Santos

S. Pedro Julião Eymard, presbítero

 

Nota Histórica

Nasceu na cidade La Mure (França), no ano de 1811. Depois de ter sido ordenado sacerdote e se ter dedicado durante alguns anos à actividade apostólica, entrou na Sociedade de Maria. Exímio apóstolo do mistério eucarístico, fundou congregações de religiosos e de religiosas, para se consagrarem ao culto eucarístico, e tomou muitas e excelentes iniciativas entre as pessoas de todas as condições para promover o amor para com a santa Eucaristia. Morreu no primeiro dia de Agosto de 1868, na sua cidade natal.

 

Missa

ORAÇÃO
Deus de infinita bondade, que inspirastes a São Pedro Julião uma devoção admirável aos santos mistérios do Corpo e Sangue do vosso Filho, concedei-nos que, seguindo o seu exemplo, possamos saborear dignamente a suavidade deste banquete sagrado. Por Nosso Senhor.

 

Liturgia das Horas

Dos escritos de São Pedro Julião, presbítero

(La présence réelle, vol. I, Paris 1950, pp. 270-271 e 307-308)

A Eucaristia, sacramento da vida

A Eucaristia é a vida de todos os povos. A Eucaristia é para todos a fonte da vida. Todos se podem reunir na Igreja, sem impedimento algum, quer de raça quer de língua, para celebrar a festa sacrossanta. A Eucaristia dá-lhes a lei da vida, ou melhor, da caridade, de que este sacramento é a fonte. Deste modo ela estabelece entre eles um vínculo comum, uma certa familiaridade cristã. Todos comem o mesmo pão, todos são comensais de Jesus Cristo, que estabelece sobrenaturalmente entre eles uma certa concórdia de hábitos fraternos. Lede os Actos dos Apóstolos. Eles afirmam que a multidão dos cristãos, quer dos judeus convertidos quer dos pagãos baptizados, provenientes de diversas regiões, tinham um só coração e uma só alma. Porquê? Porque eram assíduos a escutar a doutrina dos Apóstolos e perseveravam na fracção do pão.
A Eucaristia é também a vida da alma e da sociedade humana, como o sol é a vida dos corpos e da face da terra. Sem o sol, a terra é estéril; ele alegra-a, adorna-a e enriquece-a; ele dá aos corpos a eficácia, a força e a beleza. Perante estes factos admiráveis, não nos admiremos de que os pagãos o tenham venerado como o deus do mundo. Ele obedece ao Astro do dia e segue o supremo Sol, o Verbo divino, Jesus Cristo, que ilumina todos os homens que vêm a este mundo, e que, pela Eucaristia, como sacramento da vida, actua no íntimo das almas, de tal modo que transforma as famílias e as nações. Ditosa a alma fiel que encontra este tesouro escondido, que assiduamente mata a sua sede nesta fonte da vida, que come incessantemente este Pão da vida!
A comunidade dos cristãos é realmente uma família e o vínculo entre os seus membros é Jesus na Eucaristia. Ele é o pai que prepara a mesa da família. A fraternidade cristã foi promulgada na Ceia simultaneamente com a paternidade de Jesus Cristo; Ele chama aos seus Apóstolos filioli, isto é, meus filhos, e manda-lhes que se amem mutuamente como Ele os amou.
Na santa mesa todos são filhos que recebem o mesmo alimento; e por isso São Paulo conclui que eles constituem uma família e formam o mesmo corpo, porque participam do mesmo pão, que é Jesus Cristo.
Finalmente, a Eucaristia proporciona à comunidade cristã a capacidade de observar a lei do respeito e da caridade para com o próximo. Jesus Cristo manda honrar e amar os seus irmãos. É por isso que Ele próprio os assume em Si mesmo, dizendo: Tudo o que fizestes a um dos meus irmãos mais pequeninos, a Mim o fizestes; Ele dá-Se a cada um na santa comunhão.