Martirológio Romano

Dec 11, 2017

São Dâmaso I, papa, que, em tempos muito difíceis, reuniu numerosos sínodos para defender a fé de Niceia contra os cismas e as heresias, estimulou São Jerónimo para traduzir em latim os livros sagrados e honrou piedosamente os sepulcros dos mártires, adornando-os com suas inscrições em verso.

 

(† 384)

2.   No território de Amiens, na Gália Bélgica, actualmente na França, os santos Vitorico e Fusciano, mártires.

(† c. s. III)

3.   Em Piacenza, na Emília-Romanha, região da Itália, São Sabino, bispo, que converteu multidões à fé em Cristo, fundou mosteiros de virgens e defendeu energicamente a verdade nicena.

(† c. s. IV)

4.   Em Constantinopla, hoje Istambul, na Turquia, São Daniel Estilita, presbítero, que, depois de viver no cenóbio e suportar muitos trabalhos, seguindo o exemplo de vida de São Simeão permaneceu no alto de uma coluna até à morte, durante trinta e três anos e três meses, imperturbável ao frio, ao calor ou aos ventos.

(† 493)

5*.   No mosteiro de Himmerod, perto de Tréveris, na Alemanha, o Beato David, monge, que, sendo débil de corpo, foi recebido em Claraval por São Bernardo, que depois o enviou com outros irmãos à Alemanha para fundar um novo mosteiro e aí se entregou dia e noite à oração e às boas obras.

(† 1179)

6*.   Em Sena, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, o Beato Franco Líppi, eremita da Ordem dos Carmelitas, insigne pela grande austeridade da sua vida.

(† 1292)

7*.   No território de Camerino, no Piceno, hoje nas Marcas, região da Itália, o Beato Hugolino Magalótti, eremita, da Ordem Terceira de São Francisco.

(† 1373)

8 *.   Em Sant’Ângelo in Vado, também no Piceno da Itália, o Beato Jerónimo (Jerónimo Ranuzzi), presbítero da Ordem dos Servitas de Maria, que na solidão e no silêncio alcançou a sabedoria da santidade.

(† c. 1468)

9 *.   Em Nagasáki, no Japão, os beatos Martinho Lumbreras Peralta e Melchior Sánchez Pérez, presbíteros da Ordem de Santo Agostinho e mártires, os quais, logo que chegaram a esta cidade, foram aprisionados, lançados numa cela obscura e finalmente queimados vivos.

(† 1632)

10*.   Em Londres, na Inglaterra, o Beato Artur Bell, presbítero da Ordem dos Frades Menores e mártir, que, no reinado de Carlos I, só pelo facto de ser sacerdote, foi condenado à pena capital e sofreu o patíbulo de Tyburn.

(† 1643)

11 *.   Em El Saler, localidade próxima de Valência, na Espanha, a Beata Maria do Pilar Villalonga Vilallba, virgem e mártir, que, durante a perseguição religiosa, com o seu martírio seguiu os passos de Cristo.

(† 1936)

12♦.  

12♦.   Em Goradze, na Bósna-Herzegovina, as beatas María Julia Ivanisevic e quatro Companheiras[1], religiosas professas do Instituto das Filhas da Divina Caridade e mártires, que se empenhavam ardorosamente ao apostolado de âmbito ecuménico, pastoral e caritativo, até que, atacadas pela feroz violência de milicianos e finalmente fuziladas, deram a vida pela sua intrépida fidelidade a Cristo.

 


[1]  São estes os seus nomes: Berchmana Leidenix,  Krizina Bojanac, Antónia Fabjan e Bernadete Banja.

 

.

(† 1941)

13♦.   Em La Aldehuela, localidade da região de Madrid, na Espanha, Santa Maria Maravillas Pidal y Chico de Guzmán (Maravilhas de Jesus), virgem da Ordem das Carmelitas Descalças, que fundou vários mosteiros bem como centros de assistência socio-caritativa, conciliando a vida contemplativa com uma generosa caridade.

(† 1974)