Martirológio Romano

Feb 10, 2017

Memória do sepultamento de Santa Escolástica, virgem, irmã de São Bento, que, consagrada a Deus desde a infância, tinha com o seu irmão a mesma comunhão em Deus, de forma que uma vez ao ano se encontravam em Montecassino, na Campânia, região da Itália, passando todo o dia nos louvores divinos e em santos colóquios.

 

(† c. 547)

2.   Em Magnésia, na província romana da Ásia, na actual Turquia, os santos Caralampo, Porfírio, Dauto e três mulheres, mártires no tempo do imperador Septímio Severo.

(† s. III)

3.   Na Via Labicana, a dez milhas de Roma, os santos Zótico e Amâncio, mártires.

(† s. III/IV)

4.   Perto de Terracina, na Campânia, hoje no Lázio, região da Itália, São Silvano, bispo.

(† s. IV)

5.   Em Saintes, na Aquitânia, na actual França, São Troiano, bispo.

(† c. 550)

6*.   Em Besançon, na Borgonha, hoje também na França, São Protádio, bispo.

(† c. 624)

7.   No território de Rouen, na Nêustria, também na actual França, Santa Austreberta, virgem e abadessa, que dirigiu piedosamente o mosteiro de Pavilly pouco antes fundado pelo bispo Santo Audeno.

(† 704)

8.   Na gruta chamada Stábulum Rhódis, perto de Grosseto, na Toscana, região da Itália, São Guilherme, eremita de Malavalle, cujo exemplo deu origem a muitas congregações de eremitas.

(† 1157)

9*.   No mosteiro premonstratense de Fosses, perto de Namur, na Lotaríngia, actualmente na Bélgica, o Beato Hugo, abade, cujo mestre, São Norberto, entretanto eleito bispo de Magdeburgo, lhe confiou a organização da nova Ordem, que ele governou com grande sabedoria durante trinta e cinco anos.

(† c. 1163)

10*.   Em Rímini, na Flamínia, actualmente na Emília-Romanha, região da Itália, Santa Clara, viúva, que expiou com penitência, mortificação da carne e jejuns a anterior vida licenciosa e, reunindo-se num mosteiro com outras companheiras, serviu o Senhor em espírito de humildade.

(† 1324/1329)

11*.   Em Avrillé, perto de Angers, na França, os beatos Pedro Fremond e cinco companheiras[1], mártires, que durante a Revolução Francesa foram fuzilados por causa da sua fidelidade à Igreja católica.


[1]  São estes os seus nomes: Catarina e Maria Luísa du Verdier de la Sorinière, irmãs; Luísa Bessay de la Voûte; Maria Ana Hacher du Bois; Luísa Poirer, esposa.

(† 1794)

12.   Em Cotija, no México, São José Sánchez del Rio, mártir.

(† 1927)

13*.   Em Valverde del Camino, perto de Huelva, na Andaluzia, região da Espanha, a Beata Eusébia Palomino Yenes, virgem do Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora, que, dando testemunho insigne de humildade, sem ostentação alguma, com grande espírito de abnegação alcançou nos serviços mais humildes os mais sublimes dons da graça.

(† 1935)

14*.   Na cidade de Krasic, perto de Zagreb, na Croácia, o Beato Luís Stepinac, arcebispo de Zagreb, que se opôs audazmente a doutrinas que ofendiam a fé e a dignidade humana, até que, pela sua fidelidade à Igreja, foi detido muito tempo no cárcere e, enfraquecido pela doença, terminou o seu insigne episcopado.

(† 1960)