Santos

S. JOÃO LEONARDO, presbítero

 

Nota Histórica

Nasceu em Luca (Toscana) no ano 1541. Estudou Farmácia, mas abandonou esta profissão e ordenou se sacerdote. Dedicou se à pregação, instruindo em especial as crianças na doutrina cristã. Em 1574 fundou a Ordem dos Clérigos Regulares da Mãe de Deus, pela qual teve de sofrer muitas tribulações. Instituiu também uma associação de sacerdotes para a propagação da fé, que a Santa Sé transformou na Congregação «Propaganda fide». Com a sua caridade e prudência restaurou a disciplina em várias Congregações religiosas. Morreu em Roma no ano 1609.

 

Missa

ORAÇÃO
Senhor, fonte de todos os bens, que enviastes o presbítero São João Leonardo a anunciar aos povos o Evangelho, fazei que, por sua intercessão, a verdadeira fé cresça sempre e em toda a parte. Por Nosso Senhor.

 

Liturgia das Horas

De uma Carta de São João Leonardo, presbítero,
ao Papa Paulo V

(Carta Pro universali totius Ecclesiae reformatione: Arquivo da Ordem dos Clérigos Regulares da Mãe de Deus) (Sec. XVI)

Indicar te ei o que o Senhor exige de ti

Os que desejam dedicar se à reforma dos costumes dos homens, procurando antes de mais a glória do Senhor, devem em primeiro lugar esperar e pedir, para tão salutar e difícil problema, o auxílio d’Aquele de quem procede todo o bem. Apresentem se a si mesmos perante aqueles que desejam reformar, como espelho de todas as virtudes e como lâmpadas postas sobre candelabros, a fim de resplandecerem pela integridade de vida e brilho de costumes à vista de todos os que estão na casa de Deus. Deste modo, em vez de obrigarem, atrairão suavemente os homens à reforma de vida. Como afirma o Concílio de Trento, não se exija ao corpo o que não aparece na cabeça da Igreja, pois assim seria ameaçada a estabilidade e a ordem de toda a família do Senhor. Além disso, à semelhança de médicos prudentes, procurem com diligência conhecer a fundo todas as enfermidades que afligem a Igreja e peçam remédio, a fim de poderem aplicar a cada uma delas os medicamentos oportunos.
Quanto aos remédios, que são comuns à Igreja – dado que a sua reforma deve afectar igualmente os primeiros e os últimos, os governantes e os governados – é necessário fixar os olhos primeiramente em todos aqueles que são superiores dos outros, para que a reforma comece no lugar donde deve irradiar para os demais.
Deve pôr se muito cuidado na escolha dos cardeais, patriarcas, arcebispos, bispos e párocos, que são os responsáveis directos na cura de almas, para que sejam tais que se lhes possa entregar com confiança o governo do rebanho do Senhor. Mas passemos também dos superiores aos inferiores, isto é, da cabeça aos mais pequenos, pois estes não podem ficar esquecidos por quem sente a preocupação de elevar o nível da vida cristã. Não se devem deixar de experimentar todos os meios que contribuam para educar as crianças, desde os primeiros anos, em bons costumes e numa fé cristã sincera. Para conseguir isto, nada tão indicado como uma santa instituição para o ensino da doutrina cristã, confiando a formação de tais crianças só a homens bons e tementes a Deus.
São estas, santíssimo Padre, as sugestões que por agora o Senhor Se dignou inspirar me acerca de tão gravíssimo problema. Se à primeira vista parecem muito difíceis, ao compará las com a importância do assunto parecem até muito fáceis. De resto, nada de grande se consegue sem grandes esforços e os grandes empreendimentos confiam se aos grandes homens.