Santos

S. MIGUEL, S. GABRIEL e S. RAFAEL, Arcanjos

 

Nota Histórica

Entre «os puros espíritos que também são denominados Anjos» (Credo do Povo de Deus), sobressaem três, que têm sido especialmente honrados, através do séculos e a Liturgia une na mesma celebração. Além das funções próprias de todos os Anjos, eles aparecem-nos, na Escritura Sagrada, incumbidos de missão especial.
S. Miguel (= «Quem como Deus»?) é o príncipe dos Anjos, identificado, por vezes, como o Anjo do turíbulo de ouro de que fala o Apocalipse. É o Anjo dos supremos combates. É o melhor guia do cristão, na hora da viagem para a eternidade. É o protector da Igreja de Deus (Apoc. 12-19).
S. Gabriel (= «Deus é a minha força») é o mensageiro da Incarnação (Dan. 9, 21-22). É o enviado das grandes embaixadas divinas: anuncia a Zacarias o nascimento do Precursor e revela a Maria o mistério da divina Maternidade. Pio XII, em 12 de Janeiro de 1951, declarou este Arcanjo patrono das telecomunicações.
S. Rafael (= «Medicina de Deus») manifesta-se na Bíblia como diligente e eficaz protector duma família, que se debate para não sucumbir às provações. É conselheiro, companheiro de viagem, defensor e médico. Honrando os Anjos, cuja existência nos é abundantemente testemunhada pela Sagrada Escritura, nós exaltamos o poder de Deus, Criador do mundo visível e invisível.

 

Missa

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 102, 20
Bendizei o Senhor, todos os seus Anjos,
poderosos executores das suas ordens, sempre atentos à sua palavra.

Diz-se o Glória.


ORAÇÃO COLECTA
Senhor Deus do universo,
que estabeleceis com admirável providência
as funções dos Anjos e dos homens,
concedei, propício, que a nossa vida seja protegida na terra
por aqueles que eternamente Vos assistem e servem no Céu.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Dan 7, 9-10.13-14
«Milhares de milhares o serviam»

Leitura da Profecia de Daniel
Eu estava a olhar,
quando foram colocados tronos
e um Ancião sentou-se.
Tinha vestes brancas como a neve
e os cabelos eram como a lã pura.
O seu trono eram chamas de fogo, com rodas de lume vivo.
Um rio de fogo corria, irrompendo diante dele.
Milhares de milhares o serviam
e miríades de miríades o assistiam.
O tribunal abriu a sessão e os livros foram abertos.
Contemplava eu as visões da noite,
quando, sobre as nuvens do céu,
veio alguém semelhante a um Filho do homem.
Dirigiu-Se para o Ancião venerável
e conduziram-no à sua presença.
Foi-lhe entregue o poder, a honra e a realeza,
e todos os povos, nações e línguas O serviram.
O seu poder é eterno, não passará jamais,
e o seu reino jamais será destruído.
Palavra do Senhor.


Em vez da leitura precedente, pode utilizar-se a seguinte:

LEITURA I Ap 12, 7-12a
«Miguel e os seus Anjos lutaram contra o Dragão»

Leitura do Apocalipse de São João
Travou-se um combate no Céu:
Miguel e os seus Anjos lutaram contra o Dragão.
O Dragão e os seus anjos lutaram também,
mas foram derrotados
e perderam o seu lugar no Céu para sempre.
Foi expulso o enorme Dragão, a antiga serpente,
aquele que chamam Diabo e Satanás,
que seduz o universo inteiro;
foi precipitado sobre a terra
e os seus anjos foram precipitados com ele.
Depois ouvi no Céu uma voz poderosa que dizia:
«Agora chegou a salvação, o poder e a realeza do nosso Deus
e a autoridade do seu Ungido,
porque foi precipitado o acusador dos nossos irmãos,
aquele que os acusava dia e noite diante do nosso Deus.
Eles venceram-no, graças ao sangue do Cordeiro
e à palavra do testemunho que deram,
desprezando a própria vida, até aceitarem a morte.
Por isso, alegrai-vos, ó Céus,
e vós que neles habitais».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 137 (138), 1-2a.2bc-3.4-5 (R. 1c)
Refrão: Na presença dos Anjos,
eu Vos louvarei, Senhor.

De todo o coração, Senhor, eu Vos dou graças,
porque ouvistes as palavras da minha boca.
Na presença dos Anjos Vos hei-de cantar
e Vos adorarei, voltado para o vosso templo santo.

Hei-de louvar o vosso nome pela vossa bondade e fidelidade,
porque exaltastes acima de tudo o vosso nome
e a vossa promessa.
Quando Vos invoquei, me respondestes,
aumentastes a fortaleza da minha alma.

