Martirológio Romano

Apr 09, 2017

1.   Em Alexandria, no Egipto, São Máximo, bispo, que, durante o tempo em que era presbítero, acompanhou no exílio e na confissão da fé São Dionísio, a quem sucedeu na sede episcopal.

(† 282)

2.   Também em Alexandria, Santo Edésio, irmão de Santo Anfiano, que, no tempo do imperador Maximino, censurou abertamente o juiz por entregar ao lenocínio as virgens consagradas a Deus, e por isso foi preso e torturado pelos soldados e lançado ao mar, morrendo por Cristo Nosso Senhor.

(† 306)

3.   Em Sirmium, na Panónia, hoje Sremska Mitrovica, na Sérvia, São Demétrio, mártir, que é piedosamente venerado em todo o Oriente, especialmente em Tessalónica.

(† s. III/IV)

4.   Em Cesareia, na Capadócia, hoje Kayseri, na Turquia, Santo Eupsíquio, mártir, que, por ter destruído o templo da deusa Fortuna, sofreu o martírio no tempo do imperador Juliano Apóstata.

(† c. 362)

5.   Em Le Mans, na Gália Lionense, hoje na França, São Libório, bispo.

(† s. IV)

6.   Em Amida, na Mesopotâmia, hoje Diyarbakir, na Turquia, Santo Acácio, bispo, que, para resgatar os persas cativos e sujeitos a duros suplícios, persuadiu o clero e chegou a vender aos romanos os vasos sagrados da Igreja.

(† s. V)

7.   Em Mons, na Nêustria, hoje na Bélgica, Santa Valdetrudes, que era irmã de Santa Aldegundes, esposa de São Vicente Madelgário e mãe de quatro santos, e, imitando seu esposo, se consagrou a Deus e tomou o hábito monástico num cenóbio por ela fundado.

(† 688)

8.   Em Jumièges, também na Nêustria, hoje na França, Santo Hugo, bispo de Rouen, que governou simultaneamente o mosteiro de Fontenelle e as Igrejas de Paris e de Baieux e, finalmente, renunciando a estas funções, dirigiu o mosteiro de Jumièges.

(† 730)

9.   No lugar de São Vicente, próximo de Briviesca, em Castela, região da Espanha, Santa Cassilda, virgem, que, tendo nascido na religião maometana, ajudou compassivamente os cristãos encarcerados e depois seguiu a vida cristã na solidão eremítica.

(† 1075)

10*.   Em Aureil, no território de Limoges, na França, São Gauquério, que foi cónego regular e resplandeceu para o clero como exemplo de vida comum e zelo das almas.

(† 1140)

11*.   Junto ao monte Senário, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, o Beato Ubaldo de Sansepolcro, presbítero da Ordem dos Servos de Maria, que foi conduzido da milícia terrestre ao serviço de Maria por São Filipe Benízi.

(† 1315)

12*.   Em Tana, na Índia oriental, o Beato Tomás de Tolentino, presbítero da Ordem dos Menores e mártir, que, tendo partido para anunciar o Evangelho no império da China, quando passava pelas terras dos Tártaros e dos Indianos, coroou a sua missão com glorioso martírio.

(† 1321)

13*.   Em Bricherásio, junto de Pinerolo, no Piemonte, região da Itália, o Beato António Pavóni, presbítero da Ordem dos Pregadores e mártir, que, ao sair da igreja onde pregara contra a heresia, foi barbaramente trucidado.

(† 1374)

14♦.   Em Dax, na Aquitânia, região da França, a Beata Margarida Rutan, virgem da Congregação das Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo e mártir.

(† 1794)

15*.   No campo de concentração de Auschwitz, perto de Cracóvia, na Polónia, a Beata Celestina Faron, virgem da Congregação das Pequenas Servas da Imaculada Conceição e mártir, que, durante a ocupação militar da Polónia, foi encerrada no cárcere por causa da sua fé em Cristo e, atormentada por cruéis suplícios, alcançou a gloriosa coroa do martírio.

(† 1944)

16♦.   Em Salvador da Baía, no Brasil, a Beata Lindalva Justo de Oliveira, virgem da Companhia das Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo e mártir.

(† 1993)