste mundo e obedecendo ao príncipe do mal que impera nos ares, esse espírito que actua nos homens rebeldes. Todos nós, que também éramos como eles, vivíamos antigamente submetidos aos desejos da nossa carne, satisfazendo os caprichos dos instintos e da imaginação e sendo por natureza filhos da ira, como os outros. Mas Deus, que é rico em misericórdia, pela grande caridade com que nos amou, a nós, que estávamos mortos por causa dos nossos pecados, restituiu-nos à vida com Cristo – é pela graça que fostes salvos – e com Ele nos ressuscitou e com Ele nos fez sentar nos Céus. Assim quis mostrar aos séculos futuros a abundante riqueza da sua graça e da sua bondade para connosco, em Jesus Cristo. De facto, é pela graça que fostes salvos, por meio da fé. A salvação não vem de vós: é dom de Deus. Não se deve às obras: ninguém se pode gloriar. Na verdade, nós somos obra de Deus, criados em Jesus Cristo, em vista das boas obras que Deus de antemão preparou, como caminho que devemos seguir.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 99 (100), 2.3.4.5 (R. 3b)
Refrão: O Senhor nos criou, pertencemos ao Senhor. Repete-se

Aclamai o Senhor, terra inteira,
servi o Senhor com alegria,
vinde a Ele com cânticos de júbilo. Refrão

Sabei que o Senhor é Deus,
Ele nos fez, a Ele pertencemos,
somos o seu povo, as ovelhas do seu rebanho. Refrão

Entrai pelas suas portas, dando graças,
penetrai em seus átrios com hinos de louvor,
glorificai-O, bendizei o seu nome. Refrão

Porque o Senhor é bom,
eterna é a sua misericórdia,
a sua fidelidade estende-se de geração em geração. Refrão


ALELUIA Mt 5, 3
Refrão: Aleluia. Repete-se
Bem-aventurados os pobres em espírito,
porque deles é o reino dos Céus. Refrão


EVANGELHO Lc 12, 13-21
«O que preparaste, para quem será?»

A vida vale mais do que as coisas! É assim que, a partir de um caso concreto que Lhe é apresentado, Jesus previne os seus discípulos contra o apego às riquezas, e, por meio de uma pequena parábola, lembra como é frágil esta vida. A lição é hoje tão oportuna como no tempo de Jesus, pois que somos hoje solicitados, talvez como nunca, para a procura e uso dos bens materiais. O Senhor nos ensina o equilíbrio que deve haver em relação a esses dons.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, alguém, do meio da multidão, disse a Jesus: «Mestre, diz a meu irmão que reparta a herança comigo». Jesus respondeu-lhe: «Amigo, quem Me fez juiz ou árbitro das vossas partilhas?». Depois disse aos presentes: «Vede bem, guardai-vos de toda a avareza: a vida de uma pessoa não depende da abundância dos seus bens». E disse-lhes esta parábola: «O campo dum homem rico tinha produzido excelente colheita. Ele pensou consigo: ‘Que hei-de fazer, pois não tenho onde guardar a minha colheita? Vou fazer assim: Deitarei abaixo os meus celeiros para construir outros maiores, onde guardarei todo o meu trigo e os meus bens. Então poderei dizer a mim mesmo: Minha alma, tens muitos bens em depósito para longos anos. Descansa, come, bebe, regala-te’. Mas Deus respondeu-lhe: ‘Insensato! Esta noite terás de entregar a tua alma. O que preparaste, para quem será?’ Assim acontece a quem acumula para si, em vez de se tornar rico aos olhos de Deus».
Palavra da salvação.


Oração sobre as oblatas
Fazei, Senhor,
que possamos servir ao vosso altar
com plena liberdade de espírito,
para que estes mistérios que celebramos
nos purifiquem de todo o pecado.
Por Cristo nosso Senhor.

Antífona da comunhão Cf. Sl 32, 18-19
O Senhor vela sobre os seus fiéis,
sobre aqueles que esperam na sua bondade,
para libertar da morte as suas almas,
para os alimentar no tempo da fome.

Ou: Mc 10, 45
O Filho do homem veio ao mundo
para dar a vida pela redenção dos homens.

Oração depois da comunhão
Concedei, Senhor,
que a participação nos mistérios celestes
nos faça progredir na santidade,
nos obtenha as graças temporais
e nos confirme nos bens eternos.
Por Cristo nosso Senhor.

 

Santo

Santo Inácio de Antioquia, bispo e mártir

 

 

Martirológio

Memória de Santo Inácio, bispo e mártir, que foi discípulo do apóstolo São João e segundo sucessor de São Pedro no governo da Igreja de Antioquia. Condenado às feras no tempo do imperador Trajano, foi conduzido a Roma, onde consumou o seu glorioso martírio. Durante a viagem, experimentando a ferocidade dos guardas, semelhante à dos leopardos, escreveu sete cartas a várias Igrejas, nas quais exorta os irmãos a servir a Deus em união com os bispos e a não impedirem que ele fosse imolado como vítima por Cristo.

