Liturgia diária

Agenda litúrgica

2020-10-05

SEGUNDA-FEIRA da semana XXVII

Santa Faustina Kowalska – MF
Verde ou br. – Ofício da féria ou da memória.
Missa à escolha (cf. p. 19, n. 18).

L 1 Gal 1, 6-12; Sal 110 (111), 1-2. 4-5. 7-8. 9-10ac
Ev Lc 10, 25-37

* Na Ordem dos Franciscanos Capuchinhos – Comemoração de todos os Irmãos da Ordem, pais e benfeitores falecidos – MO
* Na Ordem de São Domingos – B. Raimundo de Cápua, presbítero – MF
* Na Congregação Salesiana – B. Alberto Marvelli – MF
* Na Congregação do Santíssimo Redentor – B. Francisco Xavier Seelos, presbítero – MO
* Na Ordem Cartusiana – I Vésp. de S. Bruno.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Est 13, 9.10-11
Senhor, Deus omnipotente, tudo está sujeito ao vosso poder
e ninguém pode resistir à vossa vontade.
Vós criastes o céu e a terra e todas as maravilhas
que estão sob o firmamento.
Vós sois o Senhor do universo.


ORAÇÃO COLECTA
Deus eterno e omnipotente, que, no vosso amor infinito,
cumulais de bens os que Vos imploram
muito além dos seus méritos e desejos, pela vossa misericórdia,
libertai a nossa consciência de toda a inquietação
e dai-nos o que nem sequer ousamos pedir.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos pares) Gal 1, 6-12
«Não recebi ou aprendi o Evangelho de nenhum homem,
mas por uma revelação de Jesus Cristo»

Começamos hoje a leitura da Epístola aos Gálatas. A razão de ser desta epístola é a afirmação de que a fé em Jesus Cristo inaugura uma era nova e a de que os cristãos já não estão, por isso, sujeitos aos preceitos da lei de Moisés. Esta afirmação tinha já causado reacção em certos cristãos vindos de entre os Judeus; é por isso que S. Paulo começa a sua carta por afirmar a sua autoridade de Apóstolo, como hoje se lê, a fim de as suas palavras não deixarem dúvidas nos seus leitores.

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Gálatas
Irmãos: Surpreende-me que tão depressa tenhais abandonado Aquele que vos chamou pela graça de Cristo, para passar a outro evangelho. Não que haja outro evangelho; mas há pes¬soas que vos perturbam e pretendem mudar o Evangelho de Cristo. Mas se alguém – ainda que fosse eu próprio ou um Anjo do Céu – vos anunciar um evangelho diferente daquele que nós vos anunciamos, seja anátema. Como já vo-lo dissemos, volto a dizê-lo: Se alguém vos anunciar um evangelho diferente daquele que recebestes, seja anátema. Estarei eu agora a captar o favor dos homens ou o de Deus? Acaso pro¬curo agradar aos homens? Se eu ainda pretendesse agradar aos homens, não seria servo de Cristo. Quero que saibais, irmãos: o Evangelho anunciado por mim não é de inspiração humana, porque não o recebi ou aprendi de nenhum homem, mas por uma revelação de Jesus Cristo.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 110 (111), 1-2.4-5.7-8.9-10ac (R. 5b)
Refrão: O Senhor recorda a sua aliança para sempre. Repete-se
Ou: Aleluia. Repete-se

Louvarei o Senhor de todo o coração,
no conselho dos justos e na assembleia.
Grandes são as obras do Senhor,
admiráveis para os que nelas meditam. Refrão

Instituiu um memorial das suas maravilhas:
o Senhor é misericordioso e compassivo.
Deu sustento àqueles que O temem
e jamais esquecerá a sua aliança. Refrão

Fiéis e justas são as obras das suas mãos,
são imutáveis todos os seus preceitos,
irrevogáveis pelos séculos dos séculos,
estabelecidos na rectidão e na verdade. Refrão

Enviou a redenção ao seu povo,
firmou com ele uma aliança eterna;
santo e venerável é o seu nome,
o louvor do Senhor permanece para sempre. Refrão


ALELUIA Jo 13, 34
Refrão: Aleluia. Repete-se
Dou-vos um mandamento novo, diz o Senhor:
amai-vos uns aos outros como Eu vos amei. Refrão


EVANGELHO Lc 10, 25-37
«Quem é o meu próximo?»

