Santos

S. JOANA FRANCISCA DE CHANTAL, religiosa

 

Nota Histórica

Nasceu em Dijon (França) no ano 1572. Casou com o barão de Chantal, e foi mãe de seis filhos, a quem educou esmeradamente. Tendo falecido o marido, levou, sob a direcção de S. Francisco de Sales, uma admirável vida de perfeição, exercendo especialmente a caridade para com os pobres e os enfermos. Fundou o Instituto da Visitação, que governou sabiamente. Morreu em 1641.

 

Missa

ORAÇÃO
Senhor, que destes a Santa Joana Francisca a graça de atingir a santidade através de diferentes estados de vida, concedei-nos, por sua intercessão, que, vivendo fielmente a nossa vocação, dêmos sempre testemunho da vossa luz. Por Nosso Senhor.

 

Liturgia das Horas

Das Memórias de Santa Joana Francisca, escritas por uma Religiosa sua secretária

(De Françoise-Madeleine de Chaugy, Mémoires sur la vie et les vertus de Sainte J. F. de Chantal, III, 3, ed. 3ª, Paris 1853, pp. 306-307). (Sec. XVII)

O amor é mais forte que a morte

Certo dia, a bem-aventurada Joana disse estas fervorosas palavras, que foram imediatamente escritas com toda a fidelidade: «Filhas caríssimas: muitos dos nossos Santos Padres e colunas da Igreja não sofreram o martírio; porque julgais que isto aconteceu?». Depois de cada uma de nós ter dado a sua resposta, a bem-aventurada Madre disse: «Eu creio que isto aconteceu assim porque há outro martírio, o martírio de amor, com que Deus, conservando a vida de seus servos e servas para que continuem a trabalhar para sua glória, os faz ao mesmo tempo mártires e confessores. Creio que as Filhas da Visitação são chamadas a este martírio e que, por disposição divina, algumas delas o conseguirão se o desejarem ardentemente».
Uma irmã perguntou como se realizava tal martírio. Joana respondeu: «Sede totalmente fiéis a Deus e experimentá-lo-eis. O amor divino lança a sua espada até ao mais íntimo e secreto das nossas almas e chega até nos separar de nós mesmos. Conheci uma alma a quem o amor separou de tudo quanto lhe agradava, como se um golpe dado pela espada do tirano lhe tivesse separado o espírito do corpo».
Percebemos que ela estava a falar de si mesma. Ao perguntar-lhe outra irmã sobre a duração deste martírio, ela respondeu: «Desde o momento em que nos entregamos a Deus sem reservas, até ao fim da vida. Mas isto faz Deus só com os corações magnânimos que, renunciando completamente a si mesmos, são fiéis ao amor; aos fracos e inconstantes no amor, não os leva o Senhor pelo caminho do martírio e deixa-os continuar a sua vida medíocre para que não se afastem d’Ele, porque nunca força a nossa vontade livre».
Por último, perguntámos-lhe com insistência se este martírio do amor poderia igualar o do corpo. A madre Joana respondeu: «Não nos preocupemos com a questão da igualdade. Mas eu creio que não tem menor mérito, pois o amor é forte como a morte, e os mártires de amor sofrem dores mil vezes mais agudas, conservando a vida para cumprir a vontade de Deus, do que se tivessem de dar mil vidas para testemunhar a sua fé, a sua caridade e a sua fidelidade».