Liturgia diária

Agenda litúrgica

2020-06-26

SEXTA-FEIRA da semana XII

Verde – Ofício da féria.
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 2 Reis 25, 1-12; Sal 136 (137), 1-2. 3. 4-5. 6
Ev Mt 8, 1-4

* Na Arquidiocese de Braga – S. Paio, mártir – MF
* No Santuário de Fátima e na Paróquia de Fátima – S. Josemaria Escrivá, presbítero, Fundador do Opus Dei – MF
* Na Ordem dos Carmelitas Descalços – B. Maria Josefina de Jesus Crucificado, virgem – MF
* Na Ordem Cartusiana – S. Antelmo, monge pastor – FESTA
* Na Ordem dos Franciscanos Capuchinhos – B. André Jacinto Longhin, bispo, da I Ordem – MF; B. Tiago de Ghazir, presbítero, da I Ordem – MF
* Na Congregação da Missão e na Companhia das Filhas da Caridade – B. Maria Madalena Fontaine e companheiras, virgens e mártires – MO
* Na Prelatura da Santa Cruz e Opus Dei – S. Josemaria Escrivá, presbítero, Fundador do Opus Dei – SOLENIDADE
* Na Congregação do Santíssimo Redentor – I Vésp. de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 27, 8-9
O Senhor é a força do seu povo,
o baluarte salvador do seu Ungido.
Salvai o vosso povo, Senhor, abençoai a vossa herança,
sede o seu pastor e guia através dos tempos.


ORAÇÃO COLECTA
Senhor, fazei-nos viver a cada instante
no temor e no amor do vosso Santo nome,
porque nunca a vossa providência abandona
aqueles que formais solidamente no vosso amor.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos pares) 2 Reis 25, 1-12
«Judá foi exilado para longe da sua terra» (25, 21)

Depois da deportação do reino de Israel, do norte do país para a Assíria, alguns séculos antes, é agora o reino de Judá, que é deportado para Babilónia, (hoje no Iraque). Tudo isto aconteceu em consequência do abandono a que o povo votara o Senhor, seu Deus. E assim começou o longo e penoso exílio do povo de Deus em Babilónia.

Leitura do Segundo Livro dos Reis
No nono ano do reinado de Sedecias, no dia dez do décimo mês, Nabucodonosor, rei de Babilónia veio atacar Jerusalém com todo o seu exército. Acampou diante da cidade e levantou trincheiras ao seu redor. Jerusalém ficou sitiada até ao undécimo ano do reinado de Sedecias. No dia nove do quarto mês, enquanto a fome se agravava na cidade e o povo já não tinha alimento, abriram uma brecha nas muralhas da cidade. Então o rei fugiu de noite, com todos os guerreiros, pela porta entre os dois muros, que ficava junto do jardim real, – enquanto os caldeus cercavam a cidade – e seguiu pelo caminho de Arabá. O exército caldeu perseguiu o rei e alcançou-o na planície de Jericó, onde os seus soldados o abandonaram e se dispersaram. Os caldeus prenderam o rei e levaram-no a Ribla, à presença do rei de Babilónia, que pronunciou a sentença contra ele. Nabucodosor mandou degolar os filhos de Sedecias à vista do pai; depois vazou-lhe os olhos, algemou-o com duas cadeias de bronze e levou-o para Babilónia. No dia sete do quinto mês, no décimo nono ano de Nabucodosor, rei de Babilónia, Nabuzardã, comandante da guarda e oficial do rei de Babilónia, entrou em Jerusalém. Incendiou o templo do Senhor, o palácio real e todas as casas nobres de Jerusalém. O exército caldeu, às ordens do comandante da guarda, arrasou as muralhas que rodeavam Jerusalém. Nabuzardã, comandante da guarda, deportou o resto do povo que ficara na cidade e os desertores que se tinham passado para o rei de Babilónia, enfim, toda a população. Deixou apenas alguma gente humilde da terra, para cultivar as vinhas e os campos.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 136 (137), 1-2.3.4-5.6 (R. 6a)
Refrão: Se eu me não lembrar de ti, Jerusalém,
fique presa a minha língua. Repete-se

Sobre os rios de Babilónia nos sentámos a chorar,
com saudades de Sião.
Nos salgueiros das suas margens,
dependurámos as nossas harpas. Refrão

Aqueles que nos levaram cativos
queriam ouvir os nossos cânticos
e os nossos opressores uma canção de alegria:
«Cantai-nos um cântico de Sião». Refrão

Como poderíamos nós cantar um cântico do Senhor
em terra estrangeira?
Se eu me esquecer de ti, Jerusalém,
esquecida fique a minha mão direita. Refrão

Apegue-se-me a língua ao paladar,
se não me lembrar de ti,
se não fizer de Jerusalém
a maior das minhas alegrias. Refrão


ALELUIA Mt 8, 17
Refrão: Aleluia Repete-se

Cristo suportou as nossas enfermidades
e tomou sobre Si as nossas dores. Refrão


EVANGELHO Mt 8, 1-4
«Se quiseres, podes curar-me»

Ao curar o leproso, Jesus manifesta-Se como Senhor da vida e da morte, cheio de compaixão para com os que sofrem, e ainda como Aquele que reconduz os homens à comunhão na unidade do povo de Deus. Tudo o que por fora acontecer é sinal do que acontece por dentro. A simplicidade que envolve este milagre de Jesus manifesta, por um lado, o poder da palavra do Senhor e, por outro, a força da fé do homem que O invocava.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Ao descer Jesus do monte, seguia-O uma grande multidão. Veio então prostrar-se diante d’Ele um leproso, que Lhe disse: «Senhor, se quiseres, podes curar-me». Jesus estendeu a mão e tocou-o, dizendo: «Eu quero: fica curado». E imediatamente ficou curado da lepra. Disse-lhe Jesus: «Não digas nada a ninguém; mas vai mostrar-te ao sacerdote e apresenta a oferta que Moisés ordenou, para que lhes sirva de testemunho».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Por este sacrifício de reconciliação e de louvor,
purificai, Senhor, os nossos corações,
para que se tornem uma oblação agradável a vossos olhos.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 144, 15
Os olhos de todos esperam em Vós, Senhor,
e a seu tempo lhes dais o alimento.

