Liturgia diária

Agenda litúrgica

2020-04-18

SÁBADO DA OITAVA DA PÁSCOA

Branco – Ofício próprio. Te Deum.
Missa própria, Glória, sequência facultativa, pf. pascal.

L 1 Act 4, 13-21; Sal 117 (118), 1 e 14-15. 16ab-18. 19-21
Ev Mc 16, 9-15

* Proibidas as Missas de defuntos, excepto a exequial.
* Aniversário da Ordenação episcopal de D. António Maria Bessa Taipa, Bispo Emérito de Tabbora (1999).
* I Vésp. do domingo – Compl. dep. I Vésp. dom.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 104, 43
O Senhor libertou o seu povo entre vozes de alegria
e os seus eleitos com brados de júbilo. Aleluia.

Diz-se o Glória.


ORAÇÃO COLECTA
Senhor nosso Deus, que, na vossa imensa bondade, ofereceis a todos os povos o dom da fé, olhai benignamente para os vossos filhos e fazei que, renascidos pelo sacramento do Baptismo, sejam revestidos da vida imortal na glória celeste. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Actos 4, 13-21
«Não podemos calar o que vimos e ouvimos»

A primeira semana da Páscoa termina com a grande afirmação dos Apóstolos diante do tribunal judaico, a que justificará, para sempre, a presença da Igreja no meio mundo: “Não podemos calar o que vimos e ouvimos”. Assim o proclamamos agora na celebração da liturgia, proclamação que sentimos necessidade de prolongar para além desta semana, por uma longa semana ou oitava de Domingos durante todo o Tempo Pascal, e, fora da celebração da liturgia, todos os dias e em toda a parte.

Leitura dos Actos dos Apóstolos
Naqueles dias, os chefes do povo, os anciãos e os escribas, vendo a firmeza de Pedro e de João e verificando que eram homens iletrados e plebeus, ficaram surpreendidos. Reconhe¬ciam-nos como companheiros de Jesus, mas, como viam diante deles o homem que fora curado, nada podiam replicar. Mandaram-nos então sair do Sinédrio e começaram a deliberar entre si: «Que havemos de fazer a estes homens? Que se realizou por meio deles um milagre, sabem-no todos os habitantes de Jerusalém e não podemos negá-lo. Mas para que isto não continue a divulgar-se entre o povo, vamos intimá-los com ameaças que não falem desse nome a ninguém. Chamaram-nos então e proibiram-nos terminantemente falar ou ensinar em nome de Jesus. Mas Pedro e João responderam: «Se é justo aos olhos de Deus obedecer-vos antes a vós que a Ele, julgai-o vós próprios. Nós é que não podemos calar o que vimos e ouvimos». Depois de novas ameaças, puseram-nos em liberdade, pois não encontravam modo de os castigar, por causa do povo, uma vez que todos davam glória a Deus pelo que tinha acontecido.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 117 (118),1.14-15.16ab-18.19-21
(R. 21a)
Refrão: Eu Vos dou graças, Senhor, porque me ouvistes.
Repete-se
Ou: Aleluia. Repete-se

Dai graças ao Senhor, porque Ele é bom,
porque é eterna a sua misericórdia.
O Senhor é a minha força e a minha glória,
foi Ele o meu salvador.
Há gritos de júbilo e de vitória
nas tendas dos justos. Refrão

A mão do Senhor fez prodígios,
a mão do Senhor foi magnífica.
Não morrerei, mas hei-de viver
para anunciar as obras do Senhor.
Com dureza me castigou o Senhor,
mas não me deixou morrer. Refrão

Abri-me as portas da justiça:
entrarei para dar graças ao Senhor.
Esta é a porta do Senhor:
os justos entrarão por ela.
Eu Vos darei graças porque me ouvistes
e fostes o meu salvador. Refrão


ALELUIA Salmo 117 (118), 24
Refrão: Aleluia Repete-se

Este é o dia que o Senhor fez:
exultemos e cantemos de alegria. Refrão


EVANGELHO Mc 16, 9-15
«Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho»

Está exactamente na linha da leitura anterior o que o Senhor deixou como última mensagem aos seus Apóstolos: “Ide... e proclamai a Boa Nova”. As aparições dos primeiros dias após a Ressurreição do Senhor revestiram-se de oportunidade e valor particular, pois que eram como que a resposta à sua Morte na Cruz. Mas, se a vida terrena de Jesus findou no Calvário, a sua vida gloriosa é eterna. Por isso, Ele pode continuar a ser reconhecido, até que venha no fim dos tempos, na assembleia do seu povo reunido, na sua palavra, nos seus sacramentos, particularmente no da Eucaristia, na vida quotidiana dos que vivem da sua própria Vida. Assim o afirmou o Concílio (SC 7).

