Santos

S. FRANCISCO DE PAULA, eremita

 

Nota Histórica

Nasceu em Paula (Calábria) no ano 1416. A Congregação eremítica que fundou, mais tarde transformada na Ordem dos Mínimos, foi confirmada pela Sé Apostólica em 1506. Morreu em Tours (França) no ano 1507.

 

Missa

ORAÇÃO
Senhor nosso Deus, grandeza dos humildes, que elevastes São Francisco de Paula à glória dos eleitos, concedei-nos que, por seus méritos e exemplos, alcancemos a felicidade prometida aos mansos e humildes de coração. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Liturgia das Horas

Das Cartas de São Francisco de Paula, eremita
Carta de 1486: ed. A. Galuzzi, Origini dell’Ordine dei Minimi,

Roma 1967, pp. 121-122) (Sec. XV)

Convertei-vos de coração sincero

Nosso Senhor Jesus Cristo, que sabe retribuir com generosidade, vos dê a recompensa dos vossos trabalhos.
Fugi de todo o mal, apartai-vos dos perigos. Nós e todos os nossos irmãos, se bem que indignos, pedimos constantemente a Deus Pai, a seu Filho Jesus Cristo e à Virgem Maria, sua Mãe, que vos ajudem sempre e vos guiem para a salvação da alma e do corpo, e vos façam progredir sempre no caminho do bem até ao fim.
Exorto-vos, irmãos, e peço-vos insistentemente: trabalhai com a maior prudência e diligência pela salvação das vossas almas. A morte é certa, e a vida é breve e desfaz-se como fumo.
Lembrai-vos da paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, que, abrasado de amor por nós, desceu do Céu para nos salvar, sofreu tantos tormentos na alma e no corpo e não quis evitar sofrimento algum por nosso amor. Recordemo-nos do seu exemplo de perfeita paciência e de perfeito amor, e sejamos nós também pacientes nas adversidades.
Afastai de vós toda a espécie de ódio e inimizade, evitai cuidadosamente as palavras ásperas e impertinentes e, se alguma vez saíram da vossa boca, não hesiteis em levar o remédio com os mesmos lábios que provocaram a ferida. Perdoai-vos uns aos outros e esquecei totalmente qualquer ofensa recebida. Conservar o ressentimento do mal é uma ofensa, é complemento da ira, retenção do pecado, ódio da justiça, flecha do rancor, veneno da alma, destruição das virtudes, verme da consciência, obstáculo da oração, impedimento das graças que pedimos a Deus, alienação da caridade, espinho cravado na alma, maldade sempre desperta, pecado que nunca se apaga, morte quotidiana.
Amai a paz, que é o mais precioso de todos os tesouros. Sabeis certamente que os nossos pecados provocam a ira de Deus: corrigi-vos, portanto, e arrependei-vos, para que Deus vos perdoe na sua misericórdia. O que ocultamos aos homens é manifesto a Deus: convertei-vos, portanto, de coração sincero. Vivei de tal modo que mereçais receber a bênção do Senhor; e a paz de Deus nosso Pai esteja sempre convosco.