Liturgia diária

Agenda litúrgica

2020-09-24

QUINTA-FEIRA da semana XXV

Verde – Ofício da féria.
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 Co 1, 2-11; Sal 89 (90), 3-4. 5-6. 12-13. 14 e 17
Ev Lc 9, 7-9

* Na Diocese de Viseu – B. Rita Amada de Jesus, religiosa – MO
* Na Congregação da Paixão de Jesus Cristo – S. Vicente Maria Strambi, bispo – MO
* Na Congregação das Servas da Santa Igreja – Aniversário da fundação da Congregação (1945).
* No Instituto Jesus Maria José – B. Rita Amada de Jesus, religiosa, Fundadora do Instituto – FESTA; aniversário da fundação (1880).

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA
Eu sou a salvação do meu povo, diz o Senhor.
Quando chamar por Mim nas suas tribulações,
Eu o atenderei e serei o seu Deus para sempre.


ORAÇÃO COLECTA
Senhor, que fizestes consistir a plenitude da lei
no vosso amor e no amor do próximo,
dai-nos a graça de cumprirmos este duplo mandamento,
para alcançarmos a vida eterna.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos pares) Co 1, 2-11
«Nada de novo debaixo do sol»

Coeleth ou Eclesiastes é outro livro de sabedoria. O seu tom pode parecer um tanto estranho, porque o seu autor coloca-nos diante do sofrimento desta vida com certo pessimismo. É atitude bastante natural para o homem do Antigo Testamento, que ainda não tinha conhecido a revelação de Nosso Senhor Jesus Cristo. No entanto, Coeleth coloca-se sempre nas mãos de Deus.

Leitura do Livro de Coelet
Vaidade das vaidades – diz Coelet – vaidade das vaidades, tudo é vaidade. Que aproveita ao homem todo o esforço com que trabalha debaixo do sol? Passa uma geração, vem outra geração e a terra permanece sempre. Nasce o sol e põe-se o sol; depressa volta ao ponto de partida, donde volta a nascer. O vento sopra do sul, depois sopra do norte; num vaivém constante, retoma os seus caminhos. Todos os rios vão ter ao mar e o mar nunca se enche; e embora cheguem ao ao seu termo, jamais deixam de correr. Todas as coisas se afadigam, mais de quanto se pode explicar; o olhar não se farta de ver, nem o ouvido se cansa de ouvir. O que foi será outra vez e o que se deu voltará a acontecer: nada de novo debaixo do sol. Se de alguma coisa se disser: «Vede que isto é novidade», o certo é que já foi assim nos tempos que nos precederam. Mas nenhuma memória ficou dos tempos antigos, nem haverá lembrança dos acontecimentos futuros entre aqueles que vierem depois.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 89 (90), 3-4.5-6.12-13.14 e 17 (R. 1)
Refrão: Senhor, tendes sido o nosso refúgio
através das gerações. Repete-se

Vós reduzis o homem ao pó da terra
e dizeis: «Voltai, filhos de Adão».
Mil anos a vossos olhos
são como o dia de ontem que passou
e como uma vigília da noite. Refrão

Vós os arrebatais como um sonho,
como a erva que de manhã reverdece;
de manhã floresce e viceja,
de tarde ela murcha e seca. Refrão

Ensinai-nos a contar os nossos dias,
para chegarmos à sabedoria do coração.
Voltai, Senhor! Até quando...
Tende piedade dos vossos servos. Refrão

Saciai-nos desde a manhã com a vossa bondade,
para nos alegrarmos e exultarmos todos os dias.
Desça sobre nós a graça do Senhor, nosso Deus.
Confirmai, Senhor, a obra das nossas mãos. Refrão


ALELUIA Jo 14, 6
Refrão: Aleluia. Repete-se
Eu sou o caminho, a verdade e a vida, diz o Senhor;
ninguém vai ao Pai senão por Mim. Refrão


EVANGELHO Lc 9, 7-9
«A João mandei-o eu decapitar.
Mas quem é este homem, de quem oiço tais coisas?»

A visão, puramente humana, que Herodes tinha de Jesus, não lhe permitia atinar com a explicação justa para a pessoa do Senhor. Chega a pensar no regresso à vida de algum dos antigos profetas, ou até de João Baptista, que ele próprio mandara matar. E Jesus fica sendo a grande interrogação: “Quem é este homem?” Só a luz da fé poderá responder.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, o tetrarca Herodes ouviu dizer tudo o que Jesus fazia e andava perplexo, porque alguns diziam: «É João Baptista que ressuscitou dos mortos». Outros diziam: «E Elias que reapareceu». E outros diziam ainda: «É um dos antigos profetas que ressuscitou». Mas Herodes disse: «A João mandei-o eu decapitar. Mas quem é este homem, de quem oiço dizer tais coisas?». E procurava ver Jesus.
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai benignamente, Senhor, os dons da vossa Igreja,
para que receba nestes santos mistérios
os bens em que pela fé acredita.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 118, 4-5
Promulgastes, Senhor,
os vossos preceitos para se cumprirem fielmente.
Fazei que os meus passos sejam firmes
na observância dos vossos mandamentos.

