Liturgia diária

Agenda litúrgica

2021-06-30

Quarta-feira da semana XIII

Primeiros Santos Mártires da Igreja de Roma – MF
Verde ou verm. – Ofício da féria ou da memória.
Missa à escolha (cf. p. 19, n. 18).

L 1 Gen 21, 5. 8-20; Sal 33 (34), 7-8. 10-11. 12-13
Ev Mt 8, 28-34

* Aniversário da Ordenação episcopal de D. António de Sousa Braga, Bispo Emérito de Angra (1996).
* Na Diocese de Vila Real – Aniversário da entrada solene e tomada de posse de D. António Augusto de Oliveira Azevedo.
* Na Ordem Franciscana (III Ordem) – B. Raimundo Lullo, mártir, da III Ordem – MF
* Na Congregação do Santíssimo Redentor – B. Januário Sarnelli, presbítero – MO
* Nas Congregações e Institutos da Família Paulista – S. Paulo, Apóstolo, Patrono da Família Paulista, Titular da Sociedade São Paulo e das Filhas de São Paulo – SOLENIDADE
* Na Congregação das Irmãs Missionárias do Precioso Sangue e na Congregação dos Missionários do Preciosíssimo Sangue – I Vésp. do Preciosíssimo Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA cf. Salmo 46, 2
Louvai o Senhor, povos de toda a terra,
aclamai a Deus com brados de alegria.


ORAÇÃO COLECTA
Senhor, que pela vossa graça nos tornastes filhos da luz,
não permitais que sejamos envolvidos pelas trevas do erro,
mas permaneçamos sempre no esplendor da verdade.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos ímpares) Gen 21, 5.8-20
«O filho da escrava não seja herdeiro com meu filho Isaac»

O confronto do filho da escrava com o filho da esposa de Abraão faz-nos compreender, como o dá a entender S. Paulo, o amor com que Deus olha para nós, de quem fez filhos seus, por pura misericórdia, não por mérito nosso. Assim, Ele Se revelara já no nascimento de Isaac, e ainda, embora de outra maneira, nas promessas feitas a Ismael.

Leitura do Livro do Génesis
Abraão tinha cem anos quando lhe nasceu seu filho Isaac.
O menino cresceu e foi desmamado. No dia em que Isaac foi desmamado, Abraão deu uma grande festa. Sara notou que o filho dado a Abraão pela egípcia Agar brincava com o seu filho Isaac e disse a Abraão: «Expulsa esta escrava e o seu filho, para que o filho da escrava não seja herdeiro com meu filho Isaac». Isto desagradou muito a Abraão, por causa de Ismael. Mas Deus disse: «Não te aflijas por causa do menino e da tua escrava. Concede a Sara tudo o que ela te pedir, porque de Isaac sairá a descendência que perpetuará o teu nome. Mas do filho da escrava também farei um grande povo, porque é teu descendente». Abraão levantou-se muito cedo, tomou pão e um odre de água e deu-os a Agar. Em seguida pôs-lhe o menino aos ombros e mandou-a embora. Ela saiu e andou errante no deserto de Bersabé. Quando a água do odre se acabou, Agar deitou o menino debaixo dum arbusto e foi sentar-se em frente dele, à distância de um tiro de arco. Dizia consigo: «Não quero ver morrer o menino». Sentou-se a uma certa distância e o menino começou a chorar. Deus ouviu os gritos do menino e o Anjo de Deus chamou Agar do alto dos Céus, dizendo: «Que tens, Agar? Não temas. Deus ouviu os gritos do menino, no lugar onde Ele está. Ergue-te, levanta o menino e segura-o em teus braços, porque Eu farei dele um grande povo». Deus abriu-lhe os olhos e ela viu um poço de água. Foi encher de água o odre e deu de beber ao menino. Deus estava com o menino e ele cresceu, habitou no deserto e tornou-se um atirador de arco.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 33 (34), 7-8.10-11.12-13 (R. 7a)
Refrão: O Senhor ouviu o clamor do pobre. Repete-se

O pobre clamou e o Senhor o ouviu,
salvou-o de todas as angústias.
O Anjo do Senhor protege os que O temem
e defende-os dos perigos. Refrão

Temei o Senhor, vós os seus fiéis,
porque nada falta aos que O temem.
Os poderosos empobrecem e passam fome,
aos que procuram o Senhor não faltará riqueza alguma. Refrão

Vinde, filhos, escutai-me:
vou ensinar-vos o temor do Senhor.
Qual é o homem que ama a vida,
que deseja longos dias de felicidade? Refrão


ALELUIA Tg 1, 18
Refrão: Aleluia Repete-se

Deus Pai nos gerou pela palavra da verdade,
para sermos as primícias das suas criaturas. Refrão


EVANGELHO Mt 8, 28-34
«Vieste aqui atormentar os demónios antes do tempo»

O importante desta passagem é o triunfo de Jesus sobre os demónios. Realizando este exorcismo, ali, em terra pagã, e antes do tempo, antes da hora do juízo final, Jesus antecipa a vitória do seu Mistério Pascal do fim dos tempos, que há-de pôr termo a toda a acção demoníaca sobre os homens remidos com o seu sangue.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo seg. São Mateus
Naquele tempo, quando Jesus chegou à região dos gadarenos, na outra margem do lago, vieram ao seu encontro, saindo dos túmulos, dois endemoninhados. Eram tão furiosos que ninguém se atrevia a passar por aquele caminho. E disseram aos gritos: «Que tens que ver connosco, Filho de Deus? Vieste aqui para nos atormentar antes do tempo?». Ora, perto dali, andava a pastar uma grande vara de porcos. Os demónios suplicavam a Jesus, dizendo: «Se nos expulsas, manda-nos para a vara de porcos». Jesus respondeu-lhes: «Então ide». Eles saíram e foram para os porcos. Então os porcos precipitaram-se pelo despenhadeiro abaixo e afogaram-se no lago. Os guardadores fugiram e foram à cidade contar tudo o que acontecera, incluindo o caso dos endemoninhados. Toda a cidade saiu ao encontro de Jesus. Quando O viram, pediram-Lhe que Se retirasse do seu território.
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Senhor nosso Deus,
que assegurais a eficácia dos vossos sacramentos,
fazei que este serviço divino
seja digno dos mistérios que celebramos.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 102, 1
A minha alma louva o Senhor,
todo o meu ser bendiz o seu nome santo.

