Martirológio Romano

Nov 26, 2017

1.   Em Roma, no cemitério de Priscila, junto à Via Salária Nova, São Sirício, papa, que Santo Ambrósio louva como verdadeiro mestre, porque, tomando sobre si a responsabilidade de todos os bispos, os instruiu com os ensinamentos dos santos Padres e os confirmou com a sua autoridade apostólica.

(† 399)

2.   Em Adrianópolis, na Paflagónia, na hodierna Turquia, Santo Alípio, diácono e estilita, que morreu quase centenário.

(† d. 610)

3.   Em Konstanz, na Suábia, em território da actual Alemanha, São Conrado, bispo, óptimo pastor da sua grei, que distribuiu generosamente os seus bens em favor da Igreja e dos pobres.

(† 975)

4.   Em Lacedemónia, no Peloponeso, território da Grécia, São Nicão, monge, que, depois de uma vida cenobítica e eremítica na província da Ásia, trabalhou com zelo evangélico para restaurar a vida cristã na ilha de Creta, recém-liberta do jugo dos Sarracenos; depois partiu para a Grécia a pregar a penitência, até que faleceu no mosteiro de Esparta, por ele fundado.

(† 998)

5.   Na floresta próxima de Fratta, no território de Rovigo, hoje no Véneto, região da Itália, a paixão de São Belino, bispo de Pádua e mártir, insigne defensor da Igreja, que, cruelmente espancado por sicários, morreu em consequência das lesões recebidas.

(† 1147)

6*.   No mosteiro dos Cónegos Regrantes de Sixt, na Savóia, território da França, o Beato Pôncio de Faucigny, que foi abade de Abondance e, renunciando ao cargo, quis morrer como simples religioso.

(† 1178)

7.   Perto de Fabriano, nas Marcas, região da Itália, São Silvestre Gozzolíni, abade, que, profundamente convencido da vaidade de todas as coisas do mundo diante da sepultura aberta de um amigo pouco antes falecido, se retirou para o ermo, mudando várias vezes de sítio para permanecer mais oculto aos homens, e, por fim, num lugar deserto, próximo de Montefano, lançou as bases da Congregação dos Silvestrinos, sob a regra de São Bento.

(† 1267)

8*.   Em Apt, na Provença, região da França, a Beata Delfina, esposa de Santo Eleázar de Sabran, com o qual fez voto de guardar castidade e, depois da morte do seu esposo, viveu em pobreza e dedicada à oração.

(† 1358/1360)

9*.   Em York, na Inglaterra, os beatos mártires Hugo Taylor, presbítero, e Marmaduco Bowes: o primeiro, ainda jovem, por ser sacerdote, e o segundo, já ancião, por tê-lo ajudado, foram ambos condenados ao suplício do patíbulo no reinado de Isabel I.

(† 1585)

10.   Em Bisignano, na Calábria, região da Itália, Santo Humilde (Lucas António) Pirozzo, religioso da Ordem dos Frades Menores, célebre pelo seu dom de profecia e frequentes êxtases.

(† 1637)

11.   Em Roma, no convento de São Boaventura, no Palatino, São Leonardo de Porto Maurício, presbítero da Ordem dos Frades Menores, que, cheio de zelo pelas almas, passou quase toda a sua vida na pregação, na publicação de livros de piedade e em mais de trezentas missões pregadas em Roma, na ilha da Córsega e por toda a Itália setentrional.

(† 1751)

12.   Em Nam Dinh, cidade do Tonquim, hoje no Vietnam, os santos Tomás Dinh Viet Du e Domingos Hguyen Van (Doan) Xuyên, presbíteros da Ordem dos Pregadores e mártires, que foram degolados ao mesmo tempo, por ordem do imperador Minh Mang.

(† 1839)

13*.   Em Bassano, próximo de Vicenza, na Itália, a Beata Caetana Stérni, religiosa, que, tendo ficado viúva ainda jovem, se dedicou totalmente ao serviço dos pobres e fundou a Congregação das Irmãs da Vontade Divina, destinada à assistência dos pobres e dos enfermos.

(† 1889)

14*.   Em Roma, o Beato Tiago Alberione, presbítero, que, intensamente solícito pela evangelização, se dedicou com toda a sua energia a pôr ao serviço da sociedade humana os instrumentos da comunicação social e para isso fundou a Congregação da Pia Sociedade de São Paulo Apóstolo.

(† 1971)