Martirológio Romano

Aug 21, 2018

 

Memória de São Pio X, papa, que, depois de exercer o ministério paroquial, foi bispo de Mântua e Patriarca de Veneza; finalmente eleito Romano Pontífice, tomou como lema do seu governo “instaurar todas as coisas em Cristo”, que pôs em prática com grande simplicidade de alma, pobreza e fortaleza, incitando os fiéis a intensificar a vida cristã com a participação na Eucaristia, a dignidade da sagrada Liturgia e a integridade da doutrina.

 

(† 1914)

2.   Na Trácia, na actual Turquia, os santos Agatónico, Zótico e outros, mártires, que, segundo a tradição, sofreram o martírio em Silímbria e noutros lugares da região.

(† s. III)

3.   Em Roma, no Campo Verano, Santa Ciríaca, que deu o seu nome ao cemitério na Via Tiburtina, que ela tinha doado à Igreja.

(† s. III-IV)

4.   Em Útica, na África Proconsular, na actual Tunísia, São Quadrato, bispo e mártir, que, juntamente com todo o seu povo, clérigos e leigos, deu testemunho de Cristo e, como bom pastor, seguiu no martírio, quatro dias depois, o rebanho que tinha apascentado.

(† s. III-IV)

5.   Em Verona, actualmente no Véneto, região da Itália, Santo Euprépio, que é considerado o primeiro bispo desta cidade.

(† s. III-IV)

6.   Em Fordingiano, na Sardenha, região da Itália, São Lussório, mártir.

(† s. IV)

7.   Comemoração dos santos mártires Bassa e seus três filhos Teógnio, Agápio e Pístio, que se narra terem sofrido o martírio: Bassa, na ilha Halona, os outros em Edessa, na Hélade, lugares da actual Grécia.

(† s. IV)

8.   Em Gévaudan, território dos Gábalos, povo antigo da Gália meridional, na actual França, São Privato, bispo e mártir, que, durante a invasão dos Vândalos, capturado na cripta onde se retirava em jejuns e orações, foi flagelado até à morte por se ter recusado a atraiçoar o seu rebanho sacrificando aos ídolos.

(† c. 407)

9.   Em Clermont-Ferrand, na Aquitânia, também na actual França, São Sidónio Apolinar, que era prefeito da cidade de Roma, quando foi ordenado bispo de Clermont; dotado de grande cultura, tanto nas ciências humanas como nas ciências sagradas, e animado de singular fortaleza cristã, opôs-se corajosamente à ferocidade dos bárbaros como verdadeiro pai universal e mestre insigne.

(† c. 479)

10*.   Em Alzira, na província de Valência, na Espanha, a comemoração dos santos mártires Bernardo, anteriormente chamado ‘Ahmed, monge da Ordem Cisterciense, e suas irmãs Maria (Zaida) e Graça (Zoraida), que ele tinha conduzido da religião maometana à fé cristã.

(† c. 1180)

11.   Em Hung Yên, cidade do Tonquim, no actual Vietnam, São José Dang Dinh (Niên) Viên, presbítero e mártir no tempo do imperador Minh Mang.

(† 1838)

12*.   Em Antananarivo, na ilha de Madagáscar, a Beata Vitória Rasoamarivo, que, depois de viver em matrimónio com um homem violento e tendo ficado viúva, quando os missionários foram expulsos da ilha, ajudou com grande solicitude os cristãos e defendeu-os perante os magistrados públicos.

(† 1894)

13*.   Em Alberic, localidade da província de Valência, na Espanha, o Beato Salvador Estrugo Solves, presbítero e mártir, que, durante a perseguição, suportou por amor de Cristo todas as adversidades até alcançar a palma do martírio.

(† 1936)

14*.   Em El Morrot, localidade próxima de Barcelona, também na Espanha, o Beato Raimundo Peiró Victori, presbítero da Ordem dos Pregadores e mártir, que, na mesma perseguição, acolhendo fielmente as palavras de Cristo, passou da morte à vida gloriosa.

(† 1936)

15*.   Perto de Munique, cidade da Baviera, na Alemanha, o Beato Bruno Zembol, mártir, que, deportado da Polónia, sua pátria, dominada por um regime inimigo de Deus, por causa da sua fé foi recluído no campo de concentração de Dachau, onde sofreu cruéis tormentos e morreu gloriosamente.

(† 1942)

16♦.   Em Nowi Zmigrod, na Polónia, o Beato Ladislau Findysz, presbítero diocesano de Przemysl e mártir, que foi assassinado por um nefando regime hostiç à Igreja e à dignidade humana.

(† 1964)