Liturgia diária

Agenda litúrgica

2018-12-25

TERÇA-FEIRA - NATAL DO SENHOR

Branco – Ofício da solenidade. Te Deum.
Missa própria do dia, Glória, Credo, pf. próprio.

Missa da noite
L 1 Is 9, 1-6; Sal 95 (96), 1-2a. 2b-3. 11-12. 13
L 2 Tito 2, 11-14
Ev Lc 2, 1-14

Missa da aurora
L 1 Is 62, 11-12; Sal 96 (97), 1 e 6. 11-12
L 2 Tito 3, 4-7
Ev Lc 2, 15-20

+ Missa do dia
L 1 Is 52, 7-10; Sal 97 (98), 1. 2-3ab. 3cd-4. 5-6
L 2 Hebr 1, 1-6
Ev Jo 1, 1-18 ou Jo 1, 1-5. 9-14

* Proibidas todas as Missas de defuntos, mesmo a exequial.
* Proibidas as Missas em oratórios privados.
* Hoje, os sacerdotes podem celebrar ou concelebrar três Missas, contanto que as celebrem nos devidos tempos. Aquele que celebrar apenas uma Missa, deve tomar os textos mais adaptados à hora do dia.
* O sacerdote que celebrar hoje três vezes, pode conservar para si os três estipêndios (CDC cân 951, § 1).
* Na Diocese de Beja – Ofertório para a Fundação Pax da Diocese de Beja.
* Na Arquidiocese de Évora – Ofertório para a Fraternidade Sacerdotal.
* II Vésp. da solenidade – Compl. dep. II Vésp. dom.
* Esta solenidade tem Oitava.

 

Ano C

Missa

 

MISSA DA AURORA

Na Missa da Noite, a Igreja apresentou-nos o seu Cristo – o Verbo eterno, o dominador, porém, em carne, habitando entre nós, no meio do Seu povo. E nós contemplámos a sua glória e a Sua humilhação, ao mesmo tempo que, unidos aos anjos e a todos os homens, demos graças a Deus pela paz, que nos ofereceu em Cristo.
Agora a liturgia, inundada pela luz da nova aurora, que desponta para o mundo, descreve-nos os efeitos do Nascimento do Salvador para a humanidade de todos os tempos.
O Natal não é um acontecimento passado. Através da Igreja, o mistério do Natal conserva toda a sua actualidade. N'Ela, todos os homens são chamados a receber de Jesus a vida divina, «tornando-se filhos no Filho único».


ANTÍFONA DE ENTRADA cf. Is 9, 2.6; Lc 1, 33
Hoje sobre nós resplandece uma luz:
nasceu o Senhor.
O seu nome será Admirável, Deus forte,
Pai da eternidade, Príncipe da paz.
E o seu reino não terá fim.

Diz-se o Glória.


ORAÇÃO COLECTA
Concedei, Deus todo-poderoso,
que, inundados pela nova luz do Verbo Encarnado,
resplandeça em nossas obras
o que pela fé brilha em nossos corações.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LITURGIA DA PALAVRA


LEITURA I Is 62, 11-12
«Eis que vem o teu Salvador»

O pregão do profeta, logo ao nascer do dia, é ainda mais para nós hoje do que o foi para os seus contemporâneos. É a Igreja de Deus que é o “Povo Santo”, o povo dos “Resgatados do Senhor”, a “Cidade não abandonada”, porque até ela vem o seu Salvador.

Leitura do Livro de Isaías
Eis o que o Senhor proclama até aos confins da terra: «Dizei à filha de Sião: Eis que vem o teu Salvador. Com Ele vem o seu prémio e precede-O a sua recompensa. Serão chamados ‘Povo santo’, ‘Resgatados do Senhor’; e tu serás chamada ‘Pretendida’, ‘Cidade não abandonada’».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 96 (97), 1 e 6.11-12
Refrão: Hoje sobre nós resplandece uma luz:
nasceu o Senhor. Repete-se

O Senhor é rei: exulte a terra,
rejubile a multidão das ilhas.
Os céus proclamam a sua justiça
e todos os povos contemplam a sua glória. Refrão

A luz resplandece para os justos
e a alegria para os corações rectos.
Alegrai-vos, ó justos, no Senhor
e louvai o seu nome santo. Refrão


LEITURA II Tito 3, 4-7
«Salvou-nos pela sua misericórdia»

De novo, o Natal nos é apresentado como a “Manifestação”. Em Jesus Cristo que nasce é Deus que Se manifesta aos homens, para que estes O reconheçam e por Ele sejam justificados.

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo a Tito
Caríssimo: Ao manifestar-se a bondade de Deus nosso Salvador e o seu amor para com os homens, Ele salvou-nos, não pelas obras justas que praticámos, mas em virtude da sua misericórdia, pelo baptismo da regeneração e renovação do Espírito Santo. Deus derramou abundantemente o Espírito sobre nós, por meio de Jesus Cristo nosso Salvador, para que, justificados pela sua graça, nos tornássemos, em esperança, herdeiros da vida eterna.
Palavra do Senhor.


