Martirológio Romano

Nov 10, 2017

Memória de São Leão I, papa e doutor da Igreja, que, nascido na Etrúria, na actual Toscana, região da Itália, primeiro foi diácono diligente da Urbe e depois, elevado à cátedra de Pedro, mereceu com todo o mérito ser chamado Magno, tanto por ter apascentado a sua grei com uma sublime e prudente pregação como por ter confirmado vigorosamente, por meio dos seus legados ao Concílio Ecuménico de Calcedónia, a recta doutrina sobre a encarnação de Deus. Descansou no Senhor em Roma, junto de São Pedro, onde neste dia foi sepultado.

(† 461)

2.   Na antiga Pérsia, o passamento de São Demetriano, bispo de Antioquia, que foi deportado para o exílio pelo rei Sapor I.

(† c. 260)

3.   Em Tiana, na Capadócia, na hodierna Turquia, Santo Orestes, mártir.

(† s. III/IV)

4.   Em Ravena, na Flamínia, hoje nas Marcas, região da Itália, São Probo, bispo, a cujo nome o bispo São Maximiano dedicou a basílica de Classe.

(† s. III/IV)

5.   Na antiga Pérsia, os santos mártires Narsés, bispo, venerável ancião, e José, seu discípulo, jovem, que, por se recusarem a adorar o sol como lhes mandava o rei Sapor II, foram decapitados.

(† 343)

6.   Em Cantuária, na Inglaterra, São Justo, bispo, que, enviado com outros monges pelo papa São Gregório Magno para ajudar Santo Agostinho na evangelização da Inglaterra, aceitou depois o episcopado nesta sede.

(† 627)

7*.   Em Villa del Foro, localidade do Piemonte, região da Itália, São Baudulino, eremita.

(† s. VIII)

8.   Em Nápoles, na Campânia, também região da Itália, Santo André Avelino, presbítero da Congregação dos Cónegos Regrantes, célebre pela sua santidade e pelo seu zelo em procurar a salvação do próximo, que fez o árduo voto de progredir cada dia mais nas virtudes e, rico de méritos, morreu santamente aos pés do altar.

(† 1608)

9*.   Em Barcelona, na Espanha, o Beato Acisclo Joaquim Piña Piazuelo, religioso da Ordem de São João de Deus e mártir, que durante o furor da perseguição, foi assassinado em ódio à religião.

(† 1936)

10♦.   Em Madrid, também na Espanha, as beatas Manuela do Sagrado Coração (Manuela Arriola Uranga), virgem da Congregação das Adoradoras Escravas do Santíssimo Sacramento e Companheiras[1], mártires, que, na mesma perseguição, foram coroadas pelo testemunho de Cristo.

 


[1]  São estes os seus nomes: Blasa de Maria (Joana Francisca Pérez de Labeaga Garcia), Lucila Maria de Jesus (Luzia González Garcia), Casta de Jesus (Teresa Vives Missé), Rosária de Maria (Rosa López Brochier), Luísa da Eucaristia (Luísa Pérez Andriá), Maria da Apresentação (Maria da Apresentação Garcia Ferrero), Maria das Dores de Jesus Crucificado (Maria das Dores Monzón Rosales), Borja de Jesus (Maria Zenona Aranzábal Barrútia), Máxima de São José (Emília Echeverria Fernández), Sulpícia do Bom Pastor (Dionísia Rodríguez de Anta), Maria das Dores da Santíssima Trindade (Maria das Dores Hernández Santorcuato), Maria Prima de Jesus (Maria Prima Ipiña Malzárraga), Belarmina de Jesus (Belarmina Pérez Martínez), Sinforosa da Sagrada Família (Sinforosa Díaz Fernández), Purificação de Maria (Purificação Martínez Vera), Josefa de Jesus (Josefa Boix Riera), irmãs da Congregação das Adoradoras Escravas do Santíssimo Sacramento; Ângeles (Mercedes) Tuni Ustech, Ruperta (Conceição Vázquez Áreas), Herlinda (Áurea González Fernández), Cecília (Conceição Iglésias del Campo), Filipa (Filipa Gutiérrez Garay), Madalena (Madalena Pérez), auxiliares da Congregação das Adoradoras Escravas do Santíssimo Sacramento.

 

(† 1936)

11♦.   Em Hamburgo, na Alemanha, os beatos Eduardo Müller, Germano Lange e João Prassek, presbíteros da diocese de Lübeck e mártires, que, sob um regime tirano e hostil à religião, foram encarcerados e cruelmente torturados e finalmente executados por decapitação em ódio à Igreja e ao saerdócio.

(† 1943)