Martirológio Romano

Aug 24, 2017

 

Festa de São Bartolomeu, Apóstolo, geralmente identificado com Natanael, que, nascido em Caná da Galileia, foi conduzido por Filipe a Jesus Cristo junto ao rio Jordão, onde o Senhor o chamou para que O seguisse e o agregou aos Doze. Segundo a tradição, depois da Ascensão do Senhor pregou o Evangelho na Índia e aí foi coroado pelo martírio.

 

2.   Em Claudiópolis, cidade da Honoríade, hoje Bolu, na Turquia, São Tacião, mártir.

(† data inc.)

3.   Em Clichy, no território de Paris, na actual França, o passamento de Santo Audeno, bispo de Rouen, que, deixando o cargo de conselheiro do rei Dagoberto, foi elevado ao episcopado e governou com sucesso a sua Igreja durante quarenta e três anos, durante os quais fundou muitas igrejas e promoveu a construção de vários mosteiros.

(† 684)

4.   No monte Olimpo, na Bitínia, hoje na Turquia, São Jorge Limniota, monge, que censurou a impiedade do imperador Leão III por ter destruído as sagradas imagens e lançado ao fogo as relíquias dos Santos; por isso foi-lhe cortado o nariz e queimada a cabeça por ordem imperial, e assim com a glória do martírio foi ao encontro do Senhor.

(† c. 730)

5.   Em Lima, no Peru, o dia natal de Santa Rosa, cuja memória se celebra no dia anterior.

(† 1617)

6*.   Em Angers, na França, o Beato André Fardeau, presbítero e mártir, que, durante a Revolução Francesa, em ódio ao sacerdócio foi degolado.

(† 1794)

7.   Em Nápoles, na Campânia, região da Itália, Santa Joana Antida Thouret, virgem, que prosseguiu a vida religiosa, interrompida durante a Revolução Francesa, juntamente com algumas companheiras, que em Besançon agregou a si na nova Sociedade das Irmãs da Caridade, destinada à formação cristã e civil da juventude, à assistência de caridade para as crianças desamparadas e ao cuidado dos pobres e dos enfermos; expirou afectada por grandes tribulações.

(† 1826)

8.   Em Marselha, na França, Santa Emília de Vialar, virgem, que, na intenção de fortalecer a difusão do Evangelho em regiões longínquas, fundou e propagou a Congregação das Irmãs de São José da Aparição.

(† 1856)

9.   Em Valência, na Espanha, Santa Maria Micaela do Santíssimo Sacramento (Micaela Desmaisières), virgem, fundadora da Congregação das Escravas do Santíssimo Sacramento e da Caridade, que, movida pela sua incansável tenacidade e desejo ardente de salvar almas para Deus, dedicou a sua vida à recuperação das jovens moralmente extraviadas e das meretrizes.

(† 1865)

10*.   Em Tulcan, no Equador, a Beata Maria da Encarnação (Maria Vicenta Rosal), que fundou a Ordem Bethlemita, destinada especialmente a promover a dignidade da mulher e formar cristãmente as jovens.

(† 1886)

11♦.   Em Toledo, na Espanha, o Beato José Polo Benito, presbítero da diocese de Salamanca e mártir, que foi assassinado em ódio à Igreja.

(† 1936)

12♦.   Em Peñas de San Pedro, perto de Albacete, também na Espanha, o Beato Rigoberto Aquilino de Anta y de Bárrio, presbítero da diocese de Múrcia e mártir, que deu a vida por Cristo na mesma perseguição.

(† 1936)

13♦.   Em Madrid, também na Espanha, o Beato Félix González Tejedor, presbítero da Sociedade Salesiana e mártir, que, durante a mesma perseguição, morreu por causa do seu corajoso testemunho da fé.

(† 1936)

14♦.   Em Málaga, também na Espanha, o Beato Manuel Fernández Ferro, presbítero da Sociedade Salesiana e mártir, que na mesma perseguição derramou o seu sangue por Cristo.

(† 1936)

15♦.   Em Gijón, também na Espanha, o Beato João Pérez Rodríguez, presbítero da Ordem de Santo Agostinho e mártir, que na mesma perseguição morreu professando a sua fé em Cristo.

(† 1936)

16*.   No campo de concentração de Dachau, próximo de Munique, cidade da Baviera, na Alemanha, o Beato Maximiano Binkiewicz, presbítero e mártir, que, durante a guerra, deportado pelos soldados invasores da Polónia, sua pátria, por causa da sua fé em Cristo, faleceu vítima dos tormentos e suplícios suportados no desumano cativeiro.

(† 1942)

17*.   Em Dresda, na Alemanha, os beatos Ceslau Jozwiak, Eduardo Kazmierski, Francisco Kesy, Eduardo Klinik e Iarognievo Wojciechowski, mártires, naturais da Polónia, que, na mesma perseguição, foram encarcerados e, trespassados por golpes de baionetas, consumaram o martírio.

(† 1942)