Ou cf. Jo 17, 20-21
Pai santo, Eu rogo por aqueles que hão-de acreditar em Mim,
para que sejam em Nós confirmados na unidade
e o mundo acredite que Tu Me enviaste.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Concedei-nos, Senhor,
que o Corpo e o Sangue do vosso Filho,
oferecidos em sacrifício e recebidos em comunhão,
nos dêem a verdadeira vida,
para que, unidos convosco em amor eterno,
dêmos frutos que permaneçam para sempre.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Santo

OS PRIMEIROS SANTOS MÁRTIRES DA IGREJA DE ROMA

 

 

Martirológio

Os santos protomártires da Santa Igreja Romana, que, acusados de provocar o incêndio da Urbe, por ordem do imperador Nero foram cruelmente mortos com vários suplícios: uns foram expostos aos cães cobertos com peles de animais e por eles devorados; outros crucificados e outros lançados ao fogo, para que, ao declinar o dia, servissem de lâmpadas nocturnas. Todos eles eram discípulos dos Apóstolos e primícias dos mártires que a Igreja Romana ofereceu ao Senhor.

 

2.   Em Alexandria, no Egipto, São Basílides, que, no tempo do imperador Septímio Severo, tendo procurado proteger dos insultos de homens impudicos a virgem Santa Potamiena que ele conduzia ao suplício, recebeu dela a recompensa deste piedoso ofício: graças às suas preces, converteu-se a Cristo e, após um breve combate, também ele foi mártir glorioso.

3.   Em Limoges, na Aquitânia, território da actual França, São Marcial, bispo.

4*.   Em Le Mans, na Nêustria, hoje na França, São Bertrano ou Berticrano, bispo, pastor pacífico e dedicado aos pobres e aos monges.

5*.   Em Salzburgo, na Baviera, actualmente na Áustria, Santa Erentrudes, primeira abadessa do mosteiro de Nonnberg e sobrinha de São Ruperto, a quem ajudou na evangelização com obras e orações.

6.   Em Salanigo, perto de Vicenza, na Itália, São Teobaldo, presbítero e eremita, que, nascido dos condes de Champagne, nobres da França, juntamente com seu amigo Gualter, por amor de Cristo renunciou às honras e riquezas e preferiu as peregrinações, a pobreza e a solidão.

7.   Em Nyitra, junto ao rio Vag, nos montes Cárpatos, na actual Eslováquia, o passamento de São Ladislau, rei da Hungria, que restabeleceu no seu reino as leis cristãs introduzidas por Santo Estêvão, reformando os costumes e dando ele próprio exemplo de grande virtude. Na Croácia, unida ao reino húngaro, trabalhou intensamente para a propagação da fé cristã e estabeleceu a sede episcopal de Zagreb. Morreu quando se preparava para a guerra com os Boémios e o seu corpo foi depois sepultado em Oradea, na Transilvânia, região da actual Roménia.

8.   Em Bamberg, na Francónia, na hodierna Alemanha, Santo Otão, bispo, que evangelizou com grande zelo os Pomeranos.

9*.   Em Osnabrück, na Saxónia, também na actual Alemanha, Santo Adolfo, bispo, que acolheu no mosteiro de Altencamp a observância cisterciense.

10*.   Em Londres, na Inglaterra, o Beato Filipe Powell, presbítero da Ordem de São Bento e mártir, natural do País de Gales, que, no reinado de Carlos I, capturado num barco que se dirigia para a Inglaterra, por ser sacerdote foi conduzido ao patíbulo de Tyburn.

11*.   Em Nápoles, na Campânia, região da Itália, o Beato Januário Maria Sarnélli, presbítero da Congregação do Santíssimo Redentor, que se dedicou ardorosamente à assistência de todo o género de necessitados.

12.   Em Hai Duong, cidade do Tonquim, hoje no Vietnam, São Vicente Do Yen, presbítero da Ordem dos Pregadores e mártir, que, no tempo do imperador Minh Mang, morreu degolado em ódio à fé cristã.

13.   No território de Chendun, junto de Jiaohe, no Hebei, província da China, os santos Raimundo Li Quanzhen e Pedro Li Quanhui, mártires, que, sendo irmãos, durante a perseguição movida pelos sequazes da seita «Yihetuan» deram glorioso testemunho de Cristo: um deles, conduzido ao templo dos gentios, recusou prestar culto aos falsos deuses e morreu flagelado; o outro foi assassinado com semelhante crueldade.

14*.   Em L’viv, na Ucrânia, a comemoração do Beato Zenão Kovalyk, presbítero da Congregação do Santíssimo Redentor e mártir, que, no tempo dum regime hostil a Deus, em dia incerto deste mês mereceu receber a coroa de glória.

15*.   Em Winnipeg, na província de Minitoba, no Canadá, o Beato Basílio Velyckovskyj, bispo da Igreja greco-católica da Ucrânia, que, por exercer clandestinamente o ministério entre os cristãos católicos do Rito Bizantino, foi cruelmente atormentado na sua pátria pelos perseguidores da fé e, associado ao sacrifício de Cristo, morreu no exílio.