Liturgia diária

Agenda litúrgica

2020-09-28

SEGUNDA-FEIRA da semana XXVI

S. Venceslau, mártir – MF
SS. Lourenço Ruiz e Companheiros, mártires – MF
Verde ou verm. – Ofício da féria ou da memória.
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 Job 1, 6-22; Sal 16 (17), 1. 2-3. 6-7
Ev Lc 9, 46-50

* Na Ordem Agostiniana – BB. Pedro de Zúñiga, presbítero, e Companheiros, mártires do Japão – MO
* Na Ordem dos Franciscanos Capuchinhos – B. Inocêncio de Berzo, presbítero, da I Ordem – MF
* Na Ordem de São Domingos – Ss. Domingos Ibáñez de Erquicia, presbítero e Lourenço Ruiz, leigo, e Companheiros, mártires do Japão – MO
* Na Diocese de Portalegre-Castelo Branco – I Vésp. de S. Miguel.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Dan 3, 31.29.30.43.42
Vós sois justo, Senhor, em tudo o que fizestes.
Pecámos contra Vós, não observámos os vossos mandamentos.
Mas para glória do vosso nome,
mostrai-nos a vossa infinita misericórdia.


ORAÇÃO COLECTA
Senhor, que dais a maior prova do vosso poder
quando perdoais e Vos compadeceis,
infundi sobre nós a vossa graça,
para que, correndo prontamente para os bens prometidos,
nos tornemos um dia participantes da felicidade celeste.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos pares) Job 1, 6-22
«O Senhor deu, o Senhor tirou: bendito seja o nome do Senhor»

O livro de Job é uma composição literária maravilhosa, em que, numa personagem chamada Job, é meditado o drama do sofrimento humano, as interrogações que ele levanta, a reacção que ele faz nascer no coração do homem temente a Deus, a quem o Senhor responde sempre com a graça da salvação. Ao poder de Satanás, instigador do mal, Deus responde finalmente com o seu poder, que é capaz de renovar a vida depois de perdida. A história de Job é anúncio antecipado do Mistério Pascal de Jesus.

Leitura do Livro de Job
Um dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se diante do Senhor, Satanás apareceu também no meio deles. O Senhor disse-lhe: «De onde vens?». Satanás respondeu: «Venho de percorrer a terra, de rondar por toda ela». O Senhor disse-lhe: «Reparaste no meu servo Job? Não há ninguém como ele na terra: é um homem íntegro e recto, que teme a Deus e se afasta do mal». Satanás respondeu ao Senhor: «Porventura teme Job a Deus de maneira desinteressada? Não o cercastes Vós com um muro protector, a ele, à sua casa e a todos seus bens? Abençoastes o trabalho das suas mãos e os seus rebanhos cobrem toda a região. Mas estendei a mão e tocai nos seus bens e vereis que Vos amaldiçoa frente a frente». Disse então o Senhor a Satanás: «Pois bem, tudo o que lhe pertence fica sob o teu poder, mas não estenderás a mão sobre ele». E Satanás saiu da presença do Senhor. Ora um dia em que os filhos e as filhas de Job comiam e bebiam vinho em casa do irmão mais velho, um mensageiro veio dizer a Job: «Estavam os teus bois a lavrar e as jumentas a pastar junto deles, quando os sabeus arremeteram contra eles e os levaram e passaram os teus servos ao fio da espada. Só eu escapei, para te vir dar a notícia». Ainda ele estava a falar, quando outro veio dizer: «Caiu do céu o fogo de Deus e queimou e reduziu a cinzas as ovelhas e os teus servos. Só eu escapei, para te vir dar a notícia». Ainda ele falava, quando chegou outro e lhe disse: «Os caldeus, divididos em três grupos, lançaram-se sobre os teus camelos e levaram-nos e passaram os teus servos ao fio da espada. Só eu escapei, para te vir dar a notícia». Ainda ele falava, quando outro entrou e lhe disse: «Os teus filhos e as tuas filhas estavam a comer e a beber vinho em casa do irmão mais velho, quando um vento impetuoso veio do lado do deserto e abalou os quatro cantos da casa. A casa desabou sobre os jovens e morreram todos. Só eu escapei, para te vir dar a notícia». Então Job levantou-se, rasgou o manto e rapou a cabeça. Depois prostrou-se por terra e disse: «Saí nu do ventre de minha mãe e nu para ele voltarei. O Senhor deu, o Senhor tirou: bendito seja o nome do Senhor». Em tudo isto, Job não cometeu pecado, nem disse contra Deus nenhuma blasfémia.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 16 (17), 1.2-3.6-7 (R. cf. 6b)
Refrão: Escutai, Senhor, e atendei a minha súplica. Repete-se