ALELUIA Lc 2, 14
Refrão: Aleluia. Repete-se
Glória a Deus nas alturas
e paz na terra aos homens por Ele amados. Refrão


EVANGELHO Lc 2, 15-20
«Os pastores encontraram Maria, José e o Menino»

A aurora deste dia desperta-nos com a alegria dos pastores junto do presépio com o Menino, José e Maria, e deixa-nos na contemplação do mistério que tudo aquilo nos revela, como ficou Maria ao escutar as coisas que os pastores diziam.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Quando os Anjos se afastaram dos pastores em direcção ao Céu, começaram estes a dizer uns aos outros: «Vamos a Belém, para vermos o que aconteceu e que o Senhor nos deu a conhecer». Para lá se dirigiram apressadamente e encontraram Maria e José e o Menino deitado na manjedoura. Quando O viram, co¬me¬çaram a contar o que lhes tinham anunciado sobre aquele Menino. E todos os que ouviam admiravam-se do que os pastores diziam. Maria conservava todas estas palavras, meditando-as em seu coração. Os pastores regressaram, glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto, como lhes tinha sido anunciado.
Palavra da salvação.


Diz-se o Credo.
Às palavras E encarnou todos se ajoelham.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Sejam as nossas oferendas, Senhor,
dignas do mistério do Natal que hoje celebramos;
e assim como o vosso Filho feito homem
Se manifestou como Deus,
também estes frutos da terra
nos tornem participantes dos dons divinos.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


Prefácio do Natal.

No Cânone Romano, diz-se o Communicantes (Em comunhão com toda a Igreja) próprio. Também nas Orações Eucarísticas II e III se faz a comemoração própria.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO cf. Zac 9, 9
Alegra-te, filha de Sião. Exulta, filha de Jerusalém.
Eis o teu Rei, o Santo de Israel,
que vem salvar o mundo.

ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Ao celebrarmos com santa alegria
o nascimento do vosso Filho,
nós Vos pedimos, Senhor, a graça
de conhecer este mistério com fé viva
e de o viver com ardente caridade.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Martirológio

Passados inumeráveis séculos desde a criação do mundo, quando no princípio Deus criou o céu e a terra e formou o homem à sua imagem; depois de muitos séculos, desde que o Altíssimo pôs o seu arco nas nuvens como sinal de aliança e de paz; vinte e um séculos depois da emigração de Abraão, nosso pai na fé, de Ur dos Caldeus; treze séculos depois de Israel ter saído do Egipto, guiado por Moisés; cerca de mil anos depois que David foi ungido rei; na semana sexagésima quinta, segundo a profecia de Daniel; na Olimpíada cento e noventa e quatro; no ano setecentos e cinquenta e dois da fundação de Roma; no ano quarenta e dois do império de César Octávio Augusto; estando todo o orbe em paz, Jesus Cristo, Deus eterno e Filho do eterno Pai, querendo consagrar o mundo com a sua piedosíssima vinda, concebido pelo Espírito Santo, nove meses depois da sua conceição, nasceu em Belém de Judá, da Virgem Maria, feito homem: Nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo a carne.

Partitura com a Calenda de Natal »

 

2.   Em Roma, a comemoração de Santa Anastásia, mártir de Sírmium, na Panónia, hoje Sremska Mitrovica, na actual Sérvia.

3.   Também em Roma, no cemitério de Aproniano, junto à Via Latina, Santa Eugénia, mártir.

4.   Também em Roma, junto à Via Latina, os santos Jovino e Basileu, mártires.

5*.   No mosteiro de Cluny, na Borgonha, região da França, o Beato Pedro o Venerável, abade, que governou a Ordem monástica segundo os preceitos da primitiva observância e compôs numerosos tratados.

6*.   Em San Severino, nas Marcas, região da Itália, o Beato Bentivóglio de Bónis, presbítero da Ordem dos Mínimos, exímio pregador.

7*.   Em Unzen, cidade do Japão, o Beato Miguel Nakashima, religioso da Companhia de Jesus e mártir, que, sendo catequista, por causa da sua fé em Cristo foi mergulhado em água a ferver e assim alcançou a coroa do martírio.

8♦.   Em Rivarolo, localidade do Piemonte, região da Itália, a Beata Antónia Maria Verna, virgem, fundadora da Congregação das Irmãs da Caridade do Imaculado Coração de Ivrea.

9*.   Em Roma, a Beata Maria dos Apóstolos (Maria Teresa von Wüllenweber), virgem, de origem alemã, que, inflamada pelo ardor missionário, fundou em Tívoli, no Lácio, região da Itália, o Instituto das Irmãs do Divino Salvador.

10.   Em Cracóvia, na Polónia, Santo Alberto (Adão Chmielowski), religioso, célebre pintor, que se dedicou ao serviço dos pobres, procurando estar sempre disponível para com eles em tudo, e fundou as Congregações dos Irmãos e das Irmãs da Ordem Terceira de São Francisco para a assistência dos pobres.

11♦.   Em Bári, na Apúlia, região da Itália, a Beata Elias de São Clemente (Teodora Fracasso), virgem da Ordem das Carmelitas Descalças.