Ou Jo 10, 11.15
Eu sou o Bom Pastor
e dou a vida pelas minhas ovelhas, diz o Senhor.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Senhor, que nos renovastes
pela comunhão do Corpo e do Sangue de Cristo,
fazei que a participação nestes mistérios
nos alcance a plenitude da redenção.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Santo

S. Josemaria Escrivá

 

 

Martirológio

1.   Em Roma, a comemoração dos santos João e Paulo, a quem está dedicada uma basílica no monte Célio, junto à ladeira de Scauro, numa propriedade do senador Pamáquio.

2.   Em Trento, na Venécia, hoje no Trentino Alto-Ádige, região da Itália, São Vigílio, bispo, que, recebendo de Santo Ambrósio de Milão as insígnias do seu mandato e uma instrução pastoral, se empenhou com grande zelo em fortalecer no seu território a obra da evangelização e erradicar todos os vestígios de idolatria; segundo a tradição, espancado por homens cruéis e bárbaros, consumou o martírio pelo nome de Cristo.

3*.   Em Nola, na Campânia, também região da Itália, São Deusdado, bispo, que sucedeu a São Paulino.

4.   No território de Poitiers, na Aquitânia, actualmente na França, São Maxêncio, abade, célebre pelas suas virtudes.

5.   Em Tessalónica, na Macedónia, actualmente na Grécia, São David, eremita, que viveu quase oitenta anos recluso numa pequena cela fora dos muros da cidade.

6.   Em Valenciennes, na Austrásia, no território da hodierna França, os santos Sálvio, bispo, e um seu discípulo, que vieram do território de Auvergne para esta região e por ordem de Vinegardo, senhor do lugar, sofreram o martírio.

7.   Em Córdova, na Andaluzia, região da Espanha, São Paio, mártir, que, aos treze anos, pela fé de Cristo e por conservar a castidade contra as seduções sensuais do califa dos Mouros, ‘Abd ar-Rahman III, foi esquartejado com tenazes de ferro por ordem deste califa e assim consumou o seu glorioso martírio.

8.   Em Gúbbio, na Úmbria, região da Itália, São Rodolfo, bispo, que se dedicou incansavelmente à pregação e distribuiu liberalmente pelos pobres tudo o que havia em sua casa.

9.   Em Belley, na Sabóia, na actual França, Santo Antelmo, bispo. Quando era monge da Grande Cartuxa, reconstruiu os edifícios destruídos por uma avalanche de neve; eleito prior, convocou um capítulo geral e, elevado à sede episcopal, empenhou-se com intrépida firmeza e incansável vigor em corrigir o comportamento dos clérigos e as atitudes dos nobres daquelas terras.

10*.   Num barco ancorado ao largo de Rochefort, na França, o Beato Raimundo Petiniaud de Jourgnac, presbítero e mártir, que, sendo arcediago de Limoges, durante a Revolução Francesa, por causa do sacerdócio ficou detido em condições desumanas e, consumido pelas chagas e insectos venenosos, consumou o martírio.

11*.   Em Cambrai, na França, as beatas Madalena Fontaine, Francisca Lanel, Teresa Fantou e Joana Gérard, virgens e mártires, que eram Filhas da Caridade, quando, em ódio à Igreja, durante a Revolução Francesa, foram condenadas à morte e conduzidas ao suplício coroadas por zombaria com o Rosário.

12.   Em Qianshenzhuang, junto da cidade de Liushuitao, no Hebei, província da China, São José Ma Taishun, mártir, que, sendo médico e catequista, embora na perseguição dos sequazes da seita «Yihetuan» os outros familiares renegassem da fé, ele preferiu dar testemunho de Cristo com o seu sangue.

13.   No território de Jalisco, nos arredores de Gualajara, no México, São José Maria Robles, presbítero e mártir, que, na perseguição contra a Igreja durante a Revolução Mexicana, morreu enforcado numa árvore.

14*.   Em Treviso, na Itália, o Beato André Jacinto Longhin, bispo, que, no tempo da guerra, socorreu com generoso vigor os prófugos e os prisioneiros e, nas condições difíceis do seu tempo, defendeu com singular solicitude os direitos dos operários, dos agricultores e de todos os desamparados da sociedade.

15*.   Na floresta de Birok, perto da cidade de Stradch, no território de L’viv, na Ucrânia, os beatos Nicolau Konrad, presbítero, e Vladimiro Pryjma, que, sob um regime hostil a Deus, na sua impávida morte deram testemunho da ressurreição de Cristo.

16*.   Em Sykhiv, localidade do mesmo território de L’viv, na Ucrânia, o Beato André Iscak, presbítero e mártir, que na mesma perseguição foi fuzilado pela fé de Cristo.

17♦.   Em Beirute, no Líbano, o Beato Tiago Ghazir Haddad (Khalil Haddad), presbítero da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos e fundador da Congregação das Irmãs Franciscanas da Cruz no Líbano.

18.   Em Roma, São Josemaria (José Maria) Escrivá y Balaguer, presbítero, fundador do Opus Dei e da Sociedade Sacerdotal da Santa Cruz.