Liturgia diária

Agenda litúrgica

2021-10-20

Quarta-feira da semana XXIX

Verde – Ofício da féria.
Missa à escolha (cf. p. 19, n. 18).

L 1 Rom 6, 12-18; Sal 123 (124), 1-3. 4-6. 7-8
Ev Lc 12, 39-48

* Na Ordem Agostiniana – S. Madalena de Nagasaki, virgem e mártir – MO
* Na Ordem Franciscana (III Ordem) – B. Contardo Ferrini, da III Ordem – MF
* Na Congregação dos Sagrados Corações – S. Caprásio, mártir – MF
* Na Congregação de Nossa Senhora da Caridade do Bom Pastor – Ofício e Missa votivos do Sagrado Coração de Jesus.
* Na Congregação dos Missionários do Preciosíssimo Sangue – I Vésp. de S. Gaspar del Búfalo.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 16, 6.8.9
Respondei-me, Senhor, quando Vos invoco,
ouvi a minha voz, escutai as minhas palavras.
Guardai-me dos meus inimigos, Senhor.
Protegei-me à sombra das vossas asas.


ORAÇÃO COLECTA
Deus eterno e omnipotente,
dai-nos a graça de consagrarmos sempre ao vosso serviço
a dedicação da nossa vontade
e a sinceridade do nosso coração.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos ímpares) Rom 6, 12-18
«Oferecei-vos a Deus, como homens que revivem
de entre os mortos»

Se somos homens livres, libertados por Jesus Cristo da escravidão do pecado, havemos de viver agora como em sacrifício de acção de graças a Deus, e não retornar ao pecado. Liberto da Lei de Moisés, o cristão não vive sem lei. Mas a sua lei é a que vem do facto de ele, pelo baptismo, ter morrido e ressuscitado com Cristo; é essa situação nova que constitui para ele a suprema lei da liberdade e da fidelidade a Deus.

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos
Irmãos: Não reine o pecado no vosso corpo mortal, obedecendo aos seus desejos. Não ofereçais os vossos membros como arma da injustiça ao serviço do pecado; mas oferecei-vos a Deus, como homens que revivem de entre os mortos, e oferecei os vossos membros como armas da justiça ao serviço de Deus. E o pecado não vos dominará, porque não estais sob o regime da Lei, mas sob o regime da graça. Como, então? Havemos de pecar, porque não estamos sob o regime da Lei, mas sob o regime da graça? De modo nenhum. Não sabeis que, se vos ofereceis como escravos a alguém, para lhe obedecerdes, vos tornais escravos daquele a quem obedeceis, quer seja do pecado, que leva à morte, quer da obediência, que vos leva à justiça? Mas dêmos graças a Deus, porque, se éreis escravos do pecado, agora vos submetestes de todo o coração à norma de doutrina que vos foi transmitida. E assim, libertos do pecado, vos tornastes servos da justiça.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 123 (124), 1-3.4-6.7-8 (R. 8a)
Refrão: A nossa protecção está no nome do Senhor. Repete-se

Se o Senhor não estivesse connosco,
que o diga Israel,
se o Senhor não estivesse connosco,
os homens que se levantaram contra nós
ter-nos-iam devorado vivos,
no furor da sua ira. Refrão

As águas ter-nos-iam afogado,
a torrente teria passado sobre nós;
sobre nós teriam passado
as águas impetuosas.
Bendito seja o Senhor,
que não nos abandonou como presa dos seus dentes. Refrão

A nossa vida escapou como pássaro
do laço dos caçadores:
quebrou-se a armadilha
e nós ficámos livres.
A nossa protecção está no nome do Senhor,
que fez o céu e a terra. Refrão


ALELUIA Mt 24, 42a.44
Refrão: Aleluia. Repete-se
Vigiai e estai preparados,
porque na hora em que não pensais
virá o Filho do homem. Refrão


EVANGELHO Lc 12, 39-48
«A quem muito foi dado, muito será exigido»

