Liturgia diária

Agenda litúrgica

2020-06-08

SEGUNDA-FEIRA da semana X

Verde – Ofício da féria (Semana II do Saltério).
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 1 Reis 17, 1-6; Sal 120 (121), 1-2. 3-4. 5-6. 7-8
Ev Mt 5, 1-12

* Na Diocese do Porto – B. Maria do Divino Coração, virgem – MO
* Na Ordem dos Franciscanos Capuchinhos – B. Nicolau de Gésturi, religioso – MF
* Na Ordem de São Domingos – Bb. Diana Andalò e Cecília, virgens – MF
* Na Companhia de Jesus – Bb. Rodolfo Acquaviva, presbítero, Francisco Aranha, religioso e Companheiros; Carlos Spínola, presbítero, e Companheiros; Tiago Berthieu, presbítero; Leão Mangin, presbítero, e Companheiros: mártires – MF
* Na Congregação de Nossa Senhora da Caridade do Bom Pastor – B. Maria do Divino Coração – MO

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 26, 1-2
O Senhor é minha luz e salvação:
a quem temerei?
O Senhor é protector da minha vida:
de quem hei-de ter medo?


ORAÇÃO COLECTA
Deus, fonte de todo o bem,
ensinai-nos com a vossa inspiração a pensar o que é recto
e ajudai-nos com a vossa providência a pô-lo em prática.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos pares) 1 Reis 17, 1-6
«Elias na presença do Senhor, Deus de Israel»

Retomamos hoje a leitura de um dos livros do Antigo testamento. Vamos ter, ao longo desta semana, entrando ainda pela semana seguinte, episódios do chamado ciclo do profeta Elias. Elias é contemporâneo de Acab, rei de Israel, casado com uma rainha estrangeira, pagã, que, em parte, o desviou do culto ao Deus único e verdadeiro. É neste tempo que surge o profeta Elias, homem devorado pelo zelo de Deus, “a quem ninguém se pode comparar”. A sua intervenção, a que hoje se faz referência, logo o apresenta a anunciar momentos duros. Só o homem espiritual, como Elias, poderá ser, ao mesmo tempo, contemporâneo de tempos tão maus e continuar a esperar sempre a misericórdia e a assistência de Deus, como ele as experimentou.

Leitura do Primeiro Livro dos Reis
Naqueles dias, Elias, o tesbita, de Tisbé de Galaad, disse ao rei Acab: «Tão certo como estar vivo o Senhor, Deus de Israel, a quem eu sirvo, não cairá nestes anos nem orvalho nem chuva, senão quando eu disser». Então o Senhor dirigiu a palavra a Elias, dizendo: «Sai daqui, vai para o Oriente e refugia-te junto à torrente de Carit, em frente do Jordão. Beberás da torrente e Eu ordenei aos corvos que te levem alimento». Elias fez como o Senhor lhe tinha dito: partiu e foi viver junto à torrente de Carit, em frente do Jordão. Os corvos traziam-lhe pão e carne de manhã, pão e carne à tarde, e ele bebia da torrente.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 120 (121), 1-2.3-4.5-6.7-8 (R. cf. 2)
Refrão: O nosso auxílio vem do Senhor,
que fez o céu e a terra. Repete-se

Levanto os meus olhos para os montes:
donde me virá o auxílio?
O meu auxílio vem do Senhor,
que fez o céu e a terra. Refrão

Não permitirá que vacilem os teus passos,
não dormirá Aquele que te guarda.
Não há-de dormir nem adormecer
Aquele que guarda Israel. Refrão

O Senhor é quem te guarda,
o Senhor está a teu lado, Ele é o teu abrigo.
O sol não te fará mal durante o dia,
nem a lua durante a noite. Refrão

O Senhor te defende de todo o mal,
o Senhor vela pela tua vida.
Ele te protege quando vais e quando vens,
agora e para sempre. Refrão


ALELUIA Mt 5, 12a
Refrão: Aleluia. Repete-se

Exultai e alegrai-vos,
porque é grande nos Céus a vossa recompensa. Refrão


EVANGELHO Mt 5, 1-12
«Bem-aventurados os pobres em espírito»

