Liturgia diária

Agenda litúrgica

2020-11-16

SEGUNDA-FEIRA da semana XXXIII

S. Margarida da Escócia – MF
S. Gertrudes, virgem – MF
Verde ou br. – Ofício da féria ou da memória.
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 Ap 1, 1-4; 2, 1-5a; Sal 1, 1-2. 3. 4 e 6
Ev Lc 18, 35-43

* Na Diocese de Bragança-Miranda (Concatedral) – Aniversário da dedicação da Concatedral em Miranda do Douro – SOLENIDADE
* Na Diocese de Coimbra – Aniversário da Dedicação da Igreja Catedral. Na Sé – SOLENIDADE; nas outras igrejas da Diocese – FESTA
* Na Ordem Beneditina – S. Gertrudes – MO
* Na Ordem Carmelita e na Ordem dos Carmelitas Descalços – Comemoração de Todos os Defuntos da Ordem.
* Na Ordem de Cister e na Ordem Cisterciense da Estrita Observância – S. Gertrudes, virgem e monja – FESTA
* Na Companhia de Jesus – SS. Roque Gonzalez, Afonso Rodríguez e João del Castillo presbíteros e mártires – MO
* Na Congregação das Filhas de São Camilo – Nossa Senhora da Saúde – FESTA
* Na Congregação dos Sacerdotes do Coração de Jesus – S. Gertrudes, virgem – MO
* No Instituto Missionário da Consolata – Sufrágio pelos membros do Instituto, familiares e amigos.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Jer 29, 11.12.14
Os meus pensamentos são de paz
e não de desgraça, diz o Senhor.
Invocar-Me-eis e atenderei o vosso clamor,
e farei regressar os vossos cativos de todos os lugares da terra.


ORAÇÃO COLECTA
Senhor nosso Deus, concedei-nos a graça
de encontrar sempre a alegria no vosso serviço,
porque é uma felicidade duradoira e profunda
ser fiel ao autor de todos os bens.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos pares) Ap 1, 1-4; 2, 1-5a
«Lembra-te de onde caíste e arrepende-te»

Nas duas últimas semanas do Tempo Comum, lemos, nos anos pares, o livro do Apocalipse. A primeira parte deste livro é constituída por sete cartas, dirigidas a sete Igrejas da Ásia, na Turquia actual. Estas Igrejas estão nas mãos de Cristo. Ele as conhece e as acompanha; por isso, ao lado dos louvores que lhes dirige pelas suas boas obras, também as censura e lhes chama a atenção para as suas deficiências, a fim de voltarem à fidelidade primeira.

Início do Livro do Apocalipse do apóstolo São João
Revelação de Jesus Cristo, que Deus Lhe concedeu para mostrar aos seus servos o que há-de acontecer muito em breve. Ele deu-o a conhecer ao seu servo João, pelo Anjo que enviou, e João confirma a palavra de Deus e o testemunho de Jesus Cristo, em tudo o que viu. Feliz de quem ler e dos que ouvirem as palavras desta profecia e observarem o que nela está escrito, porque o tempo está próximo. João às sete Igrejas da Ásia: A graça e a paz vos sejam dadas por Aquele que é, que era e que há-de vir, e pelos sete Espíritos que estão diante do seu trono. Eu ouvi o Senhor que me dizia: «Ao Anjo da Igreja de Éfeso, escreve: ‘Eis o que diz Aquele que tem as sete estrelas na sua mão direita e caminha no meio dos sete candelabros de ouro: Conheço as tuas obras, o teu trabalho e a tua perseverança. Sei que não podes suportar os maus, que puseste à prova aqueles que se dizem apóstolos sem o serem e descobriste que eram mentirosos. Tens perseverança e sofreste pelo meu nome, sem desanimar. Mas tenho contra ti que perdeste a tua caridade primitiva. Lembra-te de onde caíste, arrepende-te e pratica as obras anteriores’».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 1, 1-2.3.4 e 6 (R. Ap 2, 7b)
Refrão: Ao vencedor darei a comer da árvore da vida. Repete-se

Feliz o homem que não segue o conselho dos ímpios,
nem se detém no caminho dos pecadores,
mas antes se compraz na lei do Senhor,
e nela medita dia e noite. Refrão

É como árvore plantada à beira das águas:
dá fruto a seu tempo e sua folhagem não murcha.
Tudo quanto fizer será bem sucedido. Refrão

Bem diferente é a sorte dos ímpios:
são como palha que o vento leva.
O Senhor vela pelo caminho dos justos,
mas o caminho dos pecadores leva à perdição. Refrão


ALELUIA Jo 8, 12
Refrão: Aleluia. Repete-se
Eu sou a luz do mundo, diz o Senhor;
quem Me segue terá a luz da vida. Refrão


EVANGELHO Lc 18, 35-43
«Que queres que Eu te faça? – Senhor, que eu veja»

