Liturgia diária

Agenda litúrgica

2022-01-10

Segunda-feira da semana I

B. Gonçalo de Amarante, presbítero – MF
Verde ou br. – Ofício da féria ou da memória (Semana I do Saltério).
Missa à escolha (cf. p. 19, n. 18).

L1: 1 Sam 1, 1-8; Sal 115 (116), 12-13. 14-15. 16-17. 18-19
Ev: Mc 1, 14-20

* Na Diocese do Porto – B. Gonçalo de Amarante – MO
* Na Ordem Beneditina – B. Gonçalo de Amarante – MF; S. Gregório de Nissa, bispo – MF
* Na Ordem de Cister – S. Gregório de Nissa, bispo – MF; S. Guilherme de Bourges, bispo – MF
* Na Ordem Cisterciense da Estrita Observância – S. Gregório de Nissa, bispo – MF
* Na Ordem de São Domingos – B. Gonçalo de Amarante, presbítero – MO
* Nas Dioceses de Cabo Verde – Ofício e Missa da féria.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA
Sobre um trono elevado vi sentado um homem,
que uma multidão de Anjos adora, cantando em coro:
Eis Aquele que reina eternamente.


ORAÇÃO COLECTA
Atendei, Senhor, as orações do vosso povo;
dai-lhe luz para conhecer a vossa vontade
e coragem para a cumprir fielmente.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I 1 Sam 1, 1-8
«A rival de Ana irritava-a com humilhações, porque o Senhor a mantivera estéril»

Começamos hoje o Tempo Comum. Este tempo litúrgico tem uma parte antes da Páscoa, outra depois: a primeira vai do Tempo do Natal, a partir de hoje, até à Quaresma, e a segunda, do fim do Tempo Pascal até ao Advento. Nos dias de semana ou férias, lê-se, em cada ano, um apanhado da história da salvação do Antigo Testamento, organizado em duas narrativas paralelas: uma num ano (Ano I ou anos ímpares), outra no outro (Ano II ou anos pares). Nos anos pares, essa narrativa começa com leitura dos livros de Samuel. A passagem que hoje se lê refere-se às relações entre as duas mulheres de Elcaná. Tudo, no entanto, prepara a história de Samuel.

Início do Primeiro Livro de Samuel
Havia um homem natural de Ramá, um sufita dos montes de Efraim, chamado Elcana, filho de Jeroão, filho de Eliú, filho de Toú, filho de Suf de Efraim. Tinha duas mulheres, uma chamada Ana e outra chamada Fenena. Fenena tinha filhos; Ana, porém, não os tinha. Esse homem costumava subir todos os anos da sua cidade até Silo, para adorar o Senhor do Universo e oferecer-Lhe sacrifícios. Aí se encontravam os dois filhos de Heli, Hofni e Fineias, sacerdotes do Senhor. Cada vez que Elcana oferecia um sacrifício, costumava dar porções da vítima a sua mulher Fenena e a todos os seus filhos e filhas. Embora amasse muito Ana, dava-lhe apenas uma porção, porque o Senhor a tinha feito estéril. A sua rival irritava-a com humilhações, porque o Senhor a tinha deixado estéril. Assim acontecia todos os anos e, sempre que subiam à casa do Senhor, Fenena ofendia Ana. Ana chorava e não comia. Então Elcana, seu marido, disse-lhe: «Ana, porque choras? Porque não comes? Porque estás tão triste? Não sou melhor para ti do que dez filhos?».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 115 (116), 12-13.14-15.16-17.18-19 (R. 17a)
Refrão: Oferecer-Vos-ei, Senhor, um sacrifício de louvor. Repete-se
Ou: Aleluia. Repete-se

Como agradecerei ao Senhor
tudo quanto Ele me deu?
Elevarei o cálice da salvação,
invocando o nome do Senhor. Refrão

Cumprirei as minhas promessas ao Senhor
na presença de todo o povo.
É preciosa aos olhos do Senhor
a morte dos seus fiéis. Refrão
Senhor, sou vosso servo, filho da vossa serva:
quebrastes as minhas cadeias.
Oferecer-Vos-ei um sacrifício de louvor,
invocando, Senhor, o vosso nome. Refrão

Cumprirei as minhas promessas ao Senhor
na presença de todo o povo,
nos átrios da casa do Senhor,
dentro dos teus muros, Jerusalém. Refrão


ALELUIA Mc 1, 15
Refrão Aleluia Repete-se
Está próximo o reino de Deus;
arrependei-vos e acreditai no Evangelho Refrão


EVANGELHO Mc 1, 14-20
«Arrependei-vos e acreditai no Evangelho»