 

2.       Comemoração de Santo Oseias, profeta, que, não só com palavras mas com a própria vida, anunciou ao infiel povo de Israel o Senhor como Esposo sempre fiel e de infinita misericórdia.

3.       Comemoração dos santos Rufo e Zósimo, mártires, que São Policarpo refere como companheiros de martírio de Santo Inácio, quando escreve aos Filipenses: «Participaram na paixão do Senhor, não amaram a vida presente, mas Aquele que morreu e ressuscitou por eles e por todos».

4.   Na África Proconsular, na hodierna Tunísia, os santos Mártires Volitanos, que Santo Agostinho celebrou num sermão.

5.       Em Licópolis, no Egipto, São João, eremita, que, entre os outros sinais das suas virtudes, foi insigne pelo seu espírito profético.

6.       Em Agen, na Aquitânia, actualmente na França, São Dulcídio, bispo, que defendeu ardorosamente a fé católica contra a heresia ariana.

7.       Em Orange, na Provença, região da Gália, também na actual França, São Florêncio, bispo.

8*.     Em Toulouse, também na Gália, hoje na França, o dia natal do Beato Gilberto, abade de Cister, natural da Inglaterra, homem de eminente sabedoria, que defendeu São Tomás Becket no seu exílio.

9*.     Em Binasco, na Lombardia, região da Itália, o Beato Baltasar Ravaschiéri de Chiavári, presbítero da Ordem dos Frades Menores.

10.     Em Wrexham, no País de Gales, São Ricardo Gwyn, mártir, que, sendo pai de família e mestre-escola, professou a fé católica e, encarcerado sob a acusação de convencer outras pessoas a dar o mesmo passo, depois de muitas torturas, sempre firme na sua fé, foi enforcado e esquartejado ainda vivo.

11*.   Em Roma, o Beato Pedro da Natividade de Santa Maria (Pedro Casáni), presbítero da Ordem dos Clérigos Regrantes das Escolas Pias, que utilizou os seus dons da natureza e da graça na formação das crianças, sentindo a maior alegria em servir a Deus nos pequeninos.

12.     Em Paray-le-Monial, no território de Autun, na França, o passamento de Santa Margarida Maria Alacoque, virgem, cuja memória foi celebrada ontem.

13*.   Na região de Laval, também na França, o Beato Tiago Burin, presbítero e mártir, que, durante a Revolução Francesa, exerceu clandestinamente o seu ministério pastoral com muitas precauções, fugindo de casa em casa para evitar a multidão dos perseguidores, e finalmente foi fuzilado quando tinha o cálice em suas mãos.

14*.   Em Valenciennes, também na França, as beatas Maria Natália de São Luís (Maria Luísa Josefa Vanot) e quatro companheiras[1], virgens da Ordem das Ursulinas e mártires, que, durante a Revolução Francesa, em ódio à fé católica, foram condenadas à morte e subiram ao patíbulo recitando o salmo «Miserere».

 


[1]  São estes os seus nomes: Maria Laurentina de Santo Estanislau (Joana Regina Prin), Maria Úrsula de São Bernardino (Jacinta Agostinha Gabriela Bourla), Maria Luísa de São Francisco (Maria Genoveva Ducrez) e Maria Agostinha do Sagrado Coração de Jesus (Maria Madalena Déjardin).

 

15.     Em Hué, no Anam, hoje no Vietnam, Santo Isidoro Gagelin, presbítero da Sociedade das Missões Estrangeiras de Paris e mártir, que, pela sua fé em Cristo, foi estrangulado no tempo do imperador Minh Mang.

16*.   Em Suna, junto ao Lago Maggiore, na Itália, o Beato Contardo Ferrini, que, dedicado à educação da juventude, superou as ciências humanas com o exemplo da sua fé e de vida cristã.

17*.   Em Ciudad Real, na Espanha, o Beato Fiel Fuídio Rodríguez, religioso da Companhia de Maria e mártir, que, durante a perseguição contra a fé, foi fuzilado e descansou no Senhor.

18*.   Em La Nucia, localidade próxima de Alicante, também na Espanha, o Beato Raimundo Estêvão Bou Pascual, presbítero e mártir, que, durante a mesma perseguição, como discípulo fiel mereceu a salvação no sangue de Cristo.

19*.   Em Algemesi, na região de Valência, também na Espanha, a Beata Tarsila Córdoba Belda, mártir, que, sendo mãe de família, durante a mesma perseguição foi recebida na glória do Senhor.

20♦.   Em Tembleque, perto de Toledo, também na Espanha, Perfeito Carrascosa Santos, presbítero da Ordem dos Frades Menores e mártir, que foi assassinado durante a mesma perseguição contra a fé e o sacerdócio.