Ou Jo 10, 14
Eu sou o Bom Pastor, diz o Senhor;
conheço as minhas ovelhas
e as minhas ovelhas conhecem-Me.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Sustentai, Senhor, com o auxílio da vossa graça
aqueles que alimentais nos sagrados mistérios,
para que os frutos de salvação
que recebemos neste sacramento
se manifestem em toda a nossa vida.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Martirológio

1.   Em Milão, na Transpadana, hoje na Lombardia, região da Itália, Santo Anatólio, que é considerado o primeiro bispo desta cidade.

2.   Em Sedelaucum, hoje Seaulieu, no território de Autun, na França, os santos Andóquio, Tirso e Félix, mártires.

3.   Em Arvena, na Aquitânia, hoje Clermont-Ferrand, também na França, São Rústico, bispo, que, sendo presbítero nesta cidade, assumiu, com grande alegria da cidade, a honra do episcopado.

4.   Em Lião, na Gália, hoje também na França, São Lopo, bispo, que antes tinha vivido como anacoreta.

5*.   Em Marselha, na Provença, também na França, Santo Isarno, abade, homem austero para consigo, mas benevolente e pacífico para com os outros, que renovou a vida regular no mosteiro de São Vítor.

6.   Na Panónia, em território da actual Hungria, São Gerardo Sagredo, bispo de Csanad e mártir, que foi preceptor de Santo Emerico, príncipe adolescente, filho do rei Santo Estêvão, e morreu apedrejado junto ao rio Danúbio numa sedição de húngaros pagãos.

7*.   Em Gerona, na Catalunha, região da Espanha, o Beato Dalmácio Moner, presbítero da Ordem dos Pregadores, insigne pelo seu amor à solidão e ao silêncio.

8*.   Em York, na Inglaterra, os beatos mártires Guilherme Spenser, presbítero, e Roberto Hardesty, condenados à pena capital e enforcados no reinado de Isabel I, o primeiro por ser sacerdote, o segundo por lhe ter dado hospitalidade.

9.   Em Nagasáki, no Japão, Santo António González, presbítero da Ordem dos Pregadores, que, enviado para o Japão com outros cinco companheiros e encarcerado pouco tempo depois, foi submetido duas vezes ao suplício da água, até que, consumido pela febre, precedeu os seus companheiros na morte, no tempo do chefe supremo Tokugawa Yemitsu.

10.     Em San Severino, nas Marcas, região da Itália, São Pacífico, presbítero da Ordem dos Frades Menores, insigne pela suas penitências, amor à solidão e oração ante o Santíssimo Sacramento.

11*.   Em Maribor, na Eslovénia, o Beato António Martinho Slomsek, bispo, que se dedicou com todas as suas energias ao cuidado da vida cristã das famílias, à formação do clero e à defesa da unidade da Igreja.

12*.   Em Roma, a Beata Colomba Gabriel (Joana Matilde Gabriel), abadessa do mosteiro de L’viv, na Ucrânia, que, injustamente caluniada, se dirigiu para Roma, onde viveu pobre e alegre e fundou a Congregação das Irmãs Beneditinas da Caridade, além da obra social chamada Casa da Família, em favor das jovens operárias pobres ou afastadas da família.

13*.   Em Ablat de la Ribera, povoação da província de Valência, na Espanha, o Beato José Raimundo Pascoal Ferrer Botella, presbítero e mártir, que padeceu o martírio durante a perseguição contra a fé cristã.

14*.   Em Rotglà y Corbera, também na província de Valência, o Beato José Maria Ferrándiz Hernández, presbítero e mártir, que na mesma perseguição religiosa terminou vitoriosamente o combate da fé.

15*.   Em Olleria, na mesma província de Valência, a Beata Encarnação Gil Valls, virgem e mártir, que, levando a lâmpada acesa, foi ao encontro de Cristo Esposo.

16*.   Em Alcira, também na província de Valência, o Beato José Raimundo Ferragut Girbés, mártir, pai de família que morreu como vítima por Cristo na mesma perseguição contra a fé cristã.

17♦.   Em Barcelona, também na Espanha, o Beato Afonso do Sagrado Coração de Maria (Afonso Arimány Ferrer), presbítero da Ordem dos Carmelitas Descalços e mártir, que, durante a perseguição contra a Igreja, foi assassinado  em ódio ao sacerdócio.

18♦.   Em Málaga, também na Espanha, os beatos Manuel Gómez Contioso, presbítero, e companheiros[1] mártires, que, durante a mesma perseguição, foram assassinados em ódio à fé cristã.

 


[1]  São estes os seus nomes: Estêvão Garcia Garcia e Rafael Rodríguez Mesa, religiosos da Sociedade Salesiana.

 

19♦.   Em Cuenca, também na Espanha, os beatos Melchior do Espírito Santo (Melchior Rodríguez Villastrigo), presbítero da Ordem da Santíssima Trindade e companheiros[2] mártires, que consumou egregiamente o seu combate por Cristo.

 


[2]  São estes os seus nomes: Luís de São Miguel dos Santos (Luís de Erdoíza y Zamalloa), Tiago de Jesus (Tiago Arriaga y Arríen), presbíteros, e João de Nossa Senhora do Castellar (João Francisco Joya y Corralero), religioso, todos da Ordem da Santíssima Trindade.