Martirológio Romano

Nov 20, 2017

1.   Em Antioquia, na Síria, hoje Antakya, na Turquia, São Basílio, mártir.

(† s. III)

2.   Em Ástigi, na Hispânia Bética, hoje Écija, na Espanha, São Crispim, bispo e mártir.

(† s. III)

3.   Em Doróstoro, na Mésia, hoje Silistra, na Bulgária, São Dásio, mártir.

(† c. s. IV)

4.   Em Turim, na Ligúria, hoje no Piemonte, região da Itália, os santos Octávio, Solutor e Adventor, mártires.

(† s. IV)

5*.   Em Vercelas, também na Ligúria, no actual Piemonte, São Teonesto, mártir, em cuja honra Santo Eusébio edificou uma basílica.

(† a. 313)

6*.   Em Benevento, na Campânia, também região da Itália, São Doro, bispo.

(† s. V)

7.   Em Chalons-sur-Saône, na Borgonha, agora na França, São Silvestre, bispo, que aos quarenta anos do seu sacerdócio, pleno de dias e de virtudes, foi ao encontro do Senhor.

(† c. 520-530)

8*.   No monte Jura, no território de Lião, também na actual França, Santo Hipólito, abade e bispo.

(† c. 770)

9.   Em Constantinopla, hoje Istambul, na Turquia, São Gregório Decapolita, monge, que, depois de ter professado a vida monástica e mais tarde anacoreta, se fez peregrino, detendo-se muito tempo em Tessalónica e finalmente em Constantinopla, onde lutou energicamente pelo culto das imagens sagradas e entregou a sua alma a Deus.

(† 842)

10.   Na Inglaterra, Santo Edmundo, mártir, que, sendo rei dos Anglos orientais, foi capturado na batalha contra os invasores pagãos e, pela sua profissão de fé em Cristo, mereceu ser coroado com o martírio.

(† 869)

11.   Em Hildesheim, na Saxónia da Germânia, hoje na Alemanha, São Bernuardo, bispo, que defendeu os seus fiéis das invasões, restaurou a disciplina do clero em numerosos sínodos e promoveu a vida monástica.

(† 1022)

12*.   Na Calábria, região da Itália, São Cipriano, abade de Calamízzi, que conservou fielmente as normas e os exemplos dos Padres orientais, foi severo para consigo e generoso para com os pobres e bom conselheiro para todos.

(† c. 1190)

13.   Em Hanoi, no Tonquim, hoje no Vietnam, São Francisco Xavier Can, mártir, que, sendo catequista, por causa da sua fé foi estrangulado e degolado no tempo do imperador Minh Mang.

(† 1837)

14*.   Em Véroli, no Lácio, região da Itália, a Beata Maria Fortunata (Ana Félix Víti), da Ordem de São Bento, que exerceu o serviço de roupeiro quase toda a sua vida, procurando sempre cumprir de todo o coração os preceitos da Regra.

(† 1922)

15*.   Próximo de Valência, na Espanha, as beatas Ângela de São José (Francisca Lloret Marti) e catorze companheiras[1], virgens e mártires – uma era superiora geral e as outras religiosas da Congregação da Doutrina Cristã –, que padeceram por causa da sua fé em Cristo, durante a perseguição religiosa na devastadora guerra civil.

 


[1]  São estes os seus nomes: Maria do Sufrágio (Antónia Maria Orts Baldó), Maria das Dores (Maria de Montserrat Llimona Planas), Teresa de São José (Ascensão Duart y Roig), Isabel Ferrer Sabriá, Maria da Assunção (Josefa Mongoche Homs), Maria da Conceição (Emília Martí Lacal), Maria da Graça (Paula de Santo António), Coração de Jesus (Maria da Purificação Gómez Vives), Maria do Socorro (Teresa Jiménez Baldoví), Maria das Dores (Gertrudes Surís Brusola), Inácia do Santíssimo Sacramento (Josefa Pascual Pallardó), Maria do Rosário (Catarina Calpe Ibáñez), Maria da Paz (Maria Isabel López Garcia) e Marcela de São Tomás (Áurea Navarro).

 

(† 1936)

16*.   Em Picadero de Paterna, também perto de Valênçia, a Beata Maria dos Milagres Ortells Gimeno, virgem da Ordem das Clarissas Capuchinhas e mártir, que durante a mesma perseguição, foi coroada pelo martírio no testemunho de Cristo.

(† 1936)