Todos os reis da terra Vos hão-de louvar, Senhor,
quando ouvirem as palavras da vossa boca.
Celebrarão os caminhos do Senhor,
porque é grande a glória do Senhor.


ALELUIA Salmo 102 (103), 21
Refrão: Aleluia. Repete-se

Bendizei o Senhor todos os seus exércitos,
poderosos executores da sua vontade. Refrão


EVANGELHO Jo 1, 47-51
«Vereis o Céu aberto
e os Anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do homem»

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Naquele tempo,
Jesus viu Natanael, que vinha ao seu encontro, e disse:
«Eis um verdadeiro israelita,
em quem não há fingimento».
Perguntou-lhe Natanael: «De onde me conheces?».
Jesus respondeu-lhe:
«Antes que Filipe te chamasse,
Eu vi-te quando estavas debaixo da figueira».
Disse-lhe Natanael:
«Mestre, Tu és o Filho de Deus,
Tu és o Rei de Israel!».
Jesus respondeu:
«Porque te disse: ‘Eu vi-te debaixo da figueira’, acreditas.
Verás coisas maiores do que estas».
E acrescentou: «Em verdade, em verdade vos digo:
Vereis o Céu aberto
e os Anjos de Deus subindo e descendo
sobre o Filho do homem».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai, Senhor, este sacrifício de louvor
e fazei que, pelo ministério dos Anjos,
seja levado à presença da vossa divina majestade
e se torne para nós fonte de salvação eterna.
Por Nosso Senhor.

Prefácio dos Anjos


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 137, 1
De todo o coração, Senhor, eu Vos dou graças.
Na presença dos Anjos Vos louvarei, meu Deus.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Senhor, nosso Pai,
que nos fortalecestes com o pão do Céu,
fazei que, protegidos pelos santos Anjos,
sigamos firmemente o caminho da salvação.
Por Nosso Senhor.

 

Liturgia das Horas

Das Homilias de São Gregório Magno, papa,
sobre os Evangelhos

(Hom. 34, 8-9: PL 76, 1250-1251) (Sec. VI)

A palavra «Anjo» designa a sua função, não a sua natureza

Deveis saber que a palavra «Anjo» designa uma função, não uma natureza. Na verdade, aqueles santos espíritos da pátria celeste são sempre espíritos, mas nem sempre se podem chamar Anjos. Só são Anjos quando exercem a função de mensageiros. Os que transmitem mensagens de menor importância chamam se Anjos; os que transmitem mensagens de maior transcendência chamam se Arcanjos.
Esta é a razão pela qual à Virgem Maria não foi enviado um Anjo qualquer mas o Arcanjo Gabriel; de facto, era justo que para esta missão fosse enviado um Anjo superior, porque vinha anunciar a maior de todas as mensagens.
É pela mesma razão que se lhes atribuem nomes particulares, que designam a missão respectiva que desempenham. Na santa cidade do Céu, onde a visão de Deus omnipotente dá um perfeito conhecimento de tudo, não precisam de nomes próprios para se distinguirem uns dos outros; mas quando vêm realizar alguma missão junto dos homens, são conhecidos pelo nome da função que exercem.
Assim, Miguel significa «Quem como Deus?»; Gabriel, «Fortaleza de Deus»; e Rafael, «Medicina de Deus».
Quando se trata de realizar algum mistério que exige um poder especial, verifica se que é Miguel o enviado, para dar a entender, pela sua acção e pelo seu nome, que ninguém pode actuar como Deus. Por isso aquele antigo inimigo, que pela sua soberba pretendeu ser semelhante a Deus, dizendo: Subirei até ao céu, levantarei o meu trono acima dos astros do céu e serei semelhante ao Altíssimo, será abandonado a si mesmo no fim do mundo e condenado ao extremo suplício. É este que São João no Apocalipse nos apresenta a combater contra o Arcanjo Miguel: Travou se um combate no Céu contra o Arcanjo Miguel.
A Maria foi enviado Gabriel, que significa «Fortaleza de Deus», porque veio anunciar Aquele que, apesar da sua aparência humilde, havia de triunfar sobre os poderes superiores. Convinha, de facto, ser anunciado pela «Fortaleza de Deus» Aquele que vinha ao mundo como Senhor dos Exércitos e poderoso das batalhas.
Rafael, como dissemos, quer dizer «Medicina de Deus», como se compreende na missão que teve junto de Tobias: tocou lhe os olhos como um médico e dissipou as trevas da sua cegueira. Por isso, aquele que foi enviado para curar, é chamado «Medicina de Deus».