Nesta parábola se mostra como um estrangeiro entendeu melhor o preceito da caridade fraterna do que os membros do povo de Deus. O próximo está ao nosso lado e não é necessário fazer escolhas para o encontrar. A parábola é ainda um sinal da vocação dos pagãos ao Evangelho. Uma antiga tradição interpreta o bom Samaritano como sendo o próprio Cristo, que Se abeirou de nós, estranhos a Ele, para nos curar.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, levantou-se um doutor da lei e perguntou a Jesus para O experimentar: «Mestre, que hei-de fazer para receber como herança a vida eterna?». Jesus disse-lhe: «Que está escrito na lei? Como lês tu?». Ele respondeu: «Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração e com toda a tua alma, com todas as tuas forças e com todo o teu entendimento; e ao próximo como a ti mesmo». Disse-lhe Jesus: «Respondeste bem. Faz isso e viverás». Mas ele, querendo justificar-se, perguntou a Jesus: «E quem é o meu próximo?». Jesus, tomando a palavra, disse: «Um homem descia de Jerusalém para Jericó e caiu nas mãos dos salteadores. Roubaram-lhe tudo o que levava, espancaram-no e foram-se embora, deixando-o meio morto. Por coincidência, descia pelo mesmo caminho um sacerdote; viu-o e passou adiante. Do mesmo modo, um levita que vinha por aquele lugar, viu-o e passou também adiante. Mas um samaritano, que ia de viagem, passou junto dele e, ao vê-lo, encheu-se de compaixão. Aproximou-se, ligou-lhe as feridas deitando azeite e vinho, colocou-o sobre a sua própria montada, levou-o para uma estalagem e cuidou dele. No dia seguinte, tirou duas moedas, deu-as ao estalajadeiro e disse: ‘Trata bem dele; e o que gastares a mais eu to pagarei quando voltar’. Qual destes três te parece ter sido o próximo daquele homem que caiu nas mãos dos salteadores?». O doutor da lei respondeu: «O que teve compaixão dele». Disse-lhe Jesus: «Então vai e faz o mesmo».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai, Senhor, o sacrifício
que Vós mesmo nos mandastes oferecer
e, por estes sagrados mistérios que celebramos,
confirmai em nós a obra da redenção.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Lam 3, 25
O Senhor é bom para quem n’Ele confia,
para a alma que O procura.

Ou cf. 1 Cor 10, 17
Porque há um só pão, todos somos um só corpo,
nós que participamos do mesmo cálice e do mesmo pão.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Deus todo-poderoso,
que neste sacramento saciais a nossa fome e a nossa sede,
fazei que, ao comungarmos o Corpo e o Sangue do vosso Filho,
nos transformemos n’Aquele que recebemos.
Ele que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Santo

Santa Maria Faustina Kowalska, virgem

 

 

Martirológio

1.   Em Tréveris, na Gália Bélgica, em território da actual Alemanha, a comemoração dos santos mártires, que receberam a palma do martírio, segundo a tradição, durante a perseguição no tempo do imperador Diocleciano.

2.   Em Córico, na Cilícia, hoje Gorgos, na Turquia, Santa Caritina, mártir.

3.   Comemoração de Santa Mamlaca, virgem e mártir, que, sendo natural da região de Bet Garmay, se trasladou para a Pérsia, onde foi condenada à morte pelo rei Sapor II.

4.   Em Valence, no território da Gália Vienense, na hodierna França, Santo Apolinário, bispo, irmão de Santo Avito e homem cheio de fervor pela justiça e honestidade, que reconstituiu a fortaleza e o esplendor da religião cristã nesta sede episcopal de Valence, durante longo tempo desprovida de pastor.