Começamos também a ler hoje o Evangelho de S. Mateus. Este Evangelho consta de cinco discursos de Jesus, intercalados com partes narrativas. O primeiro discurso, que hoje começamos a ler, é conhecido pelo nome de “Sermão da Montanha”. A sua primeira parte, a que constitui a leitura de hoje, são as Bem-aventuranças. Estas são uma série de nove sentenças, as duas últimas das quais, por serem semelhantes, se poderiam sintetizar numa só, dando assim origem ao número tradicional das Oito Bem-aventuranças. Nelas se resume o espírito de todo o Evangelho. Mais do que um código com muitas leis, o Evangelho é, realmente, um espírito, que dá sentido a toda a vida dos discípulos de Cristo.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, ao ver as multidão, Jesus subiu ao monte e sentou-Se. Rodearam-n’O os discípulos e Ele começou a ensiná-los, dizendo: «Bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o reino dos Céus. Bem-aventurados os humildes, porque possuirão a terra. Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados. Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia. Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus. Bem-aventurados os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus. Bem-aventurados os que sofrem perseguição por amor da justiça, porque deles é o reino dos Céus. Bem-aventurados sereis, quando, por minha causa, vos insultarem, vos perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós. Alegrai-vos e exultai, porque é grande nos Céus a vossa recompensa. Assim perseguiram os profetas que vieram antes de vós».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Olhai com bondade, Senhor,
para os dons que apresentamos ao vosso altar
e fazei que esta oblação Vos seja agradável
e aumente em nós a caridade.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 17, 3
Sois o meu protector e o meu refúgio, Senhor;
sois o meu libertador; meu Deus, em Vós confio.

Ou 1 Jo 4, 16
Deus é amor.
Quem permanece no amor permanece em Deus
e Deus permanece nele.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Nós Vos pedimos, Senhor,
que a acção santificadora deste sacramento
nos liberte das más inclinações
e nos conduza a uma vida santa.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Martirológio

1.   Em Aix-La-Provence, na Provença, região da Gália, na actual França, São Maximino, a quem se atribuem os inícios da fé cristã nesta cidade.

2.   Em Ruão, também na Gália, hoje na França, São Gildardo, bispo.

3.   Em Soissons, também na Gália, hoje na França, São Medardo, bispo de Saint-Quentin, que, depois de ter sido arrasada a sua cidade, transferiu a sede episcopal para Noyon, onde trabalhou com todo o empenho para converter o povo das superstições pagãs à doutrina de Cristo.

4.   Em Fano, no Piceno, hoje nas Marcas, região da Itália, São Fortunato, bispo, que se dedicou diligentemente à redenção dos cativos.

5.   Em Metz, na Austrásia, actualmente na França, São Clodolfo, bispo, filho de Santo Arnolfo e conselheiro do rei.

6.   Em York, na Inglaterra, São Guilherme Fitzherbert, bispo, homem afável e pacífico, que, injustamente deposto da sua sede episcopal, se recolheu entre os monges de Winchester e, restituído à sua sede, perdoou aos inimigos e restabeleceu a paz entre os cidadãos.

7*.   Em Londres, o Beato João Davy, diácono da Cartuxa desta cidade e mártir, que, no reinado de Henrique VIII, por causa da sua fidelidade à Igreja e ao Pontífice Romano, foi duramente torturado no cárcere e aí morreu de fome.

8.   Em Ambiatibes, na ilha de Madagáscar, o São Tiago Berthieu, presbítero da Companhia de Jesus e mártir, que, tanto na paz como na guerra, trabalhou incansavelmente pelo Evangelho e, apesar de ter sido expulso três vezes das missões, preso por homens armados e repetidamente instado sem êxito à apostasia, foi finalmente assassinado em ódio à fé cristã.

9*.   No Porto, cidade de Portugal, a Beata Maria do Divino Coração de Jesus (Maria Droste zu Vischering), virgem, da Congregação das Irmãs da Caridade do Bom Pastor, que promoveu admiravelmente a devoção ao Sagrado Coração de Jesus.

10*.   Em Kuzhikkattussery, no Kérala, estado da Índia, a Beata Maria Teresa Chiramel Mankidiyan, virgem, eminente pela sua vida eremítica e austera penitência, que procurou a Cristo nos mais pobres e nos mais abandonados e fundou a Congregação das Irmãs da Sagrada Família.

11*.   Em Cágliari, na Sardenha, o Beato Nicolau de Gestúri (João Medda), religioso da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos, que, sempre pronto para ajudar os indigentes, com o exemplo da sua virtude e da sua bondade estimulou muitos outros à prática da caridade para com os pobres.