Liturgia diária

Agenda litúrgica

2021-06-08

Terça-feira da semana X

Verde – Ofício da féria.
Missa à escolha (cf. p. 19, n. 18).

L 1 2 Cor 1, 18-22; Sal 118 (119), 129 e 130. 131 e 132. 133 e 135
Ev Mt 5, 13-16

* Na Diocese do Porto – B. Maria do Divino Coração, virgem – MO
* Na Ordem dos Franciscanos Capuchinhos – B. Nicolau de Gésturi, religioso – MF
* Na Ordem de São Domingos – Bb. Diana Andalò e Cecília, virgens – MF
* Na Congregação Salesiana – B. Estêvão Sándor, mártir – MO; no Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora e no Instituto Secular Voluntários de D. Bosco – MF
* Na Companhia de Jesus – Bb. Rodolfo Acquaviva, presbítero, Francisco Aranha, religioso e Companheiros; Carlos Spínola, presbítero, e Companheiros; Tiago Berthieu, presbítero; Leão Mangin, presbítero, e Companheiros: mártires – MF
* Na Congregação de Nossa Senhora da Caridade do Bom Pastor – B. Maria do Divino Coração – MO

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 26, 1-2
O Senhor é minha luz e salvação:
a quem temerei?
O Senhor é protector da minha vida:
de quem hei-de ter medo?


ORAÇÃO COLECTA
Deus, fonte de todo o bem,
ensinai-nos com a vossa inspiração a pensar o que é recto
e ajudai-nos com a vossa providência a pô-lo em prática.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos ímpares) 2 Cor 1, 18-22
«Jesus não foi sim e não, mas sempre foi sim»

S. Paulo defende-se dos que o acusavam de ser leviano na sua pregação. Paulo apela para Deus, que é fiel, é sempre e só sim, sem nunca voltar atrás para ser não. Essa fidelidade de Deus manifesta-se em Jesus Cristo, o Verbo, a Palavra do Pai, a palavra da verdade. Pois, é esse Jesus Cristo que Paulo anuncia, sem O adulterar, como outros faziam. A sua pregação é, portanto, autêntica, fiel; também ela é somente sim.

Leitura da Segunda Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios
Irmãos: Deus é testemunha fiel de que a nossa linguagem convosco não é sim e não. Porque o Filho de Deus, Jesus Cristo, que nós pregámos entre vós __ eu, Silvano e Timóteo __ não foi sim e não, mas foi sempre um sim. Todas as promessas de Deus são um sim em seu Filho. É por Ele que nós dizemos ‘Amen’ a Deus para sua glória. Quem nos confirma em Cristo __ a nós e a vós __ é Deus. Foi Ele que nos concedeu a unção, nos marcou com o seu sinal e imprimiu em nossos corações o penhor do Espírito.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 118 (119), 129 e 130.131 e 132.133 e 135
(R. 135a)
Refrão: Fazei brilhar sobre mim, Senhor,
a luz do vosso rosto. Repete-se

São admiráveis as vossas ordens,
por isso a minha alma as observa.
A manifestação das vossas palavras ilumina
e dá inteligência aos simples. Refrão

Eu abro a minha boca e aspiro,
porque estou ávido dos vossos mandamentos.
Olhai para mim e tende piedade,
como fazeis aos que amam o vosso nome. Refrão

Firmai os meus passos segundo a vossa promessa
e que nenhuma iniquidade me domine.
Fazei brilhar a vossa face sobre o vosso servo
e dai-me a conhecer os vossos decretos. Refrão


ALELUIA Mt 5, 16
Refrão: Aleluia Repete-se

Brilhe a vossa luz diante dos homens,
para que vejam as vossas boas obras
e glorifiquem o vosso Pai que está nos Céus. Refrão


EVANGELHO Mt 5, 13-16
«Vós sois a luz do mundo»