5.   Comemoração de São Plácido, monge, que desde a adolescência foi discípulo caríssimo de São Bento.

6*.   Em Nevers, na Nêustria, hoje na França, São Jerónimo, bispo, que engrandeceu a sua Igreja com a sua munificência e solicitude pastoral.

7*.   Em Paderborn, na Saxónia, território da actual Alemanha, São Meinulfo, diácono, que construiu e engrandeceu o mosteiro de Böddeken, onde estabeleceu uma comunidade de virgens consagradas.

8.   Em Leão, na Espanha, a comemoração de São Froilão, bispo, que, chamado da vida eremítica ao ministério episcopal, evangelizou as regiões da Espanha libertas do domínio dos Mouros e se dedicou diligentemente à propagação da vida monástica e à beneficência para com os pobres.

9.   Em Zamora, também na Espanha, a comemoração de Santo Atilano, bispo, procedente da vida monástica, que foi o principal companheiro de São Froilão na obra de reconduzir a Cristo as regiões devastadas pelos Mouros.

10*.   Em Florença, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, o Beato Pedro de Ímola, cavaleiro da Ordem de São João de Jerusalém, que se distinguiu pela sua caridade na assistência aos enfermos.

11*.   Em Beaulieu, no território de Cahors, na França, a comemoração de Santa Flora, virgem da Ordem de São João de Jerusalém, que se dedicou à assistência dos enfermos pobres num hospital e teve dons místicos de participação na Paixão de Cristo.

12*.   Em Córi, no Lácio, região da Itália, o Beato Santo, presbítero da Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho, a quem seguiam multidões quando pregava a palavra de Deus.

13*.   Em Nuremberga, na Baviera, região da Alemanha, o Beato Raimundo de Cápua, presbítero da Ordem dos Pregadores, que foi prudente conselheiro espiritual de Santa Catarina de Sena, da qual compôs uma memória biográfica.

14*.   Em Vigévano, na Lombardia, região da Itália, o Beato Mateus Carréri (João Francisco Carréri), presbítero da Ordem dos Pregadores, que teve no seu tempo enorme êxito como incisivo e eloquente pregador da palavra de Deus.

15*.   Em Londres, na Inglaterra, os beatos mártires Guilherme Hartley e João Hewett, presbíteros, e Roberto Sutton, que, pela sua constância na fidelidade à Igreja católica, no reinado de Isabel I foram enforcados em diversos lugares perto da cidade.

16.   Em Mindelstetten, povoação do território de Ratisbona, na Alemanha, Santa Ana Schaffer, virgem, que, aos dezanove anos, quando prestava serviço como doméstica, se queimou com água a ferver e, apesar do agravamento do seu estado de saúde, viveu depois com ânimo sereno em espírito de pobreza e oração, oferecendo a cruz da sua dor pela salvação das almas.

17*.   Em Pompeia, perto de Nápoles, na Itália, o Beato Bartolomeu Longo, advogado, que, solícito pelo culto mariano e pela formação cristã dos camponeses e das crianças, fundou o Santuário do Rosário de Pompeia e também a Congregação das Irmãs do Santo Rosário, com a fervorosa ajuda da sua piedosa esposa.

18.   Em Tepatitlan, localidade do México, São Tranquilino Ubiarco, presbítero e mártir, que, durante a perseguição contra a Igreja, continuou ininterruptamente o seu ministério pastoral; por isso, suspenso de uma árvore, consumou o seu glorioso martírio.

19.   Em Cracóvia, na Polónia, Santa Maria Faustina Kowalska (Helena Kowalska), virgem das Irmãs de Nossa Senhora da Misericórdia, ardentemente solícita em anunciar o mistério da divina misericórdia.

20*.   Em Plonkowo, povoação também da Polónia, o Beato Mariano Skrzypczak, presbítero e mártir, que, durante a ocupação da Polónia por um regime hostil a Deus, fuzilado diante da igreja do lugar, recebeu pela sua fé inquebrantável a palma do martírio.

21♦.   Em Rímini, nas Marcas, região da Itália, o Beato Alberto Marvelli.