Santos

SS. ANDRÉ DUNG-LAC, presbítero, e Companheiros, mártires

 

Nota Histórica

Nas regiões do Extremo Oriente, antigamente chamadas Tonquim, Annam e Cochinchina, agora integradas na república do Vietnam, foi anunciado o Evangelho desde o séc. XVI, por intermédio de numerosos missionários, que ali fizeram florescer uma fervorosa cristandade.
Entre os séculos XVII e XIX, frequentes perseguições se levantaram contra os cristãos, apenas intercaladas por breves períodos de paz e tolerância, e uma incalculável multidão de mártires deu o supremo testemunho da fé com o derramamento do seu sangue com os mais diversos géneros de suplícios.
Entre eles contam se os 117 mártires – 21 missionários europeus e 96 vietnamitas (37 sacerdotes e 59 leigos) – que foram canonizados por João Paulo II a 19 de Julho de 1988.

 

Missa

ANTÍFONA DE ENTRADA Gal 6, 14a; 1 Cor 1, 18
Toda a nossa glória está na cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo. A palavra da cruz é poder de Deus para nós que fomos salvos.


ORAÇÃO COLECTA
Deus, fonte e origem de toda a paternidade, que fortalecestes os mártires Santo André e seus Companheiros na fidelidade à cruz do vosso Filho até ao derramamento de sangue, concedei-nos, por sua intercessão, que, manifestando o vosso amor aos homens nossos irmãos, possamos chamar-nos e ser realmente vossos filhos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURAS Da féria (ou do Comum)


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Recebei, Pai santo, os dons que Vos oferecemos, ao celebrar a memória dos santos mártires vietnamitas, para que, em todas as adversidades da vida, permaneçamos sempre fiéis no vosso amor e sejamos uma oblação agradável a vossos olhos.
Por Nosso Senhor.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Mt 5, 10
Bem-aventurados os perseguidos por amor da justiça,
porque deles é o reino dos Céus.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Senhor, que nos alimentais com o mesmo pão, ao celebrarmos a memória dos santos mártires, fazei que, permanecendo sempre unidos no vosso amor, mereçamos alcançar o prémio eterno prometido aos que sofrem pela fé. Por Nosso Senhor.

 

Liturgia das Horas

Das Cartas de São Paulo Le-Bao-Tinh
aos alunos do Seminário de Ke Vinh, escritas no ano 1843

(Launay, A.: Le clergé tonquinois et ses prêtres martyrs, MEP, Paris 1925, pp. 80-83)

Participação dos mártires na vitória de Cristo, cabeça da Igreja

Eu, Paulo, prisioneiro pelo nome de Cristo, quero falar vos das tribulações que suporto cada dia, para que, inflamados no amor de Deus, comigo louveis o Senhor, porque é eterna a sua misericórdia.
Este cárcere é realmente a imagem do inferno eterno: além de suplícios de todo o género, tais como algemas, grilhões, cadeias de ferro, tenho de suportar o ódio, as agressões, calúnias, palavras indecorosas, repreensões, maldades, juramentos falsos e, além disso, as angústias e a tristeza. Mas Deus, que outrora libertou os três jovens da fornalha ardente, está sempre comigo e libertou me destas tribulações, convertendo as em suave doçura, porque é eterna a sua misericórdia.
Imerso nestes tormentos, que costumam aterrorizar os outros, pela graça de Deus sinto me alegre e contente, porque não estou só, mas estou com Cristo.
O nosso divino Mestre é quem leva todo o peso da cruz, impondo me apenas uma pequena parcela. Ele não é apenas espectador do meu combate, mas também combatente e vencedor em toda esta luta. Por isso é sobre a sua cabeça que se impõe a coroa da vitória, e nela participam todos os seus membros.
Como posso eu suportar este espectáculo, ao ver todos os dias os imperadores, mandarins e seus guardas blasfemar o vosso santo nome, Senhor, que estais sentado sobre os Querubins e os Serafins? Vede como a vossa cruz é calcada aos pés dos pagãos! Onde está a vossa glória? Ao ver tudo isto, sinto inflamar se o meu coração no vosso amor e prefiro ser dilacerado e morrer em testemunho da vossa infinita bondade.
Mostrai, Senhor, o vosso poder, salvai me e amparai me, para que na minha fraqueza se manifeste a vossa força e seja glorificada diante dos gentios, não aconteça que eu vacile pelo caminho e os inimigos se orgulhem na sua soberba.
Ouvindo tudo isto, caríssimos irmãos, tende coragem e alegrai vos, dai graças eternamente a Deus, de quem procedem todos os bens, bendizei comigo ao Senhor, porque é eterna a sua misericórdia.
Louvai o Senhor, todas as nações, aclamai O, todos os povos, porque Deus escolheu o que é fraco para confundir o forte, escolheu o que é insignificante e desprezível para confundir o que se julga nobre. Pela minha boca e inteligência confundiu os mestres deste mundo, porque é eterna a sua misericórdia.
Escrevo todas estas coisas, para que estejam unidas a vossa e a minha fé. No meio desta tempestade, lanço a âncora que me permitirá subir até ao trono de Deus: a esperança viva que está no meu coração.
Caríssimos irmãos, correi de modo que alcanceis a coroa da vitória, revesti vos com a couraça da fé, tomai as armas de Cristo e combatei à direita e à esquerda, como ensina São Paulo, meu patrono. É melhor para vós entrar na vida sem os olhos ou debilitados, do que, com todos os membros, serdes lançados fora.
Ajudai me com as vossas orações, a fim de que possa combater segundo as regras, combater o bom combate, combater até ao fim, de modo que termine felizmente a minha carreira. Se já não nos virmos nesta vida, encontrar nos emos na felicidade da vida futura, quando, na presença do Cordeiro imaculado, num só coração e numa só alma, cantarmos eternamente a alegria da vitória. Amen.