Liturgia diária

Agenda litúrgica

2022-10-10

Segunda-feira da semana XXVIII

Verde – Ofício da féria.
Missa à escolha (cf. p. 19, n. 18).

L1: Gal 4, 22-24. 26-27. 31 – 5, 1; Sal 112 (113), 1-2. 3-4. 5a e 6-7
Ev: Lc 11, 29-32

* Na Ordem Agostiniana – S. Tomás de Vilanova, bispo – FESTA
* Na Ordem Franciscana – SS. Daniel, presbítero, e Companheiros, mártires, da I Ordem – MF
* Nos Missionários Combonianos do Coração de Jesus, nas Irmãs Missionárias Combonianas, nas Missionárias Seculares Combonianas e nos Leigos Missionários Combonianos – S. Daniel Comboni, bispo, missionário e Fundador – SOLENIDADE
* Na Diocese do Porto (Porto) – I Vésp. de Nossa Senhora de Vandoma.
* Na Congregação das Servas de Maria – I Vésp. de S. Maria Soledad Torres.

 

Missa

 

Antífona de entrada Sl 129, 3-4
Se tiverdes em conta as nossas faltas, Senhor, quem poderá salvar-se?
Mas em Vós está o perdão, Senhor Deus de Israel.

Oração coleta
Nós Vos pedimos, Senhor,
que a vossa graça preceda e acompanhe sempre as nossas ações
e nos torne cada vez mais atentos
à prática das boas obras.
Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus
e convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo,
por todos os séculos dos séculos.


LEITURA I (anos pares) Gal 4, 22-24.26-27.31 – 5, 1
«Não somos filhos da escrava, mas da mulher livre»

São Paulo quer mostrar, por uma comparação, que o Novo Testamento nos trouxe a liberdade definitiva em Jesus Cristo, e que, em consequência disso, a lei de Moisés, que tinha servido de guia em todo o Antigo Testamento, tinha cumprido a sua missão, conduzindo o povo de Deus até Jesus Cristo. S. Paulo parte da comparação das duas mulheres de Abraão, uma escrava, a outra livre, e vê na escrava o símbolo do Antigo Testamento e na esposa a figura do Novo Testamento, para fazer compreender que nós somos livres, porque Cristo nos libertou. Querer voltar a sujeitar-se às prescrições e ritos da lei de Moisés, como pretendiam alguns dos destinatários da sua carta, seria voltar a fazer-se escravo.

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Gálatas
Irmãos: Como está escrito, Abraão teve dois filhos, um da escrava e outro da mulher livre. O da escrava nasceu segundo a natureza e o da mulher livre em virtude da promessa. Há nisto uma alegoria. As mulheres representam as duas alianças. A primeira, concluída no monte Sinai, gera para a escravidão: é Agar. Mas a Jerusalém do alto é livre, e esta é a nossa mãe. Porque está escrito: «Alegra-te, ó estéril, que não davas à luz; rejubila e canta de alegria, tu que não conheceste as dores da maternidade, porque os filhos da abandonada são mais numerosos que os daquela que tem marido». Por isso, irmãos, não somos filhos da escrava, mas da mulher livre. Foi para a verdadeira liberdade que Cristo nos libertou. Portanto, permanecei firmes e não torneis a sujeitar-vos ao jugo da escravidão.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 112 (113), 1-2.3-4.5a e 6-7 (R. cf. 2)
Refrão: Bendito seja o nome do Senhor para sempre. Repete-se
Ou: Aleluia. Repete-se

Louvai, servos do Senhor,
louvai o nome do Senhor.
Bendito seja o nome do Senhor,
agora e para sempre. Refrão

Desde o nascer ao pôr do sol,
seja louvado o nome do Senhor.
O Senhor domina sobre todos os povos,
a sua glória está acima dos céus. Refrão

Quem se compara ao Senhor nosso Deus,
que Se inclina lá do alto a olhar o céu e a terra?
Levanta do pó o indigente e tira o pobre da miséria,
para o fazer sentar com os grandes do seu povo. Refrão


ALELUIA cf. Salmo 94 (95), 8ab
Refrão: Aleluia Repete-se
Se hoje ouvirdes a voz do Senhor,
não fecheis os vossos corações. Refrão


EVANGELHO Lc 11, 29-32
«Nenhum sinal será dado a esta geração, senão o sinal de Jonas»

Jonas, com a sua pregação, levou a cidade de Nínive à penitência; de modo semelhante, a sabedoria de Salomão atraiu, de longe, a rainha de Sabá; Jesus é maior do que Jonas e do que Salomão. Ele é o grande Sinal! Quem O reconhecer e a Ele se converter terá encontrado a salvação.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, aglomerava-se uma grande multidão à volta de Jesus e Ele começou a dizer: «Esta geração é uma geração perversa: pede um sinal, mas nenhum sinal lhe será dado, senão o sinal de Jonas. Assim como Jonas foi um sinal para os habitantes de Nínive, assim o será também o Filho do homem para esta geração. No juízo final, a rainha do sul levantar-se-á com os homens desta geração e há-de condená-los, porque veio dos confins da terra para ouvir a sabedoria de Salomão; e aqui está quem é maior do que Salomão. No juízo final, os homens de Nínive levantar-se-ão com esta geração e hão-de condená-la, porque fizeram penitência ao ouvir a pregação de Jonas; e aqui está quem é maior do que Jonas».
Palavra da salvação.


