Liturgia diária

Agenda litúrgica

2021-06-07

Segunda-feira da semana X

Verde – Ofício da féria.
Missa à escolha (cf. p. 19, n. 18).

L 1 2 Cor 1, 1-7; Sal 33 (34), 2-3. 4-5. 6-7. 8-9
Ev Mt 5, 1-12

* Na Ordem dos Carmelitas Descalços – B. Ana de S. Bartolomeu, virgem – MF

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 26, 1-2
O Senhor é minha luz e salvação:
a quem temerei?
O Senhor é protector da minha vida:
de quem hei-de ter medo?


ORAÇÃO COLECTA
Deus, fonte de todo o bem,
ensinai-nos com a vossa inspiração a pensar o que é recto
e ajudai-nos com a vossa providência a pô-lo em prática.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos ímpares) 2 Cor 1, 1-7
«Deus nos conforta em todas as tribulações,
para podermos consolar aqueles que estão atribulados»

Começamos hoje a ler a Segunda Epístola aos Coríntios. A comunidade cristã de Corinto tinha sido perturbada por pregadores que desfaziam na pregação de S. Paulo e até nele próprio, por quererem continuar presos aos costumes judaicos, próprios da lei antiga. Paulo defende-se e defende o ministério de que foi incumbido, com humildade mas firmeza, e sempre com os olhos postos em Deus, que dá força na tribulação, para podermos consolar os outros que também sofram.

Início da Seg. Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios
Paulo, Apóstolo de Jesus Cristo, por vontade de Deus, e o irmão Timóteo, à Igreja de Deus que está em Corinto e aos cristãos que vivem em toda a Acaia: A graça e a paz vos sejam dadas da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo. Bendito seja Deus, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, Pai de misericórdia e Deus de toda a consolação. Ele nos conforta em todas as tribulações, para podermos consolar aqueles que estão atribulados, por meio da consolação que nós mesmos recebemos de Deus. Na verdade, assim como abundam em nós os sofrimentos de Cristo, também por Cristo abunda a nossa consolação. Se somos atribulados, é para vossa consolação e salvação. Se somos consolados, é para vossa consolação, a fim de suportardes com fortaleza os mesmos sofrimentos que nós suportamos. A nossa esperança a vosso respeito é firme, porque sabemos que, participando nos sofrimentos, também participareis na consolação.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 33 (34), 2-3.4-5.6-7.8-9 (R. 9a)
Refrão: Saboreai e vede como o Senhor é bom. Repete-se

A toda a hora bendirei o Senhor,
o seu louvor estará sempre na minha boca.
A minha alma gloria-se no Senhor:
escutem e alegrem-se os humildes. Refrão

Enaltecei comigo o Senhor
e exaltemos juntos o seu nome.
Procurei o Senhor e Ele atendeu-me,
libertou-me de toda a ansiedade. Refrão

Voltai-vos para Ele e ficareis radiantes,
o vosso rosto não se cobrirá de vergonha.
Este pobre clamou e o Senhor o ouviu,
salvou-o de todas as angústias. Refrão

O Anjo do Senhor protege os que O temem
e defende-os dos perigos.
Saboreai e vede como o Senhor é bom:
feliz o homem que n’Ele se refugia. Refrão


ALELUIA Mt 5, 12a
Refrão: Aleluia. Repete-se

Exultai e alegrai-vos,
porque é grande nos Céus a vossa recompensa. Refrão


EVANGELHO Mt 5, 1-12
«Bem-aventurados os pobres em espírito»

Começamos também a ler hoje o Evangelho de S. Mateus. Este Evangelho consta de cinco discursos de Jesus, intercalados com partes narrativas. O primeiro discurso, que hoje começamos a ler, é conhecido pelo nome de “Sermão da Montanha”. A sua primeira parte, a que constitui a leitura de hoje, são as Bem-aventuranças. Estas são uma série de nove sentenças, as duas últimas das quais, por serem semelhantes, se poderiam sintetizar numa só, dando assim origem ao número tradicional das Oito Bem-aventuranças. Nelas se resume o espírito de todo o Evangelho. Mais do que um código com muitas leis, o Evangelho é, realmente, um espírito, que dá sentido a toda a vida dos discípulos de Cristo.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, ao ver as multidão, Jesus subiu ao monte e sentou-Se. Rodearam-n’O os discípulos e Ele começou a ensiná-los, dizendo: «Bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o reino dos Céus. Bem-aventurados os humildes, porque possuirão a terra. Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados. Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia. Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus. Bem-aventurados os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus. Bem-aventurados os que sofrem perseguição por amor da justiça, porque deles é o reino dos Céus. Bem-aventurados sereis, quando, por minha causa, vos insultarem, vos perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós. Alegrai-vos e exultai, porque é grande nos Céus a vossa recompensa. Assim perseguiram os profetas que vieram antes de vós».
Palavra da salvação.

ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Olhai com bondade, Senhor,
para os dons que apresentamos ao vosso altar
e fazei que esta oblação Vos seja agradável
e aumente em nós a caridade.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 17, 3
Sois o meu protector e o meu refúgio, Senhor;
sois o meu libertador; meu Deus, em Vós confio.

Ou 1 Jo 4, 16
Deus é amor.
Quem permanece no amor permanece em Deus
e Deus permanece nele.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Nós Vos pedimos, Senhor,
que a acção santificadora deste sacramento
nos liberte das más inclinações
e nos conduza a uma vida santa.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Martirológio

1*.     Na Hibernia, actual Irlanda, São Colmano, bispo e abade do mosteiro de Dromore por ele fundado, que trabalhou admiravelmente pela fé no território de Down.

2.   Em Córdova, na Andaluzia, região da Hispânia, os santos mártires Pedro, presbítero, Valabonso, diácono, Sabiniano, Vistremundo, Habêncio e Jeremias, monges, que por Cristo foram degolados na perseguição dos Mouros.

3.   Em Newminster, na Nortúmbria, região da Inglaterra, São Roberto, abade, da Ordem Cisterciense, que, aspirando intensamente à vida de oração e pobreza, fundou com doze companheiros este cenóbio, do qual irradiou em breve tempo a fundação de três famílias de monges.

4*.   Em Antuérpia, no Brabante, actualmente na Bélgica, a Beata Ana de São Bartolomeu, virgem da Ordem da Carmelitas Descalças, discípula e secretária de Santa Teresa de Jesus e dotada de dons místicos, que divulgou e renovou com fervorosa assistência a Ordem na França.

5.   Em Piacenza, na Emília-Romanha, região da Itália, o passamento de Santo António Maria Gianélli, bispo de Bóbbio, que fundou a Congregação das Filhas de Maria Santíssima do Horto e resplandeceu pelo empenho e luminoso exemplo de dedicação às necessidade dos pobres, à salvação das almas e à promoção da santidade do clero.

6*.   Em Paris, na França, a Beata Maria Teresa de Soubiran La Louvière, virgem, que, para maior glória de Deus, fundou a Sociedade de Maria Auxiliadora, da qual foi expulsa, passando o resto da sua vida em profunda humildade.