Liturgia diária

Agenda litúrgica

2020-04-28

TERÇA-FEIRA da semana III

S. Pedro Chanel, presbítero e mártir – MF
S. Luís Maria Grignion de Montfort, presbítero – MF
Branco ou verm. – Ofício da féria ou da memória.
Missa da féria ou da memória, pf. pascal.

L 1 Act 7, 51 – 8, 1a; Sal 30 (31), 3cd-4. 6ab e 7b e 8a. 17 e 21ab
Ev Jo 6, 30-35

* Na Ordem Franciscana (III Ordem) – B. Luquésio, da III Ordem – MF
* Na Ordem de São Domingos – S. Luís Maria Grignion de Montfort, presbítero – MF
* Na Congregação dos Irmãos Maristas – S. Pedro Chanel, presbítero e mártir – MO
* Na Congregação dos Missionários Monfortinos – S. Luís Maria Grignion de Montfort, Fundador da Congregação – SOLENIDADE
* Na Congregação das Irmãs Dominicanas de S. Catarina de Sena – I Vésp. de S. Catarina de Sena.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Ap 19, 5; 12, 10
Louvai o Senhor, todos os seus servos, pequenos e grandes,
porque chegou a salvação e o poder e o reino de Cristo. Aleluia.


ORAÇÃO COLECTA
Deus de misericórdia, que abris as portas do vosso reino aos homens renascidos pela água e pelo Espírito Santo, aumentai em nós os dons da vossa graça, para que, purificados de toda a culpa, possamos alcançar a herança prometida. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Actos 7, 51 _ 8, 1a
«Senhor Jesus, recebe o meu espírito»

A morte de S. Estêvão é apresentada como a morte de Jesus. O Rei dos Mártires continuará, no Corpo místico da sua Igreja, o mistério da sua própria Paixão. E à imitação do Senhor na Cruz, a Igreja, a começar por Estêvão, vai-se entregando a Deus em gesto de confiança no Pai e em oração, feita de amor pelos homens, a começar pelos que a perseguem.

Leitura dos Actos dos Apóstolos
Naqueles dias, Estêvão disse ao povo, aos anciãos e aos escribas: «Homens de dura cerviz, incircuncisos de coração e de ouvidos, sempre resistis ao Espírito Santo. Como foram os vossos antepassados, assim sois vós também. A qual dos Profetas não perseguiram os vossos antepassados? Eles também mataram os que predisseram a vinda do Justo, do qual fostes agora traidores e assassinos, vós que recebestes a Lei pelo ministério dos Anjos e não a tendes cumprido». Ao ouvirem estas palavras, estremeciam de raiva em seu coração e rangiam os dentes contra Estêvão. Mas ele, cheio do Espírito Santo, de olhos fitos no Céu, viu a glória de Deus e Jesus de pé à sua direita e exclamou: «Vejo o Céu aberto e o Filho do homem de pé à direita de Deus». Então levantaram um grande clamor e taparam os ouvidos; depois atiraram-se todos contra ele, empurraram-no para fora da cidade e começaram a apedrejá-lo. As testemunhas colocaram os mantos aos pés de um jovem chamado Saulo. Enquanto o apedrejavam, Estêvão orava, dizendo: «Senhor Jesus, recebe o meu espírito». Depois ajoelhou-se e bradou com voz forte: «Senhor, não lhes atribuas este pecado». Dito isto, expirou. Saulo estava de acordo com a execução de Estêvão.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 30 (31), 3cd-4.6ab.7b.8a.17.21ab
(R. 6a)
Refrão: Em vossas mãos, Senhor, entrego o meu espírito. Repete-se
Ou: Aleluia. Repete-se

Sede a rocha do meu refúgio
e a fortaleza da minha salvação;
porque Vós sois a minha força e o meu refúgio,
por amor do vosso nome, guiai-me e conduzi-me. Refrão
Em vossas mãos entrego o meu espírito,
Senhor, Deus fiel, salvai-me.
Em Vós, Senhor, ponho a minha confiança:
hei-de exultar e alegrar-me com a vossa misericórdia. Refrão

Fazei brilhar sobre mim a vossa face,
salvai-me pela vossa bondade.
Como é grande, Senhor, a vossa bondade,
que tendes reservada para os que Vos temem. Refrão


ALELUIA Jo 6, 35ab
Refrão: Aleluia Repete-se
Eu sou o pão da vida, diz o Senhor;
quem vem a Mim nunca mais terá fome. Refrão


EVANGELHO Jo 6, 30-35
«Não é Moisés, mas meu Pai, que vos dá o verdadeiro pão do Céu»