Ouvi, Senhor, uma causa justa,
atendei a minha súplica.
Escutai a minha oração,
feita com sinceridade. Refrão

Sede Vós a fazer o meu julgamento,
pois vossos olhos vêem o que é recto.
Se perscrutais o meu coração e o provais com o fogo,
não encontrareis em mim iniquidade. Refrão

Eu Vos invoco, meu Deus, respondei-me,
ouvi-me e escutai as minhas palavras.
Mostrai a vossa admirável misericórdia,
Vós que salvais quem se acolhe à vossa direita. Refrão


ALELUIA Mc 10, 45
Refrão: Aleluia Repete-se
O Filho do homem veio para servir
e dar a vida pela redenção dos homens. Refrão


EVANGELHO Lc 9, 46-50
«Quem for o mais pequeno entre vós, esse será o maior»

Com o exemplo da criança ensina Jesus aos seus discípulos o sentido da humildade, bem necessário para eles poderem compreender a hora da Paixão, em que Jesus dará a vida por todos os homens, e não apenas por eles, até então ainda muito fechados sobre si próprios e pouco acolhedores para com os outros.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, houve uma discussão entre os discípulos sobre qual deles seria o maior. Mas Jesus, que lhes conhecia os sentimentos íntimos, tomou uma criança, colocou-a junto de Si e disse-lhes: «Quem acolher em meu nome uma criança como esta acolhe-Me a Mim; e quem Me acolher acolhe Aquele que Me enviou. Na verdade, quem for o mais pequeno entre vós esse é que será o maior». João tomou a palavra e disse: «Mestre, vimos um homem expulsar os demónios em teu nome e quisemos impedi-lo, porque ele não anda connosco». Mas Jesus respondeu-lhe: «Não lho proibais, pois quem não é contra vós é por vós».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Deus de misericórdia infinita, aceitai esta nossa oblação
e fazei que por ela se abra para nós
a fonte de todas as bênçãos.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO cf. Salmo 118, 9-5
Senhor, lembrai-Vos da palavra que destes ao vosso servo.
A consolação da minha amargura
é a esperança na vossa promessa.

Ou 1 Jo 3, 16
Nisto conhecemos o amor de Deus: Ele deu a vida por nós;
também nós devemos dar a vida pelos nossos irmãos.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Fazei, Senhor, que este sacramento celeste
renove a nossa alma e o nosso corpo,
para que, unidos a Cristo neste memorial da sua morte,
possamos tomar parte na sua herança gloriosa.
Ele que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Santo

S. VENCESLAU, mártir

 

SS. LOURENÇO RUIZ e Companheiros,mártires

 

 

Martirológio

São Venceslau, mártir, duque da Boémia, que, educado pela sua avó Santa Ludmila na sabedoria humana e divina, foi rigoroso consigo, mas pacífico na administração do reino e misericordioso para com os pobres; redimiu um grupo inumerável de escravos pagãos que estavam à venda em Praga, para que fossem baptizados; e depois de enfrentar muitas dificuldades em governar os seus súbditos e formá-los na fé, foi atraiçoado por seu irmão Boleslau e assassinado por alguns sicários na igreja de Stara Boleslav, na Boémia, na actual Chéquia.

 

Santos Lourenço Ruiz (de Manila) e quinze companheiros[1], mártires – presbíteros, religiosos e leigos – que, depois de terem espalhado a semente da fé cristã nas Filipinas, na Formosa e no Japão, por decreto do supremo chefe Tokugawa Yemitsu, em dias diversos consumaram em Nagasáki o seu martírio por amor a Cristo, mas são celebrados na mesma comemoração.

 


[1]  São estes os seus nomes: Domingos Ibáñez de Erquicia, Tiago Kyuhei Gorobioye Tomonaga, António González, Miguel de Aozaraza, Guilherme Courtet, Vicente Shiwozuka, Lucas Alfonso Gorda, Jordão (Jacinto) Ansalone y Tomás Hioji Rokuzayemon Nishi, presbíteros da Ordem dos Pregadores; Francisco Shoyemon, Miguel Kurobioye e Mateus Kohioye, religiosos da mesma Ordem; Madalena de Nagasáki, virgem da Ordem Terceira de Santo Agostinho; Marina de Omura, virgem da Ordem Terceira dos Pregadores; Lázaro de Kyoto, leigo.

 

3.   Em Calidone, na Pisídia, na hodierna Turquia, os santos Alfeu, Alexandre e Zósimo, mártires.

4.   Na laura de Souka, perto de Belém, na Palestina, São Caritão, abade, assíduo na oração e nos jejuns e fundador de muitas lauras no deserto da Judeia.