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
Jesus ressuscitou na manhã do primeiro dia da semana e apareceu em primeiro lugar a Maria Madalena, da qual tinha expulsado sete demónios. Ela foi anunciar aos que tinham andado com Ele e estavam mergulhados em tristeza e pranto. Eles, porém, ouvindo dizer que Jesus estava vivo e fora visto por ela, não acreditaram. Depois disto, manifestou-Se com aspecto diferente a dois deles que iam a caminho do campo. E eles correram a anunciar aos outros, mas também não lhes deram crédito. Mais tarde apareceu aos Onze, quando eles estavam sentados à mesa, e censurou-os pela sua incredulidade e dureza de coração, porque não acreditaram naqueles que O tinham visto ressuscitado. E disse-lhes: «Ide por todo o mundo e proclamai o Evangelho a toda a criatura».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Concedei, Senhor, que em todo o tempo possamos alegrar-nos com estes mistérios pascais, de modo que o acto sempre renovado da nossa redenção seja para nós causa de alegria eterna. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

Prefácio pascal I [mas com maior solenidade neste dia]


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Gal 3, 27
Vós que fostes baptizados em Cristo
estais revestidos de Cristo. Aleluia.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Olhai com bondade, Senhor, para o vosso povo e fazei chegar à gloriosa ressurreição da carne aqueles que renovastes com os sacramentos de vida eterna. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Martirológio

1.   Em Melitene, na antiga Arménia, hoje na Turquia, os santos Hermógenes e Elpídio, mártires.

2.   Na Pérsia, actualmente no Iraque, São Pusício, mártir, que, sendo superintendente dos artesãos do rei Sapor II, por ter encorajado o presbítero Ananias que parecia hesitar, foi trespassado no pescoço e morreu no Sábado Santo, alcançando um lugar insigne entre a multidão dos mártires trucidados depois de São Simeão.

3*.   Em Fano, no Piceno, hoje nas Marcas, região da Itália, Santo Eusébio, bispo, que acompanhou o papa São João I, enviado pelo rei Teodorico a Constantinopla, seguindo-o também, depois do regressso, no cárcere em que foram encerrados.

4*.   Em Leighlin, na Irlanda, São Lariano ou Molássio, abade, que difundiu pacificamente na ilha a celebração da Páscoa segundo o costume romano.

5.   No cenóbio de Lobbes, no Hainaut, hoje na Bélgica, Santo Usmaro, bispo e abade, que propagou a regra de São Bento e conduziu o povo da região à fé cristã.

6.   Em Constantinopla, hoje Istambul, na Turquia, Santa Antusa, virgem, filha do imperador Constantino Coprónimo, que empregou todos os seus bens para ajudar os pobres, redimir os escravos, restaurar igrejas e construir mosteiros, e recebeu do bispo São Tarásio o hábito religioso.

7.   Na ilha Egina, na Grécia, Santa Atanásia, viúva, depois eremita e hegúmena, ilustre pela sua observância da disciplina monástica e grandes virtudes.

8.   Também na ilha Egina, São João Isauro, monge, que foi discípulo de São Gregório Decapolita e, no tempo do imperador Leão o Arménio, combateu valorosamente em defesa das sagradas imagens.

9.   Em Córdova, na Andaluzia, região da Espanha, São Perfeito, presbítero e mártir, que, por ter combatido a doutrina de Maomé e professado firmemente a fé em Cristo, foi encerrado no cárcere e depois passado ao fio da espada pelos Mouros.

10*.   Em Bruges, na Flandres, actualmente na Bélgica, o beato Idesbaldo, abade, que, depois de ter ficado viúvo e ter exercido funções no palácio condal durante trinta anos, ingressou no mosteiro de Dune, que dirigiu santamente como terceiro abade durante doze anos.

11.   Em Milão, na Lombardia, região da Itália, São Galdino, bispo, que trabalhou diligentemente para restaurar a cidade devastada pela guerra e, depois de uma pregação contra os hereges, entregou o espírito a Deus.

12*.   Em Montereale, nos Abruzos, região da Itália, o Beato André, presbítero da Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho, que se dedicou à pregação na Itália e na França.

13*.   Em Gandia, cidade da província de Valência, na Espanha, o Beato André Hibernon, religioso da Ordem dos Frades Menores, que, tendo sido na sua juventude espoliado de todo os bens pelos ladrões, cultivou de modo admirável a pobreza.

14*.   Em Pontoise, próximo de Paris, na França, a Beata Maria da Encarnação (Bárbara Avrillot), exemplar mãe de família e mulher de admirável piedade, que introduziu o Carmelo na França e fundou cinco mosteiros, até que, após a morte do esposo, ela própria professou a vida religiosa.

15*.   Em Angers, na França, o Beato José Moreau, presbítero e mártir, que, durante a Revolução Francesa, foi degolado em ódio à fé cristã na Sexta-Feira da Paixão do Senhor.

16♦.   Em Veneza, cidade da Itália, Beato Lucas Passi, presbítero e fundador da Congregação das Irmãs Mesras de Santa Doroteia.

17*.   Em Sena, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, a Beata Sabina Petrílli, virgem, que fundou a Congregação das Irmãs de Santa Catarina de Sena, para socorrer as jovens indigentes e os pobres mais necessitados.

18*.   Em Majdanek, localidade próxima de Lublin, na Polónia, o Beato Romano Archutowski, presbítero e mártir, que, por causa da fé cristã, foi encerrado no cárcere pelos soldados estrangeiros e, exausto pela fome e pela enfermidade, alcançou a glória eterna.