Depois das Bem-aventuranças, o sermão da montanha continua, em longa exposição, as grandes perspectivas do reino de Deus. Como se entrará nele e nele se viverá? Não só com a fé que se exprime em palavras, mas na que se vive na existência de cada dia: sendo “sal”, que dá gosto, que evita a corrupção, que conserva a frescura; sendo “luz”, que brilha, que ilumina, que é ponto de referência para guiar no caminho, que revela as boas obras, para que os outros, ao observá-las, dêem glória ao Pai do Céu.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Vós sois o sal da terra. Mas se ele perder a força, com que há-de salgar-se? Não serve para nada, senão para ser lançado fora e pisado pelos homens. Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre um monte; nem se acende uma lâmpada para a colocar debaixo do alqueire, mas sobre o candelabro, onde brilha para todos os que estão em casa. Assim deve brilhar a vossa luz diante dos homens, para que, vendo as vossas boas obras, glorifiquem o vosso Pai que está nos Céus».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Olhai com bondade, Senhor,
para os dons que apresentamos ao vosso altar
e fazei que esta oblação Vos seja agradável
e aumente em nós a caridade.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 17, 3
Sois o meu protector e o meu refúgio, Senhor;
sois o meu libertador; meu Deus, em Vós confio.

Ou 1 Jo 4, 16
Deus é amor.
Quem permanece no amor permanece em Deus
e Deus permanece nele.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Nós Vos pedimos, Senhor,
que a acção santificadora deste sacramento
nos liberte das más inclinações
e nos conduza a uma vida santa.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Martirológio

1.   Em Aix-La-Provence, na Provença, região da Gália, na actual França, São Maximino, a quem se atribuem os inícios da fé cristã nesta cidade.

2.   Em Ruão, também na Gália, hoje na França, São Gildardo, bispo.

3.   Em Soissons, também na Gália, hoje na França, São Medardo, bispo de Saint-Quentin, que, depois de ter sido arrasada a sua cidade, transferiu a sede episcopal para Noyon, onde trabalhou com todo o empenho para converter o povo das superstições pagãs à doutrina de Cristo.

4.   Em Fano, no Piceno, hoje nas Marcas, região da Itália, São Fortunato, bispo, que se dedicou diligentemente à redenção dos cativos.

5.   Em Metz, na Austrásia, actualmente na França, São Clodolfo, bispo, filho de Santo Arnolfo e conselheiro do rei.

6.   Em York, na Inglaterra, São Guilherme Fitzherbert, bispo, homem afável e pacífico, que, injustamente deposto da sua sede episcopal, se recolheu entre os monges de Winchester e, restituído à sua sede, perdoou aos inimigos e restabeleceu a paz entre os cidadãos.

7*.   Em Londres, o Beato João Davy, diácono da Cartuxa desta cidade e mártir, que, no reinado de Henrique VIII, por causa da sua fidelidade à Igreja e ao Pontífice Romano, foi duramente torturado no cárcere e aí morreu de fome.

8.   Em Ambiatibes, na ilha de Madagáscar, o São Tiago Berthieu, presbítero da Companhia de Jesus e mártir, que, tanto na paz como na guerra, trabalhou incansavelmente pelo Evangelho e, apesar de ter sido expulso três vezes das missões, preso por homens armados e repetidamente instado sem êxito à apostasia, foi finalmente assassinado em ódio à fé cristã.

9*.   No Porto, cidade de Portugal, a Beata Maria do Divino Coração de Jesus (Maria Droste zu Vischering), virgem, da Congregação das Irmãs da Caridade do Bom Pastor, que promoveu admiravelmente a devoção ao Sagrado Coração de Jesus.

10*.   Em Kuzhikkattussery, no Kérala, estado da Índia, a Beata Maria Teresa Chiramel Mankidiyan, virgem, eminente pela sua vida eremítica e austera penitência, que procurou a Cristo nos mais pobres e nos mais abandonados e fundou a Congregação das Irmãs da Sagrada Família.

11*.   Em Cágliari, na Sardenha, o Beato Nicolau de Gestúri (João Medda), religioso da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos, que, sempre pronto para ajudar os indigentes, com o exemplo da sua virtude e da sua bondade estimulou muitos outros à prática da caridade para com os pobres.