5.   Em Bolonha, na Emília-Romanha, actual região da Itália, São Zama, considerado o primeiro bispo desta cidade.

6.   Em Toulouse, na Aquitânia, actualmente na França, Santo Exupério, bispo, que dedicou uma basílica em honra de São Saturnino, defendeu acerrimamente a sua cidade ante a invasão dos bárbaros e, como refere São Jerónimo, foi tão rigoroso consigo mesmo como benevolente para com os outros.

7.   Em Belém da Judeia, a comemoração de Santa Eustóquio, virgem, que, com sua mãe Santa Paula, partiu de Roma para ir viver junto do presépio do Senhor e não ficar privada dos conselhos do seu mestre São Jerónimo, e ali, enriquecida com insignes méritos, foi ao encontro do Senhor.

8.   Em Genebra, no território dos Helvécios, na actual Suíça, São Salónio, bispo, que tinha sido monge na ilha de Lérins e, durante o seu episcopado, confirmou a doutrina de São Leão Magno e explicou em sentido místico a Sagrada Escritura.

9.   Em Riez, na Provença, região da Gália, na actual França, São Fausto, bispo, anteriormente abade do mosteiro de Lérins, que foi mandado para o exílio pelo rei Eurico, por ter escrito, contra o arianismo, sobre o Verbo Encarnado e o Espírito Santo consubstancial ao Pai e eterno com o Filho.

10*.   Em Lião, na Gália, também na actual França, Santo Anemundo, bispo e mártir.

11*.   Em Salzburgo, na Baviera, na hodierna Áustria, os santos Cunialdo e Gisilário, presbíteros, colaboradores do bispo São Ruperto.

12.   Perto de Mogúncia, na Renânia da Austrásia, actualmente na Alemanha, Santa Léoba, virgem, que, chamada da Inglaterra para a Germânia por São Bonifácio, seu parente, foi nomeada abadessa do mosteiro de Tauberbischoffsheim, onde conduziu as servas de Deus pelo caminho da perfeição com a palavra e o exemplo.

13*.   Em Pavia, na Lombardia, região da Itália, o Beato Bernardino de Feltre (Martinho Tomitano), presbítero da Ordem dos Menores, que obteve em toda a parte bons frutos no ministério da sua pregação, combateu a usura fundando o chamado Monte de Piedade e, como homem de paz, foi chamado pelo papa Sixto IV para conciliar discórdias civis. 

14.   Em Madrid, na Espanha, São Simão de Rojas, presbítero da Ordem da Santíssima Trindade para a Redenção dos Cativos, que, adjudicado à corte da rainha da Espanha, nunca aceitou cargo nem retribuição, mas entre os fastos régios sempre permaneceu humilde, pobre, misericordioso para com os necessitados e fervorosamente devoto para com Deus.

15*.   Em Nagasáki, no Japão, os beatos João Shozaburo, catequista, Mâncio Ichizayemon, Miguel Taiemon Kinoshi, Lourenço Hachizo, Pedro Terai Kuhioye e Tomás Terai Kahioye, mártires, degolados por causa da sua fé em Cristo.

16*.   Em San Feliú de Codines, localidade da Catalunha, na Espanha, o Beato Francisco Xavier Ponsa Casallarch, religioso da Ordem de São João de Deus e mártir, que, na cruel perseguição religiosa, alcançou a palma do martírio por Cristo e pela Igreja.

17*.   Em Benillup, povoação da província de Alicante, também na Espanha, a Beata Amália Abad Casasempere, mártir, mãe de família, que, em tempo de perseguição contra a fé cristã, recebeu a coroa de glória por dar testemunho de Cristo.

18*.   Em Valência, também na Espanha, o Beato José Tarrats Comaposada, religioso da Companhia de Jesus e mártir, que, durante a mesma perseguição religiosa, foi ao encontro de Cristo na glória celeste.

19♦.   Em Moiá, perto de Barcelona, também na Espanha, os beatos mártires Joaquim de São José (José Casas Juliá), religioso da Ordem dos Carmelitas Descalços, e José Casas Rós, seminarista de Barcelona, que na mesma perseguição e no mesmo dia, receberam a coroa de glória.

20*.   Em Karadzar, cidade próxima de Karaganda, no Cazaquistão, o Beato Nicetas Budka, bispo, o primeiro a exercer o ministério episcopal no Canadá entre os fiéis católicos do Rito Bizantino, o qual, depois de ter regressado à sua pátria, na Ucrânia, em tempo de um regime hostil a Deus, foi deportado para um campo de concentração, onde suportou por amor de Cristo todas as adversidades e perseverou firmemente na fé até à morte.