Santos

S. PATRÍCIO, bispo

 

Nota Histórica

Para a comemoração
Nasceu na Grã-Bretanha cerca do ano 385; ainda jovem, foi levado prisioneiro para a Irlanda e mandado pastorear ovelhas. Reconquistando a liberdade, abraçou o estado clerical e veio a ser eleito bispo da Irlanda. Evangelizou com grande zelo os habitantes daquela ilha, converteu muitos à fé cristã e organizou aquela Igreja. Morreu nas cercanias de Down no ano 461.

 

Missa

ORAÇÃO
Senhor, que enviastes aos povos da Irlanda o bispo São Patrício para lhes anunciar a vossa glória, pelos seus méritos e intercessão, concedei aos que têm a felicidade de serem cristãos, a graça de proclamarem sempre as maravilhas do vosso amor. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Liturgia das Horas

Da Confissão de São Patrício, bispo

(Cap. 14-16: PL 53, 808-809) (Sec. V)

Por mim muitos povos renasceram para Cristo

A toda a hora darei graças ao meu Deus, que me conservou fiel no dia da provação; por isso confiadamente ofereço hoje o sacrifício da minha vida, como hóstia viva, a Cristo meu Senhor, que me salvou de todas as minhas angústias, e Lhe pergunto: Quem sou eu, Senhor, ou qual é a minha vocação, para me terdes concedido tantas graças do Céu? Por vossa graça, posso hoje constantemente exultar e glorificar o vosso nome entre os gentios, onde quer que me encontre, na prosperidade como nas tribulações; suceda o que suceder, de bom ou de mau, tudo aceitarei com igual ânimo e sempre darei graças a Deus, que me ensinou a confiar n’Ele sem limites, e que sempre me há-de atender. Por vossa graça, nestes últimos dias, apesar da minha ignorância, pude encaminhar-me para esta obra tão maravilhosa e agradável a Deus: imitar aqueles de quem já o Senhor predissera que haviam de anunciar o seu evangelho, em testemunho a todos os povos.
Donde me veio esta sabedoria, que não estava em mim, que nem sabia contar o número dos dias, nem saborear a bondade de Deus? Donde me veio depois o dom tão grande e tão salutar, não só de conhecer e amar a Deus, mas de deixar a pátria e a família e de vir até aos povos da Irlanda para pregar o evangelho, receber os ultrajes dos incrédulos, ser desprezado como estrangeiro e suportar inumeráveis perseguições até ser encarcerado, e sacrificar a minha condição de homem livre pelo bem dos outros?
E se for achado digno de tal honra, estou pronto também, sem hesitar e de bom grado, a dar a minha vida pelo seu nome e a gastá-la por Ele até à morte, se o Senhor mo conceder. Porque é grande a minha dívida para com Deus que me concedeu esta tão grande graça: por mim, muitos povos renasceram para Deus e em seguida foram conduzidos à perfeição; e em toda a parte muitos clérigos foram ordenados para servirem este povo recém-chegado à fé, que o Senhor tomou do extremo da terra, como no passado prometeu pelos Profetas: A Vós virão as nações desde as extremidades da terra e dirão: Os nossos pais somente herdaram a mentira, vaidade que não serve para nada. E ainda: Fiz de ti a luz das nações, para que leves a minha salvação até aos confins da terra.
É aqui que eu quero esperar a realização da sua promessa que nunca engana, como está garantido no Evangelho: Virão do Oriente e do Ocidente, e sentar-se-ão à mesa com Abraão e Isaac e Jacob. Assim acreditamos que do mundo inteiro hão-de vir os crentes.