Oração sobre as oblatas
Aceitai, Senhor,
as orações e as ofertas dos vossos fiéis
e fazei que esta celebração sagrada
nos encaminhe para a glória do céu.
Por Cristo nosso Senhor.

Antífona da comunhão Cf. Sl 33, 11
Os ricos empobrecem e passam fome;
mas nada falta aos que procuram o Senhor.

Ou: Cf. 1Jo 3, 2
Quando o Senhor Se manifestar,
seremos semelhantes a Ele,
porque O veremos na sua glória.

Oração depois da comunhão
Deus de infinita bondade,
que nos alimentais com o Corpo e o Sangue do vosso Filho,
tornai-nos também participantes da sua natureza divina.
Ele que vive e reina pelos séculos dos séculos.

 

Martirológio

1.   Comemoração de São Pinito, bispo de Cnossos, na ilha de Creta, que, no tempo dos imperadores Marco Aurélio Vero e Lúcio Cómodo, se distinguiu pelos seus escritos sobre a fé e sua intensa solicitude pelo progresso espiritual do rebanho que lhe foi confiado.

2.       Em Nicomédia, na Bitínia, hoje Izmit, na Turquia, os santos Eulâmpio e sua irmã Eulâmpia, mártires, durante a perseguição do imperador Diocleciano.

3.       Em Colónia, na Germânia, na actual Alemanha, os santos Gereão e companheiros, mártires, que, para defender a verdadeira piedade, corajosamente ofereceram o seu pescoço à espada.

4.       Em Birten, também no território de Colónia, na actual Alemanha, os santos Vítor e Maloso, mártires.

5.   Em Bonn, hoje também na Alemanha, os santos Cássio e Florêncio, mártires.

6*.   Em Nantes, na Gália Lionense, actualmente na França, São Claro, venerado como primeiro bispo desta cidade.

7.   Em Populónia, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, São Cerbónio, bispo, que, segundo o testemunho do papa São Gregório Magno, quando os Lombardos invadiram esta região, se refugiou na ilha de Elba, onde deu muitas provas da sua grande virtude.

8.   Perto de Ramerude, no território de Troyes, na Nêustria, actualmente na França, Santa Tanca, virgem e mártir, que, segundo a tradição, para defender a sua virgindade teve morte gloriosa.

9*.   Em Rochester, na Inglaterra, o passamento de São Paulino, bispo de York, que, sendo monge e discípulo do papa São Gregório Magno, foi por ele enviado com outros a pregar o Evangelho aos Anglos, onde converteu Eduino, rei da Notúmbria, e lavou nas águas da regeneração baptismal o seu povo.

10*.   No mosteiro de Jouarre, no território de Meaux, na Nêustria, na hodierna França, Santa Telquilde, abadessa, que, sendo nobre de nascimento, ilustre pelos seus méritos e austera em seus costumes, ensinou as virgens consagradas a ir ao encontro de Cristo com as lâmpadas acesas.

11.   Em Ceuta, na Mauritânia Tingitana, a paixão dos sete mártires da Ordem dos Menores – Daniel, Samuel, Ângelo, Leão, Nicolau e Hugolino, presbíteros, e Dono – que, enviados pelo irmão Elias a pregar o Evangelho aos Mouros, depois de sofrerem insultos, cadeias e flagelações, finalmente foram degolados e receberam a palma do martírio.

12.     Em Bridlington, na Inglaterra, São João, presbítero, prior do mosteiro dos cónegos regrantes de Santo Agostinho, célebre pela sua oração, austeridade e mansidão.

13.    Em Khartum, cidade do Sudão, São Daniel Combóni, bispo, que fundou o Instituto das Missões para a Negritude, hoje com o nome de Missionários Combonianos do Coração de Jesus, e, eleito bispo na África, dedicou todas as suas energias para anunciar o Evangelho por aquelas regiões e promoveu de muitos modos a dignidade humana.

14*.   Em Cracóvia, na Polónia, a Beata Ângela Maria (Sofia Camila Truszkowska), virgem, que fundou a Congregação Franciscana de São Félix Cantalício, para ajudar as crianças abandonadas, os pobres e os marginados.

15♦.   Em Chamberi, bairro de Madrid, na Espanha, a Beata Maria Catarina Irigoyen Echegaray, religiosa do Instituto das Servas de Maria, Ministra dos Enfermos.

16♦.   Em Garraf, perto de Barcelona, também na Espanha, o Beato Pedro Tomás de Nossa Senhora do Pilar (Pedro de Alcântara Fortón y de Cascajares), religioso da Ordem dos Carmelitas Descalços e mártir, assassinado em ódio à fé.

17*.   Em Dzialdowo, povoação da Polónia, o Beato Leão Wetmanski, bispo auxiliar de Plock, que, durante a ímpia perseguição na Polónia contra Deus e os homens, com a sua heróica morte num campo de concentração consumou o seu martírio.

18*.   Em Linz, na Áustria, o Beato Eduardo Detkens, mártir, natural da Polónia, que morreu numa câmara de gás durante a mesma perseguição.