Nos dias de semana do Tempo Comum, leremos, em cada ano, os três Evangelhos Sinópticos, em primeiro lugar o de S. Marcos, que ocupará nove semanas. Hoje ouviremos o grande convite à conversão, com que principia este Evangelho. A conversão é o primeiro fruto da Palavra de Deus no coração dos homens e o ponto de partida no caminho que leva a Deus, ou antes, a primeira resposta a Deus que Se dirige a nós.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
Depois de João ter sido preso, Jesus partiu para a Galileia e começou a proclamar o Evangelho de Deus, dizendo: «Cumpriu-se o tempo e está próximo o reino de Deus. Arrependei-vos e acreditai no Evangelho». Caminhando junto ao mar da Galileia, viu Simão e seu irmão André, que lançavam as redes ao mar, porque eram pescadores. Disse-lhes Jesus: «Vinde comigo e farei de vós pescadores de homens». Eles deixaram logo as redes e seguiram-n’O. Um pouco mais adiante, viu Tiago, filho de Zebedeu, e seu irmão João, que estavam no barco a consertar as redes; e chamou-os. Eles deixaram logo seu pai Zebedeu no barco com os assalariados e seguiram Jesus.
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai benignamente, Senhor, a oblação do vosso povo
e fazei que ela santifique a nossa vida
e torne eficaz a nossa oração.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 35, 10
Em Vós, Senhor, está a fonte da vida: na vossa luz veremos a luz.
Ou Jo 10, 10
Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância, diz o Senhor.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Deus todo-poderoso,
que nos alimentais com os vossos sacramentos,
dai-nos a graça de Vos servir com uma vida santa.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


 

Santo

B. GONÇALO DE AMARANTE, presbítero

 

 

Martirológio

Beato Gonçalo de Amarante, presbítero de Braga, que, depois de longa peregrinação à Terra Santa, entrou na Ordem dos Pregadores e finalmente se retirou para um ermo; fez construir uma ponte e ajudou muito os habitantes do lugar com a sua oração e pregação.

 

2.   Em Roma, no cemitério de Calisto, junto à Via Ápia, São Milcíades, papa, oriundo da África, que conheceu a paz da Igreja restabelecida pelo imperador Constantino e, sendo vítima dos ataques dos donatistas, actuou com grande prudência para alcançar a concórdia.

3.   Na Tebaida, região do Egipto, São Paulo, eremita, que abraçou a vida monástica desde os seus princípios.

4.   Em Nissa, na Capadócia, hoje Vedsehir, na actual Turquia, São Gregório, bispo, irmão de São Basílio Magno, insigne pela sua vida e doutrina, que, por ter proclamado a verdadeira fé, foi expulso da sua cidade no tempo do imperador ariano Valente.

5.   Em Jerusalém, São João, bispo, que, em tempo da controvérsia sobre a verdadeira doutrina, trabalhou arduamente pela fé católica e pela paz da Igreja.

6*.   Em Die, no território de Vienne, actualmente na França, São Petrónio, bispo, que anteriormente seguira a vida monástica na ilha de Lérins.

7.   Em Constantinopla, hoje Istambul, na Turquia, São Marciano, presbítero, que se empenhou com extraordinária diligência em ornamentar as igrejas e socorrer os pobres.

8*.   Em Limoges, cidade da Aquitânia, actualmente na França, São Valério, que abraçou a vida solitária. 

9*.   Em Melitene, na antiga Arménia, São Domiciano, bispo, que trabalhou intensamente pela conversão dos Persas.

10.   Em Roma, junto de São Pedro, o sepultamento de Santo Agatão, papa, que confirmou a integridade da fé contra os erros do monotelismo e promoveu sínodos para fortalecer a unidade da Igreja.

11*.   No território de Viviers, ao longo do Ródano, na França, Santo Arcôncio, bispo.                        

12.   No mosteiro de Cusan, nos montes Pireneus, São Pedro Urséolo, que depois de ter sido doge de Veneza se fez monge; foi célebre pela sua piedade e austeridade e passou a vida num ermo próximo do mosteiro.

13*.   No mosteiro de Cava de’ Tirréni, na Campânia, hoje região da Itália, o Beato Benincasa, abade, que enviou cem dos seus monges à Sicília para ocupar o cenóbio de Monreale recentemente fundado.

14.   Em Bourges, na Aquitânia, região da França, São Guilherme, bispo, que, aspirando ardentemente à vida de solidão e meditação, foi monge cisterciense em Pontigny, depois abade em Chalis e finalmente bispo da Igreja de Bourges; mas nunca abrandou a austeridade da vida monástica e distinguiu-se pela sua caridade para com o clero, os cativos e os indigentes.

15*.   Em Arezzo, na Etrúria, actualmente na Toscana, região da Itália, o passamento do Beato Gregório X, papa, que, sendo arcediago de Liège, foi eleito para a cadeira de Pedro: favoreceu de todos os modos a comunhão com os Gregos e, para promover a conciliação entre os cristãos e recuperar a Terra Santa, convocou o segundo Concílio Ecuménico de Lião.

16*.   Em Lorenzana, na Lucânia, na actual Basilicata, região da Itália, o Beato Egídio (Bernardino di Bello), religioso da Ordem dos Frades Menores, que viveu recluso numa gruta.

17*.   Em Arequipa, no Peru, a Beata Ana dos Anjos Monteagudo, virgem da Ordem dos Pregadores, que com o dom do conselho e da profecia promoveu o bem de toda a cidade.

18*.   Em Perúgia, na Itália, Santa Francisca de Sales (Leónia) Aviat, virgem, que se dedicou com amor materno e generosa solicitude à promoção da juventude e instituiu as Oblatas de São Francisco de Sales.

19*.   Em Madrid, na Espanha, a Beata Maria das Dores Rodríguez Sopeña, virgem, a qual, dando eminente testemunho de caridade cristã, se aproximou dos mais abandonados da sociedade do seu tempo, especialmente nos subúrbios das grandes cidades, e fundou o Instituto das Damas Catequistas e a Obra da Doutrina, para anunciar o Evangelho e promover os pobres e os operários nas questões sociais.