Santos

S. FILIPE e S. TIAGO, Apóstolos

 

Nota Histórica

Filipe, nascido em Betsaida, foi discípulo de João Baptista e depois seguiu a Cristo.
Tiago, primo do Senhor, filho de Alfeu, foi bispo de Jerusalém; escreveu uma epístola; levou uma vida de grande mortificação e converteu à fé muitos judeus. Recebeu a coroa do martírio no ano 62.

 

Missa

ANTÍFONA DE ENTRADA
Estes são os homens santos, que o Senhor escolheu com verdadeiro amor.
O Senhor deu-lhes a glória eterna. Aleluia.

Diz-se o Glória.


ORAÇÃO COLECTA
Senhor, que todos os anos nos alegrais
com a festa dos apóstolos São Filipe e São Tiago,
concedei-nos, por sua intercessão,
que sejamos associados à paixão e ressurreição do vosso Filho,
para chegarmos à contemplação da vossa glória.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho.
Ele que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I 1 Cor 15, 1-8
«O Senhor apareceu a Tiago e depois a todos os Apóstolos»

Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios
Recordo-vos, irmãos, o Evangelho
que vos anunciei e que recebestes,
no qual permaneceis e pelo qual sereis salvos,
se o conservais como eu vo-lo anunciei;
aliás teríeis abraçado a fé em vão.
Transmiti-vos em primeiro lugar o que eu mesmo recebi:
Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras;
foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras,
e apareceu a Pedro e depois aos Doze.
Em seguida apareceu a mais de quinhentos irmãos de uma só vez,
dos quais a maior parte ainda vive,
enquanto alguns já faleceram.
Posteriormente apareceu a Tiago e depois a todos os Apóstolos.
Em último lugar, apareceu-me também a mim,
como o abortivo.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 18A (19A), 2-3.4-5 (R. 5a)
Refrão: A sua mensagem ressoou por toda a terra.

Os céus proclamam a glória de Deus
e o firmamento anuncia a obra das suas mãos.
O dia transmite ao outro esta mensagem
e a noite a dá a conhecer à outra noite.

Não são palavras nem linguagem
cujo sentido se não perceba.
o seu eco ressoou por toda a terra
e a sua notícia até aos confins do mundo.


ALELUIA Jo 14, 6b.9c
Refrão: Aleluia. Repete-se.
Eu sou o caminho, a verdade e a vida, diz o Senhor.
Filipe, quem Me vê, vê o Pai. Refrão


EVANGELHO Jo 14, 6-14
«Há tanto tempo estou convosco e não Me conheces?»

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Naquele tempo,
disse Jesus aos seus discípulos:
«Eu sou o caminho, a verdade e a vida:
ninguém vai ao Pai senão por Mim.
Se Me conhecêsseis, conheceríeis também o meu Pai.
Mas desde agora já O conheceis e já O vistes».
Disse-Lhe Filipe:
«Senhor, mostra-nos o Pai e isto nos basta».
Respondeu-lhe Jesus:
«Há tanto tempo estou convosco
e não Me conheces, Filipe?
Quem Me vê, vê o Pai.
Como podes tu dizer: ‘Mostra-nos o Pai’?
Não acreditas que Eu estou no Pai
e o Pai está em Mim?
As palavras que vos digo,
não as digo por Mim próprio,
mas é o Pai, permanecendo em Mim, que faz as obras.
Acreditai-Me:
Eu estou no Pai e o Pai está em Mim.
Acreditai ao menos pelas minhas obras.
Em verdade, em verdade vos digo:
Quem acredita em Mim
fará também as obras que Eu faço
e fará obras ainda maiores,
porque Eu vou para o Pai.
E tudo quanto pedirdes em meu nome, Eu o farei,
para que o Pai seja glorificado no Filho.
Se pedirdes alguma coisa em meu nome, Eu a farei».
Palavra da salvação.


(Na Missa votiva só de S. Filipe,
a Leitura I toma-se do dia 28 de Outubro.
Na missa votiva só de S. Tiago,
o Evangelho toma-se do dia 28 de Outubro.)


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Recebei, Senhor, os dons que Vos apresentamos
na festa dos apóstolos São Filipe e São Tiago
e dai-nos a graça de praticarmos sempre
a religião pura e sem mancha.
Por Nosso Senhor.


Prefácio dos Apóstolos I


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Jo 14, 8-9
Senhor, mostrai-nos o Pai e isso nos basta.
Filipe, quem Me vê, vê o Pai. Aleluia.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Por esta comunhão nos santos mistérios,
purificai, Senhor, os nossos corações,
para que, juntamente com os apóstolos São Filipe e São Tiago,
contemplando-Vos em Cristo vosso Filho,
mereçamos alcançar a vida eterna.
Ele que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Liturgia das Horas

Do Tratado de Tertuliano, presbítero,
«Sobre a prescrição dos hereges»

(Cap. 20, 1-9; 21, 3; 22, 8-10: CCL 1, 201-204) Sec. III)

A pregação apostólica

Cristo Jesus, Nosso Senhor, durante a sua vida terrena, foi ensinando quem era Ele, quem tinha sido desde sempre, qual era a vontade do Pai que Ele vinha realizar e qual devia ser o comportamento do homem. Ensinava-o umas vezes diante de todo o povo, outras vezes em particular aos seus discípulos, entre os quais escolheu doze, que destinou para serem os principais mestres das nações.
Tendo-se excluído um deles, mandou os outros onze, quando estava prestes a voltar ao Pai, depois da sua ressurreição, para irem ensinar as nações, baptizando-as em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.
Imediatamente os Apóstolos – palavra que significa «enviados» – chamaram por sorteio a Matias como duodécimo em lugar de Judas, segundo a profecia contida num salmo de David. Depois de receberem a força do Espírito Santo com o dom de falar e de realizar milagres, começaram a dar testemunho da fé em Jesus Cristo na Judeia, onde instituíram Igrejas, e partiram depois por todo o mundo a proclamar a mesma doutrina e a mesma fé entre as nações.
Em cada cidade fundaram Igrejas, que foram o gérmen e a semente para as outras Igrejas que se instituíram e continuam a instituir. Por este motivo, também estas são consideradas apostólicas, porque são descendentes das Igrejas apostólicas.
Todo o género deve ser referido necessariamente à sua origem. Por isso, apesar de serem tão numerosas e tão importantes, estas Igrejas não formam senão uma Igreja: a primeira, que foi fundada pelos Apóstolos e que é a fonte de todas as outras.
Assim, todas elas são primeiras e todas apostólicas, porque todas formam uma só. A sua unidade manifesta-se pelo vínculo da paz, da fraternidade e da hospitalidade. A nenhuma outra razão se devem estas prerrogativas senão à unidade da mesma tradição sacramental.
O único meio de saber qual foi a pregação dos Apóstolos, e, portanto, qual foi a revelação que Jesus Cristo lhes fez, é o recurso às Igrejas que os Apóstolos fundaram e a quem eles pregaram quer de viva voz quer pelos seus escritos.
O Senhor tinha dito claramente em certa ocasião: Tenho muitas coisas a dizer-vos, mas ainda não as podeis compreender; e acrescentou: Quando vier o Espírito da verdade, Ele vos orientará em toda a verdade. Com estas palavras revelou aos Apóstolos que nada ficariam a ignorar, porque lhes prometia o Espírito da verdade, que os havia de levar ao conhecimento de toda a verdade. De facto, esta promessa foi cumprida, como provam os Actos dos Apóstolos ao narrarem a descida do Espírito Santo.