Martirológio Romano

Sep 27, 2017

Memória de São Vicente de Paulo, que, cheio de espírito sacerdotal, se entregou ao cuidado dos pobres em Paris, na França, reconhecendo em cada pessoa atribulada o rosto do seu Senhor. Fundou a Congregação da Missão e, com a colaboração de Santa Luísa de Marillac, também a Congregação das Filhas da Caridade, para configurar a Igreja à sua imagem primitiva, para formar santamente o clero e para socorrer os necessitados.

 

(† 1660)

2.   Em Milão, na Gália Transpadana, hoje na Lombardia, região da Itália, São Caio, bispo.

(† s. III)

3.   Na fortaleza de Bremur, no território dos Éduos, na Gália, actualmente na França, São Florentino, que, segundo a tradição, foi decapitado pelos Vândalos juntamente com Santo Hilário.

(† s. V)

4.   No cenóbio de Liessies, no Hainaut da Austrásia, também na actual França, Santa Hiltrudes, virgem, que viveu piedosamente retirada com seu irmão Guntardo, abade.

(† d. 800)

5.   Em Córdova, na Andaluzia, região da Espanha, os santos mártires Adolfo e João, irmãos, que, durante a perseguição dos Mouros, no tempo do rei ‘Abd ar-Rahman II, foram coroados com o martírio por Cristo.

(† c. 825)

6.   Em Fara, próximo de Cíngoli, no Piceno, hoje nas Marcas, região da Itália, São Bonfílio, que, depois de ter sido bispo de Folinho, passou dez anos na Terra Santa e, ao regressar a Itália, se retirou no mosteiro de Stóraco, do qual tinha sido abade, morrendo finalmente na solidão.

(† c. 1115)

7.   Em Paris, na França, Santo Eleázaro ou Eleázar de Sabran, conde de Ariano, que, observando a virgindade e todas as virtudes com sua esposa, a Beata Delfina, morreu na flor da idade.

(† 1323)

8*.   Em Pistóia, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, o Beato Lourenço de Ripafratta, presbítero da Ordem dos Pregadores, que observou fielmente durante sessenta anos a disciplina religiosa e foi assíduo na administração sacramental da Penitência.

(† 1456)

9*.   Num sórdido barco-prisão ancorado ao largo de Rochefort, no litoral da França, o Beato João Baptista Laborier du Vivier, diácono e mártir, que, em tempo de perseguição contra a Igreja, por causa do seu estado clerical foi condenado a cruel cativeiro, onde morreu consumido por grave enfermidade.

(† 1794)

10*.   Em Sagunto, na Espanha, os beatos mártires José Fenollosa Alcayna, presbítero, e Fidel de Puzol (Mariano Climente Sanchis), religioso da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos, que, durante o furor da perseguição religiosa, derramaram o seu sangue por Cristo.

(† 1936)

11*.   Em Gilet, povoação da província de Valência, também na Espanha, as beatas mártires Francisca Xavier de Rafelbunol (Maria Fenollosa Alcayna), da Ordem Terceira das Capuchinhas da Sagrada Família, e Hermínia Martínez Amigó, mãe de família, que, na mesma perseguição religiosa, confirmaram com o seu sangue a sua fidelidade ao Senhor.

(† 1936)

12♦.   Em Lloret del Mar, perto de Gerona, também na Espanha, as beatas Madalena Fradera Ferragutcasas, Maria do Carmo Fradera Ferragutcasas e Maria Rosa Fradera Ferragutcasas, virgens da Congregação das Missionárias do Coração de Maria e mártires, que mereceram associar-se às núpcias eternas com seu Esposo, Jesus Cristo.

(† 1936)