Martirológio Romano

Feb 07, 2017

Festa das Cinco Chagas do Senhor, isto é, das feridas que Cristo recebeu na cruz e manifestou aos Apóstolos depois da sua ressurreição, devoção muito viva entre os portugueses desde os começos da nacionalidade e confirmada pelos Romanos pontífices, a partir de Bento XIV.

 

2.   Em Nola, na Campânia, região da Itália, São Máximo, bispo, que em tempo de perseguição dirigiu a Igreja desta cidade e, depois de uma longa vida, morreu em paz.

(† s. III)

3.   Em Lâmpsaco, no Helesponto, na actual Turquia, São Parténio, bispo, que, segundo a tradição, no tempo do imperador Constantino Magno propagou a fé pela palavra e pelo exemplo da sua vida.

(† s. IV)

4.   No monte Sinai, São Moisés, que, depois de ter seguido a vida solitária no ermo, foi ordenado bispo a pedido de Máuvia, rainha dos Sarracenos, e conseguiu pacificar aquela gente ferocíssima e manter ilesa a vida dos cristãos.

(† c. 389)

5.   Em Florença, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, Santa Juliana, viúva.

(† s. IV)

6*.   Em Manfredónia, na Apúlia, também região da Itália, São Lourenço, bispo.

(† c. 545)

7.   Em Lucca, na Etrúria, hoje na Toscana, também na Itália, o sepultamento de São Ricardo, pai dos santos Vinebaldo e Valburges, que morreu quando ia com seus filhos em peregrinação da Inglaterra para Roma.

(† c. 720)

8.   Em Sóterum, na Fócida, região da Grécia, São Lucas o Jovem, eremita.

(† 955)

9*.   Em Múccia, no Piceno, hoje nas Marcas, região da Itália, o Beato Ricério, que foi dos primeiros e mais queridos discípulos de São Francisco.

(† 1236)

10*.   Em Assis, na Úmbria, também região da Itália, o Beato António de Stroncone, religioso da Ordem dos Frades Menores.

(† 1461)

11*.   Em Londres, na Inglaterra, o Beato Tomás Sherwood, mártir, que, sendo negociante de tecidos, se dirigiu para Douai a fim de se preparar para o sacerdócio; mas quando regressou a Londres para assistir ao seu pai enfermo e idoso, ao passar por uma rua, foi conduzido ao martírio, no reinado de Isabel I.

(† 1578)

12*.   Em Aubenas, no Viviers, região da França, os beatos mártires Tiago Sales, presbítero, e Guilherme Saltmouche, religioso, ambos da Companhia de Jesus, que, por fortalecerem o povo na fé católica com a sua pregação, depois de ter sido tomada a cidade pelos huguenotes, foram chacinados num domingo, diante do povo, por causa da sua fé.

(† 1593)

13*.   Em Nápoles, na Campânia, região da Itália, Santo Egídio Maria de São José (Francisco Pontillo), religioso da Ordem dos Frades Menores, que todos os dias pedia esmola ao povo pelas ruas da cidade com extrema humildade, retribuindo com palavras de consolação.

(† 1812)

14.   Em Changsha, cidade do Hunan, província da China, São João de Triora (Francisco Maria Lântrua), presbítero da Ordem dos Frades Menores e mártir, que, após cruéis tormentos de longo cativeiro, foi morto por enforcamento.

(† 1816)

15*.   Em Paris, na França, a Beata Rosália (Joana Maria Rendu), virgem das Filhas da Caridade, que, vivendo numa casa dos subúrbios mais pobres daquela cidade, por ela transformada em refúgio dos indigentes, se empenhou incansavelmente em visitar os pobres nos seus domicílios, promover a paz em tempo de guerra civil e estimular muitos, sobretudo os jovens e os ricos, ao exercício da caridade.

(† 1856)

16*.   Também em Paris, a Beata Maria da Providência (Eugénia Smet), virgem, que fundou o Instituto de Irmãs Auxiliadoras das Almas do Purgatório.

(† 1871)

17*.   Em Roma, o Beato Pio IX, papa, que, proclamando claramente a verdade de Cristo, que intimamente viveu, instituiu muitas sedes episcopais, promoveu o culto da Virgem Santa Maria e convocou o Concílio Ecuménico Vaticano I.

(† 1878)

18♦.   Em Parma, na Itália, a Beata Ana Maria Adórni, viúva, fundadora da Congregação das Servas de Maria Imaculada e do Instituto do Bom Pastor de Parma.

(† 1893)

19*.   Em Pont de Molins, localidade próxima de Gerona, na Espanha, os beatos mártires Anselmo Polanco, bispo de Teruel, e Filipe Ripoll, presbítero, que, desprezando promessas e ameaças, recusaram firmemente afastar-se da fidelidade à Igreja.

(† 1939)

20*.   Perto de Cracóvia, na Polónia, o Beato Adalberto Nierychlewski, presbítero da Congregação de São Miguel e mártir, que, durante a ocupação militar da sua pátria por um regime militar hostil à dignidade humana e à religião, foi deportado para o campo de extermínio de Auschwitz, por causa da sua fé em Cristo, e morreu prostrado pelos tormentos a que foi submetido.

(† 1942)

21*.   No campo de concentração de Angarsk, na Sibéria, região da Rússia, o Beato Pedro Verhun, presbítero e mártir, que, durante a perseguição religiosa, permanecendo fiel até à morte alcançou a vida eterna.

(† 1957)