Martirológio Romano

Apr 16, 2017

1.   Em Corinto, cidade da Acaia, actualmente na Grécia, os santos mártires Leónidas e sete companheiros[1], que, depois de suportarem vários suplícios, foram afogados no mar.


[1]  São estes os seus nomes: Carissa, Galina, Teodora, Nice, Nunécia, Cális, Basilissa.

 

(† s. III/IV)

2.   Em Saragoça, na Hispânia Tarraconense, a comemoração dos santos Optato e dezassete companheiros[2] martires, que, durante a perseguição do imperador Diocleciano, foram torturados e mortos; o seu ilustre martírio foi celebrado em poemas de Prudêncio.


[2]  São estes os seus nomes: Luperco, Sucesso, Marcial, Urbano, Júlia, Quintiliano, Públio, Frontão, Félix, Ceciliano, Evódio, Primitivo, Apodémio e outros quatro chamados Saturnino.

 

(† s. IV)

3.   Na mesma cidade de Saragoça, a comemoração de Santa Engrácia, virgem e mártir, que, duramente torturada, sobreviveu a todos os suplícios, permanecendo durante algum tempo em seus membros os sinais das suas chagas.

(† s. IV)

4.   Também em Saragoça, a comemoração dos santos Caio e Cremêncio, que na mesma perseguição venceram as torturas, perseverando na fé de Cristo.

(† s. IV)

5.   Em Astorga, no reino dos Suevos, também na Hispânia, São Turíbio, bispo, que, por mandato do papa São Leão Magno, combateu fortemente a seita dos priscilianistas que progredia na Hispânia.

(† s. V)

6.   Em Braga, na Galécia, hoje em Portugal, São Frutuoso, bispo. A sua memória celebra-se em Portugal no dia cinco de Dezembro, juntamente com a dos bispos São Martinho de Dume e São Geraldo.

(† c. 665)

7*.   Na Escócia, São Magno, mártir, que era príncipe das ilhas Órcades, quando abraçou a fé cristã; afastado pelo rei da Noruega por ter reclamado contra a arrogância do seu povo e chamado dolosamente a comparecer para firmar um acordo de paz com o seu adversário no principado, apresentou-se sem armas e foi assassinado.

(† 1116)

8.   Em Sebourg, no Hainaut, actualmente na França, São Drogão, que, aspirando a uma vida simples e solitária, se fez pastor e peregrino pelo Senhor e terminou o curso dos seus dias recluso numa pequena cela.

(† c. 1186)

9*.   Em Bróni, perto de Pavia, na Lombardia, região da Itália, a comemoração de São Contardo, peregrino, que decidiu viver em extrema pobreza e morreu atingido por uma enfermidade quando ia a caminho de Compostela.

(† 1249)

10*.   Em Sena, na Etrúria, o Beato Joaquim, religioso da Ordem dos Servos de Maria, que se distinguiu pela sua singular devoção à Santíssima Virgem e cumpriu a lei de Cristo, tomando sobre si o encargo dos pobres.

(† 1305)

11.   Em Roma, São Bento José Labre, que, aspirando desde a adolescência a uma vida de áspera penitência, fez árduas peregrinações a célebres santuários, coberto com uma veste rude e esfarrapada, alimentando-se apenas com o alimento que recebia em esmola e dando exemplo de piedade e penitência por toda a parte onde passava; regressou finalmente a Roma, onde se consagrou a uma vida de oração e suprema pobreza.

(† 1783)

12*.   Em Avrillé, junto de Angers, na França, os beatos mártires Pedro Delépine, João Menard e vinte e quatro companheiras[3], quase todos agricultores, que durante a Revolução Francesa foram fuzilados em ódio à fé cristã.


[3]  São estes os seus nomes: Renata Bourgeais, Joana Gourdon, Maria Gingueneau, Francisca Michoneau, Joana Onillon, Renata Séchet, Maria Roger, Francisca Suhard, Joana Tomás, viúvas; Madalena Cady, Maria Piou, Petrina Renata Pottier, Renata Rigault, Joana Maria Leduc, Madalena Sallé, esposas; Maria Genoveva e Marta Poulain de la Forestrie, Petrina Bourigault, Maria Forestier, Maria Lardeux, Petrina Laurent, Ana Maugrain, Margarida Robin, Maria Rochard.

 

(† 1794)

13.   Em Nevers, também na França, Santa Maria Bernarda (Bernadete) Soubirous, virgem, que nasceu de uma família muito pobre na povoação de Lourdes e, sendo ainda de tenra idade, experimentou a presença da Virgem Santa Maria Imaculada e depois, tomando o hábito religioso, levou no convento uma vida oculta e humilde.

(† 1879)