Martirológio Romano

Feb 06, 2017

Memória dos santos Paulo Miki e companheiros[1], mártires em Nagasáki, no Japão. Agravando-se a perseguição contra os cristãos, foram presos, atormentados e condenados à pena capital oito presbíteros ou religiosos da Companhia de Jesus e da Ordem dos Frades Menores, procedentes da Europa ou naturais do Japão, e dezassete leigos. Todos eles, também os adolescentes, foram crucificados por serem cristãos, manifestando a sua alegria por terem a graça de morrer de modo semelhante ao de Cristo.


[1]  São estes os seus nomes: João de Goto Soan, Tiago Kisai, religiosos da Companhia de Jesus; Pedro Baptista Blásquez, Martinho da Ascensão Aguirre, Francisco Blanco, presbíteros da Ordem dos Frades Menores; Filipe de Jesus de las Casas, Gonçalo Garcia, Francisco de São Miguel de la Parilla, religiosos da mesma Ordem; Leão Karasuma, Pedro Sukejiro, Cosme Takeya, Paulo Ibaraki, Tomé Dangi, Paulo Suzuki, catequistas; Luís Ibaraki, António, Miguel Kozaki e Tomé, seu filho, Boaventura, Gabriel, João Kinuya, Matias, Francisco de Meako, Joaquim Sakakibara, Francisco Adaucto, neófitos.

(† 1597)

2.   Em Arvena, na Aquitânia, hoje Clermont-Ferrand, na França, Santo Antoliano, mártir.

(† s. III)

3.   Em Emessa, hoje Homs, na Síria, a comemoração de São Silvano, bispo e mártir, que, depois de presidir a esta Igreja durante quarenta anos, por fim, no tempo do imperador Maximino, foi lançado às feras e recebeu a palma do martírio, juntamente com o diácono Lucas e o leitor Mócio.

(† c. 235/238)

4.   Em Cesareia da Capadócia, hoje Kayseri, na Turquia, Santa Doroteia, virgem, e São Teófilo, estudante, mártires.

(† c. s. IV)

5*.   Em Ardagh, na Irlanda, São Melo, bispo.

(† 488)

6.   Em Arras, na Gália Bélgica, actualmente na França, São Gastão, bispo, que, enviado por São Remígio, bispo de Reims, para aquela cidade devastada, catequisou o rei Clóvis, restabeleceu a Igreja e dirigiu-a durante cerca de quarenta anos e levou a bom termo a obra de evangelização dos povos ainda pagãos daquela região.

(† c. 540)

7.   Em Elnon, também na Gália Bélgica, na actual Bélgica, Santo Amando, bispo de Maastricht, que anunciou a palavra de Deus a muitas províncias e povos até às regiões dos Eslavos e, finalmente, terminou a sua vida terrena num mosteiro que construíra.

(† c. 679)

8*.   Na região de Tongres, no Brabante da Austrásia, actualmente também na Bélgica, Santa Rénula ou Reinilde, abadessa do mosteiro de Eike.

(† s. VIII)

9.   Em Palestrina, no Lácio, região da Itália, São Guarino, bispo, célebre pela sua austeridade de vida e amor aos pobres.

(† 1159)

10*.   Em Skara, na Suécia, São Brinolfo Algotsson, bispo, ilustre pela sua ciência e dedicação à Igreja.

(† 1317)

11*.   Em Nápoles, na Campânia, região da Itália, o Beato Ângelo de Fúrci, presbítero da Ordem de Santo Agostinho, insigne no zelo pelo reino de Deus.

(† 1327)

12.   Em Ângri, perto de Salerno, também na Campânia, Santo Afonso Maria Fusco, presbítero, que se dedicou ao ministério das missões rurais, à formação dos jovens, especialmente dos pobres e dos órfãos, e fundou a Congregação das Irmãs de São João Baptista.

(† 1910)

13*.   Em Rivolta d’Adda, no território de Cremona, na Itália, o Beato Francisco Spinelli, presbítero, que, superando pacientemente muitas e prolongadas dificuldades, fundou e dirigiu a Congregação das Irmãs Adoradoras do Santíssimo Sacramento.

(† 1913)

14.   Em Durando, cidade do México, São Mateus Correa, presbítero e mártir, que, durante a perseguição desencadeada contra a Igreja, se recusou a obedecer à ordem de revelar o segredo de confissão e por isso recebeu a coroa do martírio.

(† 1927)