O cego de Jericó, ao fazer a súplica, exprime a sua fé em Jesus. Por esta fé, ele entra em contacto espiritual com o Senhor da vida, que, por isso, logo lhe concede o que pede. Ao proclamá-l’O “Filho de David”, reconhece n’Ele o Messias, o Enviado de Deus, o Salvador, o “Senhor”. Por seu lado, o dom concedido ao cego aparece ao povo como coisa admirável, dom vindo de Deus. É este o processo normal da oração cristã: as maravilhas de Deus, uma vez reconhecidas e contempladas na fé, levam ao louvor e à acção de graças, à “eucaristia”, como esta palavra significa.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, quando Jesus Se aproximava de Jericó, estava um cego a pedir esmola, sentado à beira do caminho. Quando ele ouviu passar a multidão, perguntou o que era aquilo. Disseram-lhe que era Jesus Nazareno que passava. Então ele começou a gritar: «Jesus, filho de David, tem piedade de mim». Os que vinham à frente repreendiam-no, para que se calasse, mas ele gritava ainda mais: «Filho de David, tem piedade de mim». Jesus parou e mandou que Lho trouxessem. Quando ele se aproximou, perguntou-lhe: «Que queres que Eu te faça?». Ele respondeu-Lhe: «Senhor, que eu veja». Disse-lhe Jesus: «Vê. A tua fé te salvou». No mesmo instante ele recuperou a vista e seguiu Jesus, glorificando a Deus. Ao ver o sucedido, todo o povo deu louvores a Deus.
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Concedei-nos, Senhor,
que os dons oferecidos para glória do vosso nome
nos obtenham a graça de Vos servirmos fielmente
e nos alcancem a posse da felicidade eterna.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 72, 28
A minha alegria é estar junto de Deus,
buscar no Senhor o meu refúgio.

Ou Mc 11, 23.24
Tudo o que pedirdes na oração
vos será concedido, diz o Senhor.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Depois de recebermos estes dons sagrados,
humildemente Vos pedimos, Senhor:
o sacramento que o vosso Filho
nos mandou celebrar em sua memória
aumente sempre a nossa caridade.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Santo

S. MARGARIDA DA ESCÓCIA

 

S. GERTRUDES, virgem

 

 

Martirológio

Santa Margarida, que, nascida na Hungria e casada com Malcom III, rei da Escócia, deu à luz oito filhos e foi sumamente solícita pelo reino e pela Igreja; aliava à oração e jejuns a generosidade para com os pobres, dando assim exemplo admirável de esposa, mãe e rainha.

 

Santa Gertrudes, apelidada «Magna», virgem, que se dedicou com fervor e persistência, já desde a infância, à solidão e ao estudo das letras e, convertida totalmente a Deus, ingressou no mosteiro cisterciense de Helfta, próximo de Eisleben, na Saxónia, região da Alemanha, onde progrediu de modo admirável no caminho da perfeição, consagrando-se à oração e contemplação de Cristo crucificado. Morreu no dia dezassete deste mês.

 

3.   Em Cápua, na Campânia, região da Itália, os santos Agostinho e Felicidade, mártires, que, segundo a tradição, padeceram no tempo do imperador Décio.

4*.   Em Déols, na região de Bourges, na Gália, hoje na França, a comemoração dos santos Leocádio e Lusor; o primeiro, sendo senador das Gálias e ainda pagão, recebeu os primeiros arautos da fé cristã neste território e converteu em igreja a sua própria casa; o segundo, seu filho, diz-se que faleceu quando ainda levava as vestes brancas do Baptismo.

5.   Em Lião, também na Gália, Santo Euquério, que, pertencendo à ordem senatorial, se retirou com a sua família para a vida ascética numa ilha próxima de Lérins; e depois, eleito bispo de Lião, escreveu muitas Paixões dos santos mártires.

6*.   No território dos Helvécios, na hodierna Suíça, Santo Otemaro, abade, que, no local onde São Galo construíra uma cela, fundou um pequeno hospital para leprosos e um cenóbio sob a regra de São Bento e, por defender os direitos destas instituições, foi deportado por vizinhos poderosos para uma ilha do Reno, onde morreu exilado.

7*.   No mosteiro de Cava de’ Tirréni, na Campânia, região da Itália, o Beato Simeão, abade.

8.   Em Soisy-Bouy, perto de Provins, na França, o passamento de Santo Edmundo Rich, bispo de Cantuária, que, desterrado por defender os direitos da Igreja, se refugiou no mosteiro cisterciense de Pontigny, onde levou uma vida santa até à sua morte.

9*.   Em Assis, na Úmbria, região da Itália, no convento de São Damião, Santa Inês, virgem, que, na flor da juventude, seguindo sua irmã Santa Clara, abraçou de todo o coração a pobreza sob a direcção de São Francisco.

10*.   Em York, na Inglaterra, o Beato Eduardo Osbaldeston, presbítero de Lencastre e mártir, que, depois de ter estudado no Colégio dos Ingleses de Reims, foi condenado à morte e enforcado no reinado de Isabel I, ao regressar à Inglaterra como sacerdote.