Continuam hoje as palavras de Jesus sobre a vigilância, sobretudo a dos responsáveis. A vigilância é atitude que toca a todos; mas sobretudo aos pastores do povo de Deus. Para eles, a vigilância consistirá em apascentar o rebanho, fazendo chegar a cada um o dom que Deus lhes colocou nas mãos para fielmente o distribuírem. Vigilância e fidelidade vêm juntos.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Compreendei isto: se o dono da casa soubesse a que hora viria o ladrão, não o deixaria arrombar a sua casa. Estai vós também preparados, porque na hora em que não pensais virá o Filho do homem». Disse Pedro a Jesus: «Senhor, é para nós que dizes esta parábola, ou também para todos os outros?». O Senhor respondeu: «Quem é o administrador fiel e prudente que o senhor estabelecerá à frente da sua casa, para dar devidamente a cada um a sua ração de trigo? Feliz o servo a quem o senhor, ao chegar, encontrar assim ocupado. Em verdade vos digo que o porá à frente de todos os seus bens. Mas se aquele servo disser consigo mesmo: ‘O meu senhor tarda em vir’; e começar a bater em servos e servas, a comer, a beber e a embriagar-se, o senhor daquele servo chegará no dia em que menos espera e a horas que ele não sabe; ele o expulsará e fará que tenha a sorte dos infiéis. O servo que, conhecendo a vontade do seu senhor, não se preparou ou não cumpriu a sua vontade, levará muitas vergastadas. Aquele, porém, que, sem a conhecer, tenha feito acções que mereçam vergastadas, levará apenas algumas. A quem muito foi dado, muito será exigido; a quem muito foi confiado, mais se lhe pedirá».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Fazei, Senhor,
que possamos servir ao vosso altar
com plena liberdade de espírito,
para que estes mistérios que celebramos
nos purifiquem de todo o pecado.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 32, 18-19
O Senhor vela sobre os seus fiéis,
sobre aqueles que esperam na sua bondade,
para libertar da morte as suas almas,
para os alimentar no tempo da fome.

Ou Mc 10, 45
O Filho do homem veio ao mundo para dar a vida pela redenção dos homens.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Concedei, Senhor, que a participação nos mistérios celestes
nos faça progredir na santidade, nos obtenha as graças temporais
e nos confirme nos bens eternos.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Martirológio

1.   Comemoração de São Cornélio, centurião, que, em Cesareia da Palestina, foi baptizado por São Pedro, como primícias da Igreja dos gentios.

2.   Em Agen, na Aquitânia, actualmente na França, São Caprásio, mártir.

3.       Em Aussonce, no território de Reims, na Nêustria, também na actual França, São Sindolfo, eremita, que seguiu a vida solitária, somente conhecido por Deus.

4*.     Em Salzburgo, na Baviera, hoje na Áustria, São Vital, bispo, que, originário da Irlanda, foi discípulo de São Ruperto, companheiro nas suas viagens e imitador dos seus trabalhos e vigílias; escolhido por ele como seu sucessor, converteu à fé de Cristo a população de Pinsgau.

5.       Em Constantinopla, hoje Istambul, na Turquia, Santo André chamado «in Crisi» ouCalabita”, monge e mártir, o qual, nascido na ilha de Creta, por defender o culto das santas imagens, no tempo do imperador Constantino Coprónimo foi repetidamente flagelado e torturado até à morte e finalmente precipitado do alto da muralha da cidade.

6*.     Em Troyes, junto ao rio Sena, na França, Santo Aderaldo, arcediago, que ilustrou a Regra canonical com as suas palavras e o seu exemplo, mesmo quando era prisioneiro dos Sarracenos na Terra Santa.

7*.     Em Savigny, na Normandia, também na França, Santa Adelina, primeira abadessa do mosteiro de Mortain, que fundou com a ajuda de seu irmão São Vital.

8*.     Em L’viv, na Ruténia, na actual Ucrânia, o Beato Tiago Strepa, bispo de Halic, da Ordem dos Menores, ilustre pela sua solicitude pastoral e virtudes apostólicas.

9.       Em Treviso, na Itália, Santa Maria Bertila (Ana Francisca Boscardin), virgem da Congregação das Irmãs de Santa Doroteia dos Sagrados Corações, que num hospital velou solicitamente pela saúde corporal e espiritual dos enfermos.

10*.   Em Viena, na Áustria, o Beato Tiago Kern (Francisco Alexandre Kern), presbítero da Ordem Premonstratense, que, ainda aluno seminarista, mobilizado durante a primeira guerra mundial, foi ferido em combate; depois entregou-se com grande solicitude ao ministério pastoral, que exerceu por breve tempo; efectivamente, afectado por uma longa e penosa enfermidade, suportou-a com grande fortaleza de ânimo, aceitando serenamente a vontade de Deus.