Jesus continua a afirmar-Se como o verdadeiro alimento da fé. Ele é “o Pão que veio do Céu”, “o Pão de Deus”. Aos israelitas no deserto, tinha-lhes sido dado o maná, vindo do céu. Mas, muito mais do que o maná, é este Pão que Deus nos enviou, o seu próprio Filho, para que acreditemos n’Ele e O recebamos pela fé. Assim vai sendo explicado, ao longo de toda a fala de Jesus neste capítulo 6 de S. João, o “sinal” da multiplicação dos pães. A ideia principal está no fim da leitura de hoje. S. João usa uma linguagem simbólica.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Naquele tempo, disse a multidão a Jesus: «Que milagres fazes Tu, para que nós vejamos e acreditemos em Ti? Que obra realizas? No deserto os nossos pais comeram o maná, conforme está escrito: ‘Deu-lhes a comer um pão que veio do céu’». Jesus respondeu-lhes: «Em verdade, em verdade vos digo: Não foi Moisés que vos deu o pão que vem do Céu; meu Pai é que vos dá o verdadeiro pão que vem do Céu. O pão de Deus é o que desce do Céu para dar a vida ao mundo». Disseram-Lhe eles: «Senhor, dá-nos sempre desse pão». Jesus respondeu-lhes: «Eu sou o pão da vida: quem vem a Mim nunca mais terá fome, quem acredita em Mim nunca mais terá sede».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai, Senhor, os dons da vossa Igreja em festa: Vós que lhe destes tão grande alegria, fazei-a tomar parte na felicidade eterna. Por Nosso Senhor.

Prefácio pascal


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Rom 6, 8
Se morremos com Cristo, com Cristo viveremos. Aleluia.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Olhai com bondade, Senhor, para o vosso povo e fazei chegar à gloriosa ressurreição da carne aqueles que renovastes com os sacramentos de vida eterna. Por Nosso Senhor.

 

 

Santo

S. PEDRO CHANEL, presbítero e mártir

 

S. Luís Maria Grignion de Monfort, presbítero

 

 

Martirológio

São Pedro Chanel, presbítero da Sociedade de Maria e mártir, que se dedicou ao ministério das povoações rurais e à instrução das crianças; depois, enviado com alguns companheiros para a evangelização da Oceania ocidental, chegou à ilha Futuna, onde ainda nenhuma comunidade cristã tinha sido constituída; apesar das dificuldades de toda a espécie, com a sua singular mansidão conseguiu converter à fé alguns habitantes da ilha, entre eles o filho do próprio rei, que, enfurecido, o mandou matar, fazendo dele o primeiro mártir da Oceania.

 

São Luís Maria Grignion de Montfort, presbítero, que percorreu as regiões ocidentais da França a anunciar o mistério da Sabedoria Eterna; fundou Congregações, pregou e escreveu obras sobre a cruz de Cristo e sobre a verdadeira devoção à Virgem Maria e reconduziu muita gente a uma vida de penitência; finalmente, em Saint-Laurent-sur-Sèvre, localidade da França, descansou da sua peregrinação terrena.

 

3.   Em Biterra, na Gália Narbonense, hoje Béziers, na França, Santo Afrodísio, venerado como o primeiro bispo desta cidade.

4.   Em Nicomédia, hoje Izmit, na Turquia, os santos Eusébio, Caralampo e companheiros, mártires.

5.   Em Ravena, na Flamínia, hoje na Emília-Romanha, região da Itália, a comemoração de São Vital, no dia em que, segundo a tradição, foi dedicada com o seu nome a célebre basílica desta cidade. Juntamente com os santos mártires Valéria, Gervásio, Protásio e Ursicino, é venerado desde tempos imemoriais por ter defendido tenazmente a sua intrépida fé cristã.

6.   Em Doróstoro, na Mésia, hoje Silistra, na Bulgária, os santos Máximo, Dada e Quintiliano, mártires durante a perseguição de Diocleciano.

7.   Em Tarazona, na Hispânia Tarraconense, São Prudêncio, bispo.

8.   Em Sulmona, nos Abruzos, região da Itália, o sepultamento de São Pânfilo, bispo de Corfínio.

9*.   Em Poggibónsi, na Etrúria, hoje na Toscana, também na Itália, o Beato Luquésio, que, depois de ter sido dominado pela avidez do lucro, se converteu e tomou o hábito da Ordem Terceira dos Penitentes de São Francisco, vendeu os seus bens e deu tudo aos pobres, dedicando-se ao serviço de Deus e do próximo em pobreza e humildade segundo o espírito evangélico.

10*.   Em Sain-Laurent-sur-Sèvre, localidade da França, a Beata Maria Luísa de Jesus (Maria Luísa Trichet), virgem, a primeira religiosa a vestir o hábito da Congregação das Filhas da Sabedoria, que governou com grande prudência.

11.   Em Ninh-Binh, cidade do Tonquim, hoje no Vietnam, os santos mártires Paulo Pham Khac Khoan, presbítero, João Baptista Dinh Van Thanh e Pedro Nguyen Van Hieu, catequistas, que, depois de passarem três anos presos e torturados para que negassem a fé cristã, finalmente, no tempo do imperador Minh Mang, foram degolados e alcançaram a palma do martírio.

12*.   No campo de concentração de Mauthausen, na Áustria, o Beato José Cebula, presbítero da Congregação dos Missionários Oblatos da Virgem Imaculada e mártir, natural da Polónia, que, deportado da pátria para o cárcere em ódio à fé, sofreu cruéis suplícios até à morte.

13.   Em Magenta, próximo de Milão, na Itália, Santa Joana Beretta Molla, mãe de família, que, trazendo um filho gerado em seu ventre, morreu antepondo a liberdade e a vida do